Monday, 31 August 2009

TIROTEIO EM MILANGE?

Fontes no terreno (Milange) afiancaram-nos que houve um tiroteio em Milange, ontem, Segunda feira, local onde se encontra em visita de trabalhos o candidato as presidenciais pelo Partido Renamo, Afonso Dhlakama. Alegadamente jovens pertencentes ao Partido Frelimo confrontaram a comitiva da Renamo e esta ripostou com fogo.

O nosso interlocutor afirmou que foram disparadas quatro balas, enquanto que uma fonte que pediu o anonimato afirma que houve 22 feridos, dos quais 18 feridos graves e 4 gravissimos. Uma terceira fonte alega que registaram-se 7 feridos, dos quais 6 receberam alta, estando 1 de baixa no hospital distrital de Milange (Numeros por confirmar de fonte independente). Segundo a mesma fonte, o res do chao da Sede distrital do Partido Frelimo ficou destruida/com vidro partidos incluindo algumas viaturas e motos!

Esta manha soubemos que a vila de Milange esta calma e que o Comandante Provincial da PRM, Manuel Zandamela deslocou-se a Milange! Entretanto, o Partido Frelimo na Zambezia convocou uma conferencia de imprensa para reagir ao desenrolar dos eventos em Milange.

Aguardamos mais pormenores do nosso correspondente no local!

Aqui fica uma vez mais o nosso apelo as forcas envolvidas na campanha eleitoral para assinem um codigo de conduta eleitoral que evite provocacoes, bem como o uso da violencia.

E tempo de todas as forcas vivas da sociedade de se pronunciarem enquanto e cedo para evitar o pior! Evitar o deflagrar de eleicoes violentas e tarefa de todos nos: cidadaos, politicos, sociedade civil, imprensa, igrejas, empresarios. Porque nao uma marcha da sociedade civil a exigir eleicoes pacificas, livres, e transparentes?

Digamos nao as provocacoes e NAO a violencia!

Queremos eleicoes gerais, justas, transparentes e limpas!

Nao nos levem a guerra de novo! 26 anos de guerra (10 pela independencia e 16 pela democracia) em 50 anos e muito para um povo! E sabe-se que quando a guerra inicia quem sofre e o povo!

Neste caso concreto ate prova em contrario, condenamos ambas as partes, o Partido Frelimo e o Partido Renamo!

Somos pela constituicao de uma comissao de investigacao independente para apurar as responsabilidades de cada parte envolvida neste incidente!

Construamos Mocambique em paz! Nao destruamos o nosso querido pais, uma vez mais!!

Um abraco,
MA

MANCHESTER UNITED 2- ARSENAL 1

MANCHESTER UNITED 2- ARSENAL 1

MANCHESTER UNITED 2- ARSENAL 1

MANCHESTER UNITED 2- ARSENAL 1

Jovens beneficiando do Futuro Melhor!

A partir da RDCongo: Hidroeléctrica para servir Europa sofre criticas

UMA organização que avalia projectos do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional criticou severamente, semana passada, planos para abastecer residências na Europa, de electricidade gerada em África.

O Projecto Bretton Woods concentrou-se, na sua avaliação, num projecto para a construção proximamente de uma barragem hidroeléctrica na região de Grand Inga, na RDCongo, que segundo a BBC, se trata de um empreendimento financiado pelo Banco Mundial, que incluirá um pacote para o fornecimento de electricidade a regiões do sul da Europa, através de um cabo subterrâneo.

A fonte sublinha o facto de menos 30 por cento de cidadãos africanos terem acesso à electricidade, e na RDCongo a situação ser ainda mais grave, com apenas sete por cento dos congoleses a beneficiarem de electricidade.

Mas, apesar da necessidade desesperada de energia eléctrica no Congo, Anders Lustgarten, do Projecto Bretton Woods, disse ser pouco provável que o povo congolês beneficie da barragem hidroeléctrica de Grand Inga, que será a maior do mundo.

“Apesar de milhares de milhões de dólares da dívida criada por este projecto terem de ser pagos pelo governo congolês, não vejo como é que o povo irá beneficiar. Toda a energia eléctrica será usada ou pelas minas do país, ou para exportar para outros mercados”, afirmou Lustgarten, em declarações à BBC.

O Banco Mundial sustenta que por forma a garantir os financiamentos, o projecto da hidroeléctrica congolesa precisa de apoios europeus, mas Lustgarten entende que fazer chegar a electricidade à Europa “será uma operação complexa”.

“Eles vão construir um cabo eléctrico de alta tensão a partir do rio Congo, para atravessar o território do Sahara Ocidental, Darfur, Egipto, Mediterrâneo, até à Europa. Quão complicado, perigoso, difícil, ridículo e incrivelmente caro será fazer isso para que os europeus usem electricidade gerada pelo rio Congo. Enquanto isso, as pessoas que vivem ao lado do rio, há várias gerações, continuará sem receber nada”, censurou Lustgarten, concluindo: “Não é a primeira vez que África será usada para gerar energia para a Europa. O continente já é um importante fornecedor de petróleo, e no mês passado foi assinado um acordo para se transportar gás da Nigéria para vários países europeus. Entretanto, a maior parte dos africanos continua sem electricidade”.
Maputo, Segunda-Feira, 31 de Agosto de 2009:: Notícias

Lula irrita-se na UNASUL




O PRESIDENTE brasileiro irritou-se sexta-feira durante a cimeira da América do Sul (UNASUL) em Bariloche (Argentina), censurando os seus homólogos por falarem demasiado para as câmaras em vez de se porem ao trabalho.

"Se um presidente tenta impor as suas verdades aos outros, não haverá acordo", disse Luiz Inácio "Lula" da Silva em referência ao seu homólogo boliviano, Evo Morales, que acabava de explicar que recusaria aprovar uma declaração que não rejeitasse as bases estrangeiras. "A mim o que me preocupa é o que vai dizer a Imprensa amanhã", disse Lula. "No momento em que pensávamos que a reunião estava terminada, eis que a reunião recomeça. Alguns presidentes falaram três ou quatro vezes" , disse, antes de desligar o seu microfone visivelmente irritado.

Censurou os seus homólogos por falarem "para o seu público" e para as câmaras em vez de tentarem resolver os problemas.

A pedido do presidente colombiano, Álvaro Uribe, estas discussões foram transmitidas na íntegra e em directo na Sala de Imprensa, acontecimento raro para cimeiras de crise deste género. Visado também pelas críticas, o presidente equatoriano Rafael Correa respondeu-lhe que apenas falara uma vez em representação do seu país e uma enquanto presidente da UNASUL.

Os presidentes da UNASUL lançaram sexta-feira uma advertência contra "a presença de forças estrangeiras" na região, na declaração final da cimeira.

Os chefes de Estado "reafirmam que a presença de forças militares estrangeiras não pode (…) ameaçar a soberania e a integridade de um país sul-americano e por consequência a paz e a segurança da região", indica o texto da declaração final.

Esta reunião tinha sido convocada para resolver a crise regional causada pelo anúncio de um acordo EUA/Colômbia que prevê que Washington possa ter acesso a sete bases militares colombianas.

Maputo, Segunda-Feira, 31 de Agosto de 2009:: Notícias

Ocorrencias

Maputo, Segunda-Feira, 31 de Agosto de 2009:: Notícias
Crime hediondo choca Machava-Sede, município da Matola. Um empregado doméstico de 19 anos de idade violou sexualmente um bebé de 36 meses que fora deixado pelos país sob os seus cuidados. A violação que provocou ferimentos graves na criança, deu-se na última semana e o criminoso encontra-se actualmente detido. Dada a gravidade das lesões, o bebé encontrava-se internado no Hospital Geral José Macamo até ao final da semana. A vítima é a primeira filha de um casal de jovens, sendo que o pai tem 25 anos de idade, segundo Juarce Martins, porta-voz da Polícia na província do Maputo.
Quatro indivíduos que se dedicavam ao roubo de viaturas na África do Sul e sua introdução no país foram semana finda detidos na zona de Pangane, no distrito fronteiriço da Moamba, província do Maputo. A Polícia acrescentou que na altura da sua detenção, o quarteto fazia-se transportar numa luxuosa BMW com a chapa de inscrição TRN 783 GP, ao que tudo indica roubada na terra de Mandela. Actualmente decorrem investigações com vista à confirmação das acusações que pesam sobre os supostos ladrões de carros, de 27, 28 e 31 anos de idade. Fonte competente da Polícia disse que os indivíduos fazem parte dos 14 detidos durante a semana acusados de diversos crimes.
Dois vigilantes nocturnos da Escola Secundária Nelson Mandela, na zona de Beluluane, em Boane, decidiram estranhamente mudar de papel, tornando-se gatunos. De 50 e 52 anos de idade, os dois guardas já tinham conquistado a confiança da direcção daquela unidade de ensino pública, tendo a sua atitude surpreendido a comunidade escolar. A Polícia, que não especificou os bens roubados, assegurou que a dupla foi imediatamente detida.
Pelo menos 75 automobilistas estão sem as suas cartas de condução desde a semana passada em consequência de terem ultrapassado os limites de velocidade recomendados em vários pontos da província do Maputo. Para além destas, outras dez cartas foram retidas pela Polícia por os respectivos titulares conduzirem com os níveis de álcool acima da média, segundo balanço policial da semana fornecido à nossa Reportagem.

Emprego e formação profissional: Unir sinergias para inserção de jovens

O PARLAMENTO Juvenil e o Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional (INEFP) acabam de rubricar um memorando de entendimento, cujo objectivo geral é de unir sinergias para a inserção dos jovens em actividades produtivas, através da promoção activa do emprego e formação profissional.O memorando foi rubricado, da parte do Parlamento Juvenil, pelo respectivo presid

ente Salomão Muchanga, e da parte do INEFP, pela directora-geral, Abiba Tamele.

São objectivos específicos deste memorando o desenvolvimento de esforços com vista à promoção da formação profissional, formação em gestão de pequenas e médias empresas e promoção de iniciativas de auto-emprego.

De acordo com Salomão Muchanga cada uma das partes assinantes tem as suas responsabilidades. Assim, segundo Salomão Muchanga, ao Parlamento Juvenil cabe desenvolver acções concretas que garantam a promoção do emprego e de programas de formação profissional; coordenar com o INEFP a selecção de cursos e candidatos à formação profissional; desenvolver acções visando garantir aos jovens desempregados o acesso à formação profissional de acordo com as exigências do mercado de trabalho; mobilizar fundos para facilitar a implementação do processo de formação e aquisição de kits para o auto-emprego e participar nos trabalhos de monitoria e avaliação de todo o processo de formação.

São, por outro lado, responsabilidades do INEFP apoiar e estimular iniciativas do Parlamento Juvenil com vista à promoção do emprego e formação profissional dos jovens; cooperar com o Parlamento Juvenil na formação profissional, intermediação e na inserção profissional dos candidatos a emprego, disponibilizar monitores, programas e manuais de formação para realizar cursos e participar nos trabalhos de monitoria e avaliação de todo o processo de formação.
Maputo, Segunda-Feira, 31 de Agosto de 2009:: Notícias

Trouble Sleeping? Just Breathe



by LIVESTRONG.COM, on Mon Aug 24, 2009

If your mind is racing and you are having difficulty falling asleep, a few minutes of simple but effective breathing exercises can help calm your nervous system on a chemical level and lead to greater success in hitting the sack.

FOR MORE DETAILS PLEASE CLICK HERE

Japan begins a new era



Monday, August 31, 2009

Japan's Democratic Party handed the ruling Liberal Democrats a crushing defeat in yesterday's election, ending a half century of nearly uninterrupted one-party rule. The DPJ won 308 of the 480 seats in the assembly, a 175 percent increase.

Now, of course, begins the hard part. The DPJ faces a laundry list of economic problems and an impatient electorate. The Party has promised robust social spending measures to combat the crisis, but with high deficits, it's not clear where the money is coming from. It's also an open question how a DPJ led government will reorient Japan's role on the world stage and its relationship with the United States.

In mid-September, the DPJ will vote in a new prime minister. The job will almost certainly fall to party leader Yukio Hatoyama, an unlikely reformer and scion of a Japanese political dynasty.

Strategy review: The U.S. commander in Afghanistan, David McChystal, has sent his strategic review to the Pentagon calling for a new strategy in the war. The report doesn't mention troop level increases by McChrystal is expected to ask for them privately.

For more details please click here

Japan Wakes Up to New Political Era

Morning Edition


Prime Minister Taro Aso admitted defeat this morning. And what a defeat it was. The Democratic Party of Japan won 308 of the 480 seats in the lower house, a 175 percent increase. The Liberal Democratic Party got a mere 119 seats, approximately one-third of its previous total. Everyone says the Democratic Party's landslide victory had more to do with people's frustration with the current government, as well as the state of the economy, than with any specific campaign promises. The man who is likely to be the next prime minister, Yukio Hatoyama, met with party leaders today to start selecting Cabinet ministers. The party's leaders know their newfound fortunes could quickly disappear if people don't see a quick improvement in their daily lives and in the economy as a whole. Despite the fact that the Democratic Party has advocated for greater independence from the United States, most don't expect that there will be any kind of a serious break between the two countries. The new government might demand a reduction in the number of U.S. troops stationed in Japan, but overall, analysts are optimistic the new leadership could strengthen Japan's participation in the world stage.


Read original story in The Associated Press | Monday, 31 Aug 2009

Four Brothers, One Enduring Spirit




Theirs is a story of a unique American brotherhood, their bond and their lives so intimately woven into the history of a nation.

For more details please click here

O Sonho ao Avesso!

Eu estava no Kulungwana

Do Indico, o frio em formigueiro, invadiu a estacao
Para abafar vapores e apitos de comboio em acção
A moldura humana, sentada ou de pé, na vertical
Direita, sem avesso, sem despejo, solene e magistral

Um homem assim que desafia contas protocolares
Encaderna umas cadeias, de matemática já feita
E acaba fustigado pelo afago que goza dos populares
Promete, imaginar, futuros ângulos de colheita

Procurei em vão mozliners, de palavra de arroba falada
Entorpeci meu pescoço para admirar povao de cara
Levantei-me para rever Vossa Excelência difícil e rara
Terminei nos 250,00 MT na palavra escrita e aromatizada

Aos 49 anos Muteia nega largar a juventude da Charrua
Mimoseia carinhoso a mente da Lilia em tinta pura e crua
Mesmo na síntese gramatical do Lobo, qual fado ou barroco
Muteia cruza inovação etária de quem paga e recebe troco

Pedro Lavieque
28.Agosto.2009

Um video interessante sobre o Partido Conservador britanico, por sinal o partido mais velho do mundo!



http://www.youtube.com/watch?v=IO52TjI88tE

A Quem Pertence Afinal Este Cão?





ANIBALZINHO: A Quem Pertence Este "Cão"?
Recebi Por Email e Achei Interessante Compartilhar Aqui, apesar de o texto nao ter sido assinado!:




O fenómeno Anibalzinho desobriga-nos ao silêncio. É de facto difícil ficar alheio ao fenômeno entra e sai dos calabouços por parte deste.

Facto assente neste processo, é que o Aníbal foi sempre tirado de onde sempre esteve a guarda e da última vez com direito a acompanhantes: Samito ora detido (também recapturado) e Todinho (encontrado morto e a polícia a revendicar que o tenha abatido mortalmente).

Facto que se pode considerar também assente, é que as ordens de tirada de Aníbal, partem de dentro da estrutura do Ministério do Interior e/ou do Comando Geral da Polícia, sendo incisas as dúvidas de quem em concreto e com que interesses o faz.

De toda as formas, todas as vezes que o Anibal presumivelmente se evadiu, foi sempre recapturado e ao meu ver, a recaptura, demonstra que o Estado nunca se conformou com as suas saidas, tampouco, com a vantagem que estas saidas podem representar a quem interesa; é que, interessando ao Estado o sumiço de Anibalzinho, seria numa destas saidas que não mais voltaria, ficando sempre a dúvida se morrera ou sobrevivera.

Esta tarefa, que se diga seria facilitada, com o desaparecimento físico da mãe deste, pessoa que por fora, fazia e era suposto, fazer qualquer tipo de pressão, pois, para a opinião pública, não seria difícil de digerir, a morte de Aníbal em uma até “forjada tentativa de fuga logo a captura”, porque, só quem não quís ver, no acto do julgamento do caso Cardoso, a personalidade delinquente e o grau de perigosidade do mesmo.

A recaptura deste, é para mim, um sinal de não alinhamento de algum sector da corporação e maxime do Estado, que sempre teve e bem assente, que o pais, não podia ficar refém de um simples “cão” que se sabe ter sempre um dono.

E a questão que não cala: a quem pertence aquele cão?

Deve e há de pertencer, a quem ganha louros com as saídas aerosas e contrapartida de desprestígio de toda a máquina estadual, há de sempre pertencer a quem quer fazer passar a imagem de quem realmente tem o controlo da máquina policial, do recrudescer da criminalidade, da declaração de falência da máquina estadual, da inactividade da nossa polícia, e/ou, por qualquer outro motivo incofessável.

Facto, é que o problema não é o Aníbal em si, mas sim, de quem se serve do mesmo para fazer passar a sua agenda;e afinal quem é esta pessoa(s)?

Reside o problema, nas pessoas que o tem sob controle, porque acredito e os factos o apontam, Anibal não teria de per si capacidade para montar a superstrutura que sempre se monta quando ele tem que sair da cadeia.(é só ver a questão do passaporte usado encontrado na sua posse, que segundo a polícia, foi produzido, na altura em que esteve ainda detido, e mais, as luxuosas residências onde costuma ficar na Africa do Sul, a facilidade com que se movimenta, basta lembrar, que da primeira vez, foi preso em Canadá e sem os descontos enganosos que as agências de viagem nos presenteiam em seus spots publicitários).

É só ver que desta última vez teve direito (e para melhor simular uma situação de fuga) a acompanhantes, peões no jogo que se montara com toda a perícia.

Urge descobrir quem está por detrás da acção do Aníbal, porque assim descoberto, até as simples e transtórias celas das esquadras que são trancadas por simples cadeados “made in china” seriam lugar seguro para o guardar.

Como alguém já disse, combater o Anibalzinho, o instrumento, não basta. Há que combater quem o maneja. Como disse um dia o antigo Deputado o Dr. Teodato Hunguana, a única forma de evitar que o Estado caia definitivamente nas malhas do crime organizado que, amiúde, nos brinda com estas tiradas e retiradas do Anibalzinho, é desencadear uma guerra sem quartel contra os mentores da alta criminalidade, neste caso contra os mentores das sistemáticas fugas de Anibalzinho e, também, dos seus executantes ou instrumentos.

Correr atrás de Anibalzinho sempre que fuja sem fazer nenhum trabalho para parar quem, de dentro da própria instituição estadual se dedica a fazê-lo sair significa, na acepção do Dr. Hunguana, manter intactas as fontes de reprodução as fontes da sua reprodução, fontes que se tornam cada vez mais poderosa e capazes de se apropriarem do próprio Estado.

A quem pertence afinal este cão?


Anonimo(?)

Sunday, 30 August 2009

Por do Sol em Quelimane!


Obrigado Evans Bacar pela foto. MA

Saturday, 29 August 2009

PR movimenta embaixadores

O Presidente da República, Armando Guebuza, exonerou ontem em despachos separados dez embaixadores. Trata-se de Álvaro Manuel Trindade do ó da Silva e Armando Alexandre Panguene, embaixadores extraordinários e plenipotenciários junto do Reino da Espanha e Estados Unidos da América, respectivamente, Artur Josssefa Jamo, que representava o país na República Árabe do Egipto, Tunísia, Argélia, Líbia e Marrocos.

Um comunicado da Presidência da República recebido na nossa Redacção indica ainda Belmiro Malate e Carlos Agostinho do Rosário, altos comissários no Botswana e junto da República da Índia e Socialista e Democrática do Sri Lanka, respectivamente, para além de Daniel António, embaixador no Japão. Filipe Chidumo, embaixador nas Nações Unidas e alto comissário na Jamaica e na República de Trindade e Tobago, Geraldo António Chirindza, representante de Moçambique na Indonésia, na Malásia e no Brunei Darussalam integram a lista, que só se completa com Marcos Geraldo Namashulua, alto comissário no Quénia e Uganda, bem como Tiago Recibo Castigo, que velava pelos interesses nacionais no Reino da Suazilândia. Por outro lado, o Chefe deoEstado nomeou ainda ontem em despachos separados 11 embaixadores. Eis os nomes: Amélia Matos Sumbana, Belmiro José Malate, Carlos Agostinho do Rosário, Daniel António e Fernanda Eugénio Moisés Lichale, embaixadores extraordinários e plenipotenciários junto dos EUA, Japão, Indonésia, Nações Unidas e Reino da Espanha, respectivamente. Jacob Jeremias Nyambir, indicado para embaixador na Argélia, e José António Alberto Matsinha, para o Egipto, são outras nomeações. José Maria da Silva Vieira Morais, Junqueiro João da Graça Manhique, Manuel José Gonçalves e Tiago Recibo Castigo, seguem como altos-comissários junto da República da Índia, Reino da Suazilândia, Quénia e Botswana.
Maputo, Sábado, 29 de Agosto de 2009:: Notícias

EDWARD KENNEDY FUNERAL: DISCURSOS A NAO PERDER!


Para assitir o funeral de Ted ao vivo, por favor clique aqui

Friday, 28 August 2009

TOMBOU O EMBONDEIRO DE ULONGUE!




Faz um ano que o embondeiro de Ulongue nos abandonou! Hoje como ontem continuamos em estado de choque e incredulos pelo desaparecimento prematuro desta reserva moral da nossa sociedade, deste gigante da politica mocambicana! Aquela ilha onde em momentos de incerteza iamos buscar a certeza do amanha! Aquele monte, onde na ausencia da sabedoria, iamos busca-la no cume ou no leito de seus vales; aquela fonte onde quando confrontados com a sede do saber, iamos refrescar nossa garganta intelectual; aquela sombra, onde depois de caminhar quilometros ao sol e no deserto iamos repousar e recarregar as baterias! Alone, ontem, como hoje; hoje como amanha continuaras a ser aquela fonte de inspiracao que sempre foste! Aquela estrela, qual luz no fundo tunel! Aquela esperanca que mesmo nos momentos em que nao acreditamos em mais nada continua impavida, serena e brilhante pois ela e e sempre sera a ultima a morrer!
A tua ponte, a ponte sobre o Zambeze porque tanto te bateste esta em pe!

Recordando-te, permita-me dizer, descanse em paz mestre!

Um abraco eterno, eterno nao, porque cedo ou tarde juntos estaremos, e a lei da humanidade!
MA

N.B. E homenagem a este grande patriota, republico o meu texto lavrado em homenagem a memoria do Dr. Alone. O texto foi escrito em Londres e publicado neste blog no dia 1 de Setembro de 2009 bem como no Magazine Independente!

1 de Setembro 2008

Foi com incredulidade e consternacao que recebi Sabado ultimo, a noticia do desaparecimento fisico do Dr. David Aloni, membro do Conselho de Estado, ex-deputado e membro da Comissao Permanente da Assembleia da Republica, Conselheiro da Agenda 2025, membro do Conselho Nacional e Ministro da Industria e Comercio no Governo-Sombra da Renamo.

A morte de David Aloni, e uma perda irreparavel nao apenas para o pais, mas tambem para a oposicao, para os cidadaos das provincias da Zambezia e Tete e da populacao do Distrito de Ulongue, sua terra natal. E uma perda para a juventude mocambicana que via em David Aloni, um modelo singular de dirigente comprometido com a causa do seu povo! Um dos poucos dirigentes deste pais, que sabia colocar os interesses do pais acima dos interesses partidarios, regionais, familiares ou pessoais. David Aloni era um mocambicano de raiz, um patriota que amava o seu povo e a sua cultura! Um patriota que amava as suas gentes e que nao discurava suas origens camponesas mas aristocraticas dentro da 'estrutura filosofica negro-africana', como ele propria e muito bem o sabia definir. Dono de uma escrita peculiar, David Aloni sabia destruir com razao, sem ofender nem beliscar o adversario. Os seus lendarios discursos e intervencoes do pulpito da nossa Casa Magna, a Assembleia da Republica, seus artigos imortalizados nos semanarios Zambeze, Magazine Independente e Savana sao disso testemunha. A sua obra intelectual iniciada ao longo da sua formacao quer no seminario, quer em Portugal ou no Reino dos Paises Baixos onde se doutorou (PhD)em Sociologia e Relacoes Internacionais e uma autentica biblioteca e passa pela publicacao ainda antes da independencia nacional ou pouco depois de duas obras de valor inestimavel. Oxala a academia mocambicana saiba valorizar o trabalho intelectual deste filho da patria mocambicana, que teve o 'azar' e por isso pagou o preco, de estar do 'lado errado da historia' e amar seu povo e suas origens, segundo seus detratores, que o idolatravam em surdina mas o odiavam e invejavam pela fulminencia e lucidez de seu raciocinio.

Apagou-se uma estrela na noite intelectual mocambicana. Morreu David Aloni, Um homem de grande caracter e inteligencia. Um homem que representava a integridade moral e coerencia.

Morreu David Aloni sem ter realizado dois dos seus sonhos. Leccionar e ver sua terra respirar o ar puro da democracia materializada na alternancia do poder, liberdade de opiniao e de expressao. Para meu desconforto, varias faculdades deste pais, publicas e privadas negaram-lhe o direito simples defendido pela nossa Constituicao da Republica- o direito de leccionar! Vi e vivi como isso lhe corroia a alma. Mas mesmo assim, nunca o vi desistir ou desfalecer ou curvar-se perante seus adversarios, quer internos quer externos!
A sua ultima aparicao publica foi na ultima Quinta Feira no Hotel VIP, no debate sobre o 'Impacto da Zona de comercio Livre na economia Mocambicana;, organizada pelo Centro de Estudos Mocambicanos e Internacionais (CEMO) de que era fervoroso apoiante e conselheiro. Aloni, como sempre, leu a sua intervencao.

Morreu David Aloni – meu modelo de academico, professor, mentor e quica pai ideologico!

Conheci o Dr. David Aloni na Cidade de Quelimane. Andava eu na 7a classe na Escola Secundaria 25 de Setembro, vulgo ‘Liceu’. Aloni era director da Enacomo, uma empresa que procedia a distribuicao e comercializacao de produtos alimentares na provincia da Zambezia e mais tarde da Companhia da Zambezia ou vice-versa.

Na altura andava eu 'apaixonado' pela poesia e fazia parte de um grupo de estudantes do ‘liceu’ que faziam parte do Nucleo de Artistas e Escritores da Zambezia (NEAZA). E logico que com catorze anos nao eramos membros efectivos, eramos uma especie de aprendizes de sapateiro, de ‘continuadores’ da NEAZA. Faziam parte do grupo o Armando, o Belarmino Varela de Barros, o Octavio e outros. Uma vez por mes, aos Sabados a tarde reunia-mo-nos nas traseiras do Gabinete do Governador, no Restaurante Aquario, para algumas tertulias poeticas, acompanhadas de poesia e quica de alguns comes e bebes, sempre e infalivelmente, gentilmente patrocinadas por David Aloni, na companhia do tambem sempre jovem poeta e escritor Joao Inroga-Pai.

David Aloni notabilizava-se nao apenas na direccao do nucleo, mas essencialmente na simplicidade, no carinho e esperanca com que tratava os seus 'continuadores', os continuadores do seu sonho de poeta. Lembro-me das inumeras vezes em que David Aloni, com a paciencia de chines, corrigia e nos mandava redigir de novo os poemas e contos, ate atingir os 'minimos exigidos para uma apresentacao em publico'. Era um pedagogo exemplar, de se lhe tirar o chapeu.

Estavamos em Guerra. Lembro-me do dia em que o Dr. Aloni nos levou para um apartamento, no Predio Bulha para vermos ‘in loco’ um video que mostrava como os ‘bandidos armados’ haviam arrasado a Vila de Milange e com eles levado todos os zincos da vila. Na altura contavam-se as pessoas que na Cidade de Quelimane possuiam um video. E ele era dos poucos e vivia, se a memoria nao me trai, numa casa da Companhia da Zambezia, a alguns metros do palacio do governador provincial.

Essa imagem de uma vila sem zincos nunca mais saiu do meu imaginario, tendo marcado toda a minha vida! Tinha sido, a primeira percepcao vivida por mim, sobre os efeitos nefastos da Guerra, que apenas ouviamos falar na rua, ou entao pela radio, pois na altura nao havia sinais de televisao na Cidade de Quelimane.

Confesso que uma das maiores decepcoes que tive na minha curta mas excitante vida politica foi ter sido eleito deputado da AR, e nao ter podido estar lado a lado com a sabedoria do ‘meu professor’ e mentor social e politico!

Do Dr Aloni aprendi uma coisa que prezo e prezarei ate ao fim dos meus dias de vivente neste vale de lagrimas: a ser coerente comigo mesmo e nunca manter-me calado! Todas as vezes que nos encontravamos, e a ultima foi quando o convidei para dar uma palestra majestral no Hotel Rovuma sob os auspicios do CEMO sobre 'A xenofobia na Africa do Sul', o Dr Aloni perguntava-me. Continuas a dar aulas? -meu filho, 'nunca abandones a academia'!.

A avaliar pelos recentes acontecimentos no Municipio da Beira, sem querer ser advinho, posso imaginar que deve ter-lhe doido a alma! Aloni defendia a cultura democratica com unhas e dentes. Na obra Mocambique 10 Anos de Paz, de Brazao Mazula, Aloni disse sem papas na lingua: 'Na dimensao politica, importa referir que, aquilo que seria de desejar-a reconciliacao nacional entre os mocambicanos a luz do artigo 66 da Constituicao da Republica, ainda nao se efectivou. E ainda uma miragem porque ainda persistem os resquicios dos anos da Guerra agravados por preconceitos que levam a exclusao social de uma boa parte da sociedade mocambicana, porque se institucionalizou o espirito de clube', para depois rematar: 'Multipartidarismo, sim; democracia, sim, mas tudo quase so no papel. De boas intencoes estao cheios os nossos dirigentes politicos, mas, na pratica, nada acontece, porque o principio e: 'quem nao esta comigo, 'esta ipso facto, contra mim'

E dificil aceitar esta orfandade. A natureza e por vezes injusta. Muito injusta!

Saibamos pois valorizar esta dadiva humana. Saibamos preservar a obra, a memoria e o legado deste 'homem incompreedido pelos seus e pelos demais.'

David Aloni era a reserva moral e intelectual do oposicao em Mocambique! Os seus ensinamentos ficaram indelevelmente registados na historia desta patria indica.

Em memoria deste grande HOMEM, deste PATRIOTA de credenciais indescritiveis, deste nacionalista ferrenho, intelectual e academico de finura e perspicacia inigualavel, homem de uma verticalidade estonteante, parlamentar e debatedor de primeira agua, lider incontestavel de massas como o demonstrou quando cabeca de lista nas provincias da Zambezia e de Tete com vitorias estonteantes, africanista de gema, ficaremos ate Quarta feira, dia previsto para o seu enterro sem blogar!

A familia enlutada, a esposa, ao Paulo, Carlitos, Miguel e Arlete, vao os nossos mais sentidos pesames! Estamos de luto: Perdemos um pai, biologico para voces, mas ideologico para mim!

Saibamos valorizar e preservar o pensamento, a imagem, a luta, a causa, a memoria e fundamentalmente o legado deste Embondeiro de Ulongue!

Onde tomba um combatente pela liberdade, nascem milhares de combatentes! Que o caule do seu gigantesco tronco, adube o solo de onde nascerao milhares de embondeiros com caules ainda mais pujantes, eloquentes e frondosos!

Continuaremos com a luta, porque a nossa luta e JUSTA!

PAZ A SUA ALMA!

BAYETE, COMANDANTE ALONI!


Manuel de Araujo



www.manueldearaujo.blogspot.com



"MAXIMIZE HAPPINESS, minimize suffering!"



Tel. +44-(0)-7944733143

Ted Kennedy’s death leaves a messy hole in American public life


Lexington

A hell of a senator
Aug 27th 2009




Illustration by KAL
HAD a young woman not drowned in his car, he might have been president. That, alas, is how many will remember Ted Kennedy. He ought rather to be remembered for his 47 years of manly toil in the Senate, where he was a staggeringly capable legislator. He arguably brought more lasting change to America than any other member of his celebrated family. Yet his story hinges around the tragedy of Chappaquiddick in July 1969.

The lesson from Sodom and Gomorrah


Africa's population


Aug 27th 2009
From The Economist print edition

Africa’s fertility rates are falling. Can the continent take advantage?

eyevineCAREFULLY stepping round another heap of fetid refuse in Sodom and Gomorrah, it is easy to despair of Africa’s future. Accra’s notorious slum is aptly named. Here, about 30,000 families (no one knows for sure how many) crowd into a warren of hastily thrown-together shacks on the fringes of Ghana’s capital: there is no power, sewerage or running water, diarrhoea and other diseases are rife and deadly fires rapidly take hold. It seems to contain all that is wrong with modern Africa—too many people, deep poverty and the failure of inept or corrupt governments to do anything to help. Yet Sodom and Gomorrah also has a more hopeful story to tell.
For more details please click here

Right man, rough job


The Federal Reserve


Aug 27th 2009
From The Economist print edition

Ben Bernanke’s renomination as Fed chairman is good news. But his hardest work lies ahead

APHAVING endured weeks of criticism over his plans to reform American health care, Barack Obama urgently needs some friendly headlines. That helps to explain why, on August 25th, the president nominated Ben Bernanke to a second term as chairman of the Federal Reserve, even though Mr Bernanke’s first one does not expire until next January. The decision was widely hailed on Wall Street and in Washington, DC. With few exceptions, politicians and economists lined up to praise Mr Bernanke and to laud Mr Obama for keeping him.
FOR MORE DETAILS PLEASE CLICK HERE

Sunday 30th August marks the International Day of the Disappeared

Special Edition
August 2009




Ratify the Convention against Enforced Disappearance NOW!
The International Convention for the Protection of All Persons from Enforced Disappearance was adopted by the UN General Assembly in December 2006.

We only need 7 more countries to ratify the Convention in order for it to enter into force.

Sunday 30th August marks the International Day of the Disappeared
In El Salvador, Ernestina and Erlinda Serrano Cruz were seven and three years old, respectively, when they disappeared on 2 June 1982.

In Guatemala, 200,000 people disappeared or were extra-judicially executed during the internal armed conflict of 1960 – 1996.

These are just a few examples of the thousands of people who have been victims of enforced disappearances around the world. Their family members and friends have no knowledge of their fate.

Stand Together and Remember the Disappeared

Call on governments to ratify the Convention! Join the movement in sending a letter to the countries we are targeting now!


INDIVIDUAL AT RISK
James Balao, an activist working on Indigenous Peoples rights, was forcibly disappeared on 17 September 2008 in Baguio City, Philippines. He was last seen near his home being roughly bundled by armed men into a white van. One of the men who took him shouted at onlookers, and told them not to interfere because they were police officers arresting James. A court has ordered the authorities to reveal where he is, and do no further harm to him, but has not authorised his family to look for him in places of detention. He is one of hundreds of Filipinos who have been forcibly disappeared and have not been found yet .

James, a member of the Indigenous Benguet Ibaloi tribe in the Cordillera region in Northern Philippines, dedicated himself to research and fighting for Indigenous Peoples rights, particularly ancestral land rights. He contributed to the drafting of the Philippines’ Constitution. He is one of the founding members of the Cordillera People's Alliance (CPA), an alliance of local organizations from the different Indigenous tribes in the Cordillera region.

Take action!
Join the call to Surface James Balao and Stop Enforced Disappearances in the Philippines.

Take photos of yourself or with friends, ideally in front of a local landmark to show international solidarity, holding up a message such as: "End Enforced Disappearances -- the world is watching" or "Where is James Balao?"

The photos will be used as part of an international solidarity campaign on the one-year anniversary of James' disappearance. Email photos to philmasteam@gmail.com or online.communities@amnesty.org by 31 October 2009.

COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA

0
O MEU COMPROMISSO
ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
1
QUEM SOU EU
O meu nome é Armando Emílio Guebuza. Nasci a 20 de Janeiro de 1943, em
Murrupula, Província de Nampula. Sou casado e pai de quatro filhos.
Cresci numa família de tradição religiosa e muitos dos valores morais que
hoje orientam a minha vida são, em grande parte, fruto desta experiência. No
ensino secundário, fui membro do Núcleo dos Estudantes Secundários
Africanos de Moçambique (NESAM), uma organização cívica fundada por
Eduardo Mondlane, em 1949.
O Núcleo tinha como actividades principais dar explicações, realizar
actividades de educação cívica e cultural e, de uma forma discreta, fazer
mobilização política.
A minha actividade no NESAM e, também, como militante da FRELIMO na
clandestinidade contribuiu bastante para a consciência de que o povo
moçambicano estava colonizado e oprimido, o que alimentou a vontade de
me juntar aos combatentes em armas, na Tanzania.
Em 1965 consegui juntar-me à FRELIMO, na Tanzania, tendo feito treinos
político-militares, em Bagamoyo e Nachingweia. Durante a Luta Armada de
Libertação Nacional tive o privilégio de trabalhar como Secretário Particular do
Presidente Eduardo Chivambo Mondlane. As funções de professor no Instituto
Moçambicano, de Secretário para a Educação e Cultura e de Comissário
Político Nacional habilitaram-me a participar, com maior clareza, na luta
contra o colonialismo português.
Depois da independência, participei no processo de criação do Estado
moçambicano, o que me permitiu compreender melhor a dimensão dos
desafios da construção do nosso país.
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
2
Tive a honra de chefiar a delegação do Governo no processo de busca da
Paz, que resultou na assinatura do Acordo Geral de Paz, em Roma, em 1992.
Estive, também, envolvido no processo de paz do Burundi, chefiando duas
comissões, sob a égide do falecido Presidente da Tanzania, Julius Nyerere e,
mais tarde, do antigo Presidente sul-africano, Nelson Mandela.
Durante os últimos cinco anos, fui Presidente da República do nosso belo
Moçambique, cargo que exerci com dedicação e entrega total à causa da
Pátria. Como Presidente da República tive a gratificante oportunidade de
interagir com todos os moçambicanos do Rovuma ao Maputo, do Zumbo ao
Índico. Durante este período, procurei ser um cidadão atento a tudo o que
afecta e move os moçambicanos. Aprendi a ser mais ousado, pois, descobri
que há, ainda, muito que fazer para que a pobreza passe para a história.
É com este sentido de responsabilidade que aceitei a decisão do meu Partido
de me recandidatar ao cargo de Presidente da República.
A Minha Visão
Durante os últimos cinco anos, como Presidente da República de
Moçambique, tive o ensejo de percorrer o país inteiro, província por província,
distrito por distrito e, deste modo, aprofundei o meu conhecimento do
maravilhoso povo moçambicano e dos anseios de todos os cidadãos
independentemente das suas origens sociais, etnia, raça e crenças religiosas.
Este contacto permanente e sistemático com o povo reforçou a minha visão
por um Moçambique:
• livre da pobreza e mais próspero
• de cidadãos mais orgulhosos da sua moçambicanidade
• mais democrático e estável
• enraizado na cultura de paz e
• com crescente prestígio internacional.
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
3
Reforcei a convicção de que, para a concretização desta visão, precisamos
do envolvimento activo de todos os moçambicanos sob a liderança da
FRELIMO, meu Partido, cujos ideais continuam os mesmos desde a sua
fundação e resumem-se nos seguintes princípios:
• Pugnar sempre pela independência total e completa política e
económica do Povo moçambicano;
• Estabelecer uma sociedade mais livre, democrática onde o factor
humano é ponto de partida e chegada ;
• Construir e consolidar uma sociedade mais justa, mais estável,
mais solidária e mais criativa; e
• Pugnar por um Moçambique mais rico e livre da pobreza.
Tal como em 2004, reitero a minha entrega total para liderar este processo de
luta contra a pobreza, que continua a ser o alvo principal dos nossos esforços
concertados, prosseguindo as acções no sentido de empoderar as nossas
populações, de modo a serem capazes de influenciar o processo de luta
contra a pobreza e pela criação do bem estar.
Convido todos os compatriotas juntarem-se a nós pois a FRELIMO prometeu
e cumpriu. O Governo realizou o Manifesto Eleitoral da FRELIMO.
Caro compatriota, convido-te, mais uma vez, a fazeres parte deste grandioso
projecto, fazendo tua, esta visão, para juntos continuarmos a melhorar a
qualidade da nossa vida no campo e na cidade; para juntos, acabarmos com
a pobreza absoluta; para juntos, vivermos numa sociedade segura e livre da
corrupção; para juntos, valorizarmos os nossos recursos naturais;
valorizarmos o Moçambicano, desenvolvermos a auto-estima; para juntos,
garantirmos o bom funcionamento das instituições e, juntos, defendermos a
soberania nacional.
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
4
O MEU COMPROMISSO
Moçambicanas,
Moçambicanos,
Compatriotas,
Eu, Armando Emílio Guebuza, pela segunda vez, apresento solenemente,
perante vós, Moçambicanos, o meu compromisso para o futuro da nossa
Pátria amada, que é o de fazer de Moçambique um país próspero,
prosseguindo o combate à pobreza, um país de paz, democrático, de justiça
social e de prestígio no concerto das nações.
Há cinco anos, perante vós, apresentei o meu compromisso e cumpri-o. Há
mais desafios pela frente e acredito que, juntos, levaremos avante e
implementar, no espírito e na letra, o Manifesto da FRELIMO.
Juntos, no próximo mandato, consolidaremos o nosso esforço para a
eliminação da pobreza e para o desenvolvimento do distrito, base de
planificação do desenvolvimento de Moçambique.
Juntos, trabalharemos para o empoderamento do povo moçambicano
elevando, assim, a auto-estima e a participação activa do nosso maravilhoso
Povo no desenvolvimento deste país. Juntos, consolidaremos a estratégia de
transformar o distrito em pólo de desenvolvimento e base de planificação,
descentralizando mais os recursos existentes e melhorando a sua gestão.
Juntos asseguraremos a participação dos jovens nos esforços de
desenvolvimento dos distritos, de onde se irradia a capacidade de
desenvolvimento do país, num espírito de Unidade Nacional e de auto-estima
para a erradicação da fome e para o aumento de oportunidades de geração
de emprego e de auto-emprego!
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
5
Compatriotas,
Sempre fiel aos ideais e Manifesto da FRELIMO, vou assegurar a
continuidade das acções que empreendemos em prol de um Moçambique
melhor.
Reafirmo o meu compromisso de trabalhar para que continuemos a viver em
paz, e por um desenvolvimento são e harmonioso de Moçambique.
Renovo a minha determinação de continuar a liderar a luta em prol do dos
Objectivos de Desenvolvimento do Milénio que consistem em erradicar a
pobreza absoluta e a fome; alcançar o ensino primário universal; promover a
igualdade de género e empoderar a mulher; reduzir a mortalidade infantil;
melhorar a saúde materna; combater o HIV/SIDA, a malária e outras doenças;
garantir a sustentabilidade ambiental; e promover uma parceria mundial para
o desenvolvimento.
Adopto, na íntegra, os principais pilares da FRELIMO, meu Partido, para a
acção governativa no próximo quinquénio, consubstanciados nos seguintes
compromissos:
1. Consolidação da unidade nacional, paz e democracia;
2. Combate à pobreza e promoção da cultura de trabalho;
3. Boa governação e cultura de prestação de contas;
4. Reforço da soberania e;
5. Reforço da cooperação internacional.
Para a materialização deste compromisso, a minha governação será pela
defesa dos valores mais nobres do ser humano: a vida, a dignidade e a
liberdade. Para o alcance deste nobre objectivo promoverei a cultura de
trabalho e iniciativas geradoras de emprego; assegurarei a construção de
mais infra-estruturas, a expansão do acesso à educação e à saúde; a
promover a equidade de género e a defesa dos direitos cívicos e políticos; a
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
6
promover a protecção dos recursos naturais e do ambiente; e assegurar a
consolidação e a reafirmação da cultura moçambicana.
Consciente de que os progressos que registamos foram graças à paz, ao
diálogo, à tolerância, humanismo e reconciliação, na minha governação,
continuarei a empenhar-me no combate a todos os factores de divisão
baseada na tribo, origem étnica, raça, religião e região e a desencorajar
todas as manifestações que ponham em perigo a unidade nacional.
Privilegiarei acções tendentes a reduzir as assimetrias e a impulsionar o
desenvolvimento equilibrado e sustentável de Moçambique.
Para o desenvolvimento sócio-económico do país, continuarei a apostar no
distrito como base de planificação e de desenvolvimento económico e social e
na implementação da Revolução Verde como um instrumento privilegiado
para o rápido crescimento económico e social.
Incentivarei a criação de riqueza, de emprego, auto-emprego e do
empreendedorismo, como componentes estratégicas de combate à pobreza.
Vou apostar em políticas fiscais e monetárias que favoreçam o crescimento
do empresariado nacional e atraiam mais investimentos e mais financiamento
à economia nacional.
Vamos apostar na promoção da inovação, investigação e na transferência de
tecnologias, como uma das formas mais eficazes para o aumento da
produção e da produtividade.
Com vista a garantir a segurança alimentar efectiva, na minha governação
vou apostar no desenvolvimento e no uso de sementes melhoradas e de
tecnologias apropriadas e sustentáveis; vou apostar na massificação do uso
da tracção animal e introdução gradual da mecanização, de modo a aumentar
a produção e a produtividade agrícolas, particularmente, nas zonas rurais; vou
estimular o uso e aproveitamento sustentável das águas dos rios, através da
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
7
edificação de mais barragens e represas para armazenamento e maneio da
água destinada à agricultura; vou, ainda, assegurar que a gestão de terras
seja melhorada, garantindo que a terra seja alocada a quem mostre
capacidade efectiva de aproveitá-la; vou, igualmente, empenhar-me para que
sejam construídos silos e celeiros.
A FRELIMO e eu consideramos que a industrialização é um factor importante
do desenvolvimento económico e social. Por isso, vamos privilegiar o
processamento dos nossos recursos e, ainda, assegurar a integração regional
para o bom aproveitamento das oportunidades existentes na economia global,
a favor dos cidadãos moçambicanos. Vamos adoptar medidas e práticas que
estimulem iniciativas empresariais; revitalizar e modernizar as agro-indústrias,
as indústrias agro-químicas, têxteis, de confecções, metalo-mecânicas e de
materiais de construção, de modo a garantir o desenvolvimento mais
equilibrado do país.
Na minha governação vou estimular a expansão da rede comercial para
facilitar a ligação das zonas produtivas às de consumo. Vou, ainda, criar mais
incentivos para que a marca Produzido em Moçambique (Made in
Mozambique) estimule, a indústria nacional e a torne mais competitiva no
contexto regional e global.
Eu vejo o desenvolvimento das infra-estruturas tais como estradas, pontes,
escolas, unidades sanitárias, abastecimento de água e redes de energia,
telecomunicações e de comercialização, como factor essencial ao
desenvolvimento económico e social do país. Por isso, vou conferir
importância acrescida à expansão e à manutenção da rede de estradas, com
prioridade para os troços fundamentais ao escoamento da produção para os
mercados. Faz parte dos meus planos de governação expandir as tecnologias
de informação e de comunicação, e construir novas infra-estruturas
ferroviárias, portuárias e aeroportuárias.
A FRELIMO e eu implementaremos os programas de electrificação urbana e
rural com recurso a tecnologias de baixo custo de produção de electricidade,
em benefício das comunidades, e nunca deixaremos de apoiar iniciativas
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
8
viradas para a implantação e construção de pequenas e médias barragens
para a produção de energia e, ainda, vamos estimular o desenvolvimento e
utilização de energias novas e renováveis, em particular os sistemas de
energia solar e eólica, privilegiando locais cuja electrificação através da rede
nacional de transporte de energia eléctrica se mostre distante no tempo.
Certo de que para o desenvolvimento da economia moderna é imperioso que
haja um sistema financeiro moderno, vou apoiar a expansão de serviços
bancários inovadores como instrumentos de desenvolvimento rural e
incentivar a abertura de estabelecimentos bancários nos distritos. Vou
promover a criação de mais instituições financeiras, designadamente
sociedades e bancos para o reforço do sistema financeiro.
Na governação, entre outras acções, apostarei na pesca e na gestão
partilhada dos recursos pesqueiros marinhos e de água doce, com base numa
participação efectiva da indústria e dos pescadores artesanais. Irei prestar
atenção ao desenvolvimento da aquacultura marinha e de água doce, como
forma de aliviar a pressão sobre os recursos pesqueiros naturais e de
diversificar a dieta alimentar das populações.
Estimularei a utilização racional dos recursos naturais, em prol do
desenvolvimento sustentável, de forma a satisfazer as necessidades do
presente, sem comprometer a capacidade de as futuras gerações
satisfazerem as suas próprias necessidades. Vou ainda encorajar o
processamento e adicionar mais valia aos recursos minerais, criando as
condições para o aumento da utilização do gás natural produzido no país.
Na área do ambiente, comprometo-me a adoptar e a implementar estratégias
e medidas contra a erosão, desmatação, poluição e queimadas
descontroladas; a disseminar as boas práticas de gestão ambiental e a
promover o plantio de árvores e os cuidados inerentes à sua conservação e
maneio.
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
9
A Educação não é apenas um factor indispensável para a construção de uma
sociedade, baseada nos ideais da liberdade, da democracia e da justiça
social. A educação e a formação da juventude moçambicana constitui a
condição fundamental para a participação efectiva da juventude na
edificação do país.
Por isso, cumprindo o Manifesto da FRELIMO, garanto a expansão e o acesso
ao ensino primário obrigatório e gratuito, vamos assegurar a formação de
professores, alfabetizadores e educadores profissionais a todos os níveis,
visando a melhoria da qualidade do ensino, vamos priorizar e expandir o
ensino profissionalizante, básico e médio, para a promoção do emprego e
auto-emprego e continuar a expandir o ensino superior politécnico a todas as
províncias do país. Vamos, também, melhorar o enquadramento das pessoas
portadoras de deficiências em todos os subsistemas de ensino.
Para mim, a cultura é um instrumento de formação da consciência patriótica,
de reforço da unidade nacional, de exaltação da moçambicanidade e de
melhoria de qualidade de vida do cidadão. Assim, vou promover a cultura
como um factor de auto-estima, de libertação económica e social e de
identidade nacional.
A Juventude é a faixa etária maioritária da população moçambicana, sempre
participativa e desempenhando um papel muito importante nos vários
processos de desenvolvimento de Moçambique e nas várias etapas da sua
história. Por isso, na minha governação vou promover e privilegiar a
valorização da juventude, proporcionando mais oportunidades de
desenvolvimento das suas habilidades vocacionais, através do incentivo de
actividades inovadoras e criativas, educacionais, laborais, empresariais,
sociais, culturais, desportivas, de lazer e ocupacionais dos jovens. Também,
vou promover o acesso dos jovens ao crédito para a habitação, o
desenvolvimento do associativismo juvenil, bem como a sua educação
patriótica e participação activa no processo de desenvolvimento do País.
É minha convicção que o desporto tem contribuído para o desenvolvimento
harmonioso e são dos cidadãos, para o reforço do espírito associativo e do
convívio social, assim como para a consolidação da unidade nacional. Por
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
10
isso, na minha governação vou promover e apoiar todas as iniciativas
orientadas para o desenvolvimento contínuo do desporto.
A Saúde é um direito de todo o povo, condição básica para a melhoria do
nível de vida do cidadão e da família e para o desenvolvimento global do
Homem moçambicano. Por isso, a FRELIMO e eu, entre outras acções,
continuaremos a expandir o acesso aos cuidados de saúde de qualidade a
todos os cidadãos; a promover acções de prevenção e combate ao HIV/SIDA,
malária, tuberculose, doenças diarreicas e outras doenças endémicas, como
também intensificaremos os programas de educação sanitária e nutricional.
No âmbito da luta pela emancipação da mulher, a FRELIMO sempre
defendeu que a participação da mulher nos domínios político, económico,
cultural e social deve ser cada vez mais efectiva e determinante, para que
haja uma igualdade efectiva entre o homem e a mulher na sociedade e
perante a lei. Assim, vou continuar a promover a educação e o
empoderamento da mulher, para que, lado a lado com o homem, ela possa
ser cada vez mais actuante nas diferentes frentes de luta para a promoção do
bem-estar dos moçambicanos. Vou encorajar todas as iniciativas que
promovam a elevação da consciência e do conhecimento pela mulher dos
dispositivos legais que a protejam, incluindo o direito à protecção contra a
violência doméstica. Vou promover acções orientadas para a protecção da
família como célula base da sociedade, onde os valores éticos, cívicos,
incluindo o amor à Pátria são cultivados e celebrados.
Sou pelo desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da inovação como
instrumentos fundamentais para o combate à pobreza absoluta, e
indispensáveis para a construção gradual de uma sociedade baseada no
conhecimento e no saber.
A FRELIMO e eu valorizamos os Combatentes da Luta de Libertação
Nacional e defendemos a sua integração na vida económica e social do país
que ajudaram a libertar.
A FRELIMO e eu vamos promover uma governação aberta e participativa,
desconcentrada e descentralizada; de responsabilização individual e colectiva
no desenvolvimento do país, de Estado de direito, de segurança e
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
11
tranquilidade públicas, de justiça e combate à criminalidade.
Vou promover a eficácia e eficiência das instituições do Estado de modo a
garantir que a sua acção produza resultados que satisfaçam as necessidades
da sociedade, fazendo uso sustentável dos recursos disponíveis e protegendo
o ambiente.
Vou ainda pautar por uma governação baseada nos princípios de
transparência na gestão da coisa pública, participação popular na tomada de
decisões e prestação periódica de contas; vou garantir a ordem, segurança e
tranquilidade públicas e promover um aparelho de justiça célere e
transparente; vou ainda empenhar-me no combate efectivo e cerrado à
corrupção, ao crime organizado e à criminalidade em geral.
Vou estimular o trabalho com os líderes comunitários, as confissões
religiosas, sector privado, organizações não-governamentais e com toda a
sociedade no quadro das actividades do desenvolvimento do país.
No que diz respeito à soberania do país, continuarei a prestar particular
atenção à modernização das Forças Armadas e de Defesa de Moçambique,
da Polícia da República de Moçambique e das restantes Forças de Defesa e
Segurança.
Continuarei a promover a participação das FADM em missões de apoio à paz
e de interesse público, bem como nos mecanismos colectivos de segurança,
a nível regional e internacional;
A FRELIMO e eu vamos implementar uma estratégia de reinserção social dos
ex-militares desmobilizados e portadores de deficiência privilegiando a
concretização do preceituado na legislação em vigor.
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
12
Ao nível regional e internacional, vou prosseguir uma política externa que
garanta a estabilidade, a segurança e a integridade do território nacional.
Apoiarei, sempre, a adopção de soluções negociadas perante todo o tipo de
conflitos, e orientarei a minha acção para a consolidação de uma cooperação
política e económica mutuamente vantajosa, e para a aceleração do processo
de integração económica de Moçambique na SADC.
Continuarei a defender a manutenção do princípio do gradualismo no
processo de formação do Governo da União Africana, considerando a
necessidade de consolidação prévia das comunidades económicas regionais.
Moçambicanas,
Moçambicanos,
Compatriotas,
Nos últimos pleitos eleitorais, o Povo Moçambicano deu o seu voto de
confiança à FRELIMO e ao seu Candidato às presidenciais. A FRELIMO e o
presidente eleito honraram os seus compromissos. Portanto, durante este
mandato que está a terminar empenhei-me, pessoalmente, para que as
promessas feitas fossem materializadas.
Hoje, caro compatriota e eleitor, voltamos a ti para pedir a renovação da
confiança em nós.
Queremos continuar a conduzir o processo de construção de um Moçambique
próspero, democrático, de justiça, digno e livre da pobreza.
Compatriota,
Com a força do teu voto, vota em mim, Armando Emílio Guebuza.
Vota FRELIMO, o Partido que Promete e Faz.
COMPROMISSO ELEITORAL DE ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA
13
VOTA NO FUTURO DE MOÇAMBIQUE
VOTA NO PROGRAMA DA FRELIMO
VOTA EM GUEBUZA
A FRELIMO É QUE FEZ
A FRELIMO É QUE FAZ
A FRELIMO QUANDO PROMETE CUMPRE
COM GUEBUZA VENCEREMOS A POBREZA
UNIDOS NA LUTA CONTRA A POBREZA
FRELIMO A FORÇA DA MUDANÇA
Armando Emílio Guebuza Setembro de 2009

Moçambique poderá não precisar de apoio ao Orçamento de Estado a partir de 2023

2009-08-27

O director do Departamento britânico para o Desenvolvimento Internacional (DFID) Moçambique, Keith Mackiggan, acredita que Moçambique poderá deixar de precisar de apoio orçamental a partir de 2023, se se mantiver o actual desempenho económico.

Citado na edição de terça-feira do diário independente "O País", Mackiggan disse que esta é uma conclusão de um grupo de economistas do DFID que basearam a sua análise em dados históricos e nos pressupostos de que Moçambique iria manter a taxa de crescimento económico actual (sete por cento ao ano), a receita interna bem como a despesa pública.

Para o efeito, o governo moçambicano está a trabalhar numa nova estratégia que deverá ficar concluída no próximo ano, que se baseia no aumento da arrecadação de impostos e diversificação das despesas públicas nacionais.

Segundo o ministro das Finanças, Manuel Chang, o governo está a trabalhar para atingir um défice orçamental que permita ao Estado utilizar as poupanças de anos anteriores para financiar iniciativas futuras, o que não acontece actualmente.

Durante os próximos cinco anos, o Reino Unido vai desembolsar 258 milhões de libras para o Orçamento de Estado e para projectos de desenvolvimento do país.

Mackiggan advertiu, no entanto, que aquele montante poderá aumentar ou diminuir de acordo com o desempenho do governo, nomeadamente na combate à corrupção, redução dos níveis de pobreza e execução de programas de descentralização.

Para 2009, o Reino Unido concedeu 71 milhões de libras para Moçambique, 44 milhões das quais para apoio directo ao orçamento.

Mário Pinto de Andrade considerado um pilar da independência

Reconhecimento


Luanda - O nacionalista Mário Pinto de Andrade foi considerado como um dos pilares da Independência de Angola, contribuindo com o seu saber e persistência na luta contra o colonialismo.

O reconhecimento é do director do Centro de documentação do MPLA, Artur da Silva Júlio, quando dissertava, hoje (sexta-feira), em Luanda, sobre o percurso do nacionalista, durante a conferência realizada por ocasião do seu 81º aniversário natalício.

Por isso, disse, a memoria do nacionalista ficará para sempre nos anais do país e o sempre será evocado.

Por seu turno, Carlos Moore Wedderburn, etnologo e analista, fez um historial sobre a actividade de Mário Pinto, fazendo referência do relacionamento entre ambos em Paris, França.

Nascido em 21 de Agosto de 1928, no município do Golungo Alto, província do Kwanza Norte, Mário Pinto de Andrade fez os estudos primários e secundários em Angola entre 1929 e 1947, seguindo no ano seguinte (1948) para Portugal, onde formou-se em Filologia Clássica na Faculdade de Letras de Lisboa.

Entre 1949 e 1952, juntamente com Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Francisco José Tenreiro, Alda Espírito Santo, entre outras figuras da época, Mário Pinto de Andrade promoveu actividades culturais, na então Casa dos Estudantes do Império, no Clube Marítimo e no Centro de Estudos Africanos, em Lisboa, sob o signo da "redescoberta" de África.

Durante a cerimónia de homenagem, foi apresentado o espólio documento de Mário Pinto de Andrade e entregue uma cópia digital ao arquivo Histórico Nacional de Angola.

VOO da South African Airways Regressa Johannesburg


Coincidencia ou nao, um dia apos o Chefe de Estado ter promulgado a lei da aviacao civil aprovada pela Assembleia da Republica, eis que um incidente de trafego se regista no trajecto mais lucrativo do espaco aereo mocambicano, a rota Maputo-Johannesburgo. De facto, o voo matinal da SAA desta manha nao aterrou em Maputo, alegadmente devido a presenca de VIPs no aeroporto de Maputo. Em ingles a sigla VIP significa (Very Important People/Person) ou seja Pessoas Muito Importantes! Fonte nossa no aeroporto de Maputo afincou que o trafego nacional e internacional foi afectado devido a presenca em Maputo de lideres e dirigentes Malgaxes bem como a presenca do Rei do Lesotho! O aviao da SAA teve que regressar a Johannesburg com os passageiros a bordo. Fontes no aeroporto de Johannesburg garantiram-nos que o aviao da SAA esta a ser reabastecido, com os passageiros a bordo para partir logo que Maputo der o OK final. Por razoes d seguranca os passageiros normalmente nao devem desembarcar o aviao depois de um embarque. O mais provavel e que o aviao so saia de Johannesburgo nas proximas duas horas!

A pergunta que fica aos gestores de trafego aereo do Aeroporto Internacional de Maputo e simples: Porque e que deixaram o voo da SAA partir de Johannesburg se sabiam que nao poderia aterrar em Maputo? Ou nao sabiam? e se nao sabiam quem e que os deveri ter informado? Quem pagara os custos suportados pela SAA e pelos passageiros?

Esta situacao preocupa-nos pois fonte fidedigna dentro do sistema de transportes aereos do pais, garantiu-nos que foi com manobras destas que a Air Corridor faliu! Conhecendo-se os apetites da nossa elite dirigente pelos negocios do ar, e com o forcing dos doadores para se liberalizarem os ares todo o cuidado e pouco!
Estamos atentos!

A nossa solidariedade com a SAA e com os passageiros a bordo bem como os em terra!

Um abraco,

MA

DEMOCRACIA, GOVERNAÇÃO E CORRUPÇÃO

Resumo de Notícias. 28th August, 2009


Suthos negoceiam energia com a EDM

A ELECTRICIDADE de Moçambique (EDM) e a sua congénere do Lesotho estão a negociar a extensão do contrato de fornecimento de energia àquele país. Neste momento, a empresa pública moçambicana fornece este recurso estratégico para o desenvolvimento, ao Lesotho com base num contrato rubricado no ano passado e que expira em Dezembro deste ano.

O contrato preconiza o fornecimento de energia moçambicana ao Lesotho em quantidades que variam entre cinco e 40 Mw, dependendo das necessidades de consumo do país receptor.

O fornecimento de energia àquele país da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) pela EDM começou no ano passado, com base num contrato que durou cerca de seis meses, findos os quais foi renegociado para um ano.

http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/876930



Juventude aprova manifesto eleitoral

O Parlamento Juvenil, uma organização que defende os interesses dos jovens moçambicanos independentemente da sua filiação política, está reunido desde ontem, em Maputo, para dentre outros assuntos, aprovar o manifesto da juventude. O manifesto é um instrumento onde estão arroladas as preocupações dos jovens, identificadas após auscultação dos mesmos.

O País. 28 de Agosto de 2009



O epicentro da campanha do MDM será em Cabo Delgado

O MDM escolheu o distrito de Chiúre, em Cabo Delgado, como o lugar de lançamento da sua campanha eleitoral da sua campanha eleitoral, que arranca a 13 de Setembro do ano em curso. A informação foi ontem avançada em Maputo, pelo porta-voz do Partido, José Manuel de Sousa.

O País. 28 de Agosto de 2009



INSS deve publicar as suas contas anuais

A MINISTRA do Trabalho, Helena Taipo, instou ontem o conselho de administração do Instituto Nacional de Segurança Nacional, a avançar para a publicação das contas anuais, pelo facto de se tratar de uma instituição que funciona na base de fundos públicos. Este posicionamento resulta dos esforços que o governo vem desenvolvendo tendo em vista tornar as acções do INSS transparentes e credíveis perante os utentes e a sociedade em geral.

Helena Taipo, Ministra do Trabalho, que fez esta revelação na abertura da sessão alargada do conselho de administração do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), que desde ontem decorre em Chidenguele, distrito de Mandlakaze, em Gaza.

http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/876932



ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

Será criada refinaria de ouro em na provincia de Manica

De acordo com a Ministra dos Recursos Minerais, Esperança Bias, a Província de Manica terá uma refinaria de ouro extraído em todo o pais. Este projecto vai será mais um passo rumo ao desenvolvimento e irradicaçao da pobreza no nosso pais.

Repórter África. RTP. 27 de Agosto de 2009



DIREITOS HUMANOS, JUSTIÇA E LEGALIDADE

PR promulga quatro novas leis

O Presidente da República, Armando Guebuza, promulgou e mandou publicar ontem quatro dispositivos legais, nomeadamente a Lei de Aviação Civil, de Defesa do Consumidor, de Exercício de Medicina Privada e a Geral das Cooperativas.

As quatro leis foram recentemente aprovadas pela Assembleia da República (AR), tendo o Chefe do Estado verificado que as mesmas não contrariam a Lei Fundamental, segundo um comunicado da Presidência da República recebida na nossa Redacção. http://www.jornalnoticias.co.mz/pls/notimz2/getxml/pt/contentx/876943



Fugas de anibalzinho não alteram sua pena

O código penal prevê um prolongamento da pena da sentença pelo dobro do tempo em que andar fugitive. Anibalzinho ficou foragido durante oito meses. Apesar de os cálculos sugerirem 31 anos e 3 meses, a pena a aplicar para Anibalzinho só pode ser fixada nos 30 anos estabelecidos por lei.

O País. 28 de Agosto de 2009.



Governo ameaça processa devedores dos “7 milhões”

O Governo moçambicano, ameaça adoptar medidas legais contra os mutuários do Fundo de Investimentos de niciativas Locais (FIIL), vulgo sete milhões, que não os devolve aos cofres do Estado. O ministro da planificação e Desenvolvimento (MPD), Aiuba Cuereneia, disse, ontem, na cidade de Tete, sem avançar números, que “neste momento existem casos de pessoas que estão a enfrentar processos judiciais, por causa de não reembolsarem os 7 milhões”.

Canal de Moçambique. 27 de Agosto de 2009


--
COLABORAÇÃO
Constâncio Nguja e Nicola Whyte – Tradução
Delfina Dança e Constâncio Nguja– Democracia, Governação e Corrupção
Delfina Dança - Direitos Humanos, Justiça e Legalidade
Severino de Carvalho – Economia e Desenvolvimento
Delfina Dança - Edição
Celso Gusse – Director Executivo do CEMO

Parabens Henda! Teu sonho realizou-se! I am proud of you! MA

Secretário Geral do MPLA (dir) recebe acervo de Mário Pinto de Andrade

Luanda - O acervo do nacionalista Mário Pinto de Andrade, que viveu entre os anos 1928 a 1990, foi hoje (sexta-feira), em Luanda, entregue ao MPLA e ao Estado angolano.


A cerimónia de entrega decorreu na sede do MPLA, sob orientação do seu secretário-geral, Julião Mateus Paulo "Dino Matrosse", e da ministra da Cultura de Angola, Rosa Cruz e Silva, e foi presenciada por participantes do processo dos 50, deputados a Assembleia Nacional, membros do Bureau Político e do Comité Central do partido.


O acervo, já devidamente estruturado e digitalizado pela Fundação Mário Soares, é composto de cinco mil páginas, onde constam a
documentação pessoal, incluindo passaportes com dados falsos, académica, política, cultural e correspondências trocadas com
outros nacionalistas, entre os quais António Agostinho Neto, primeiro presidente de Angola.


Na cerimónia, Henda do Carmo, filha de Mário Pinto de Andrade, falou do nacionalista como combatente da liberdade e pediu para
que se mantêm vivo os seus ideais.


Para ela, Mário Pinto de Andrade defendia o direito a liberdade de todos os cidadãos, incluindo o de manifestação de ideias políticas,
culturais, entre outras.


Já o nacionalista Fernando da Costa Andrade "Ndunduma" defendeu a necessidade de preservar e divulgar os feitos daqueles que se debateram pela conquista da independência do continente africano.

"Deve-se transmitir sobretudo as crianças e jovens, de modo a darem continuidade a história", explicou o político, que destacou os feitos de António Agostinho Neto, António Jacinto, Viriato Cruz e Mário Pinto de Andrade, este último homenageado hoje por ocasião do seu octogésimo aniversário natalício, que se comemora a 21 de Agosto.



Mário Pinto de Andrade foi presidente do MPLA entre os anos 1960 a 1962 e deixa, entre outras obras, "A Guerra do Povo na Guiné Bissau", "Antologia Temática de Poesia Africana", "Caderno de Poesia Negra de Expressão Portuguesa".



Entre 1949 e 1952, juntamente com Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Francisco José Tenreiro, Alda Espírito Santo, entre outras figuras da época, Mário Pinto de Andrade promoveu actividades culturais, na então Casa dos Estudantes do Império, no Clube Marítimo e no Centro de Estudos Africanos, em Lisboa, sob o signo da "redescoberta" de África.

TOMBOU O EMBONDEIRO DE ULONGUE!


Faz um ano que o embondeiro de Ulongue nos abandonou! Hoje como ontem continuamos em estado de choque e incredulos pelo desaparecimento prematuro desta reserva moral da nossa sociedade, deste gigante da politica mocambicana! Aquela ilha onde em momentos de incerteza iamos buscar a certeza do amanha! Aquele monte, onde na ausencia da sabedoria, iamos busca-la no cume ou no leito de seus vales; aquela fonte onde quando confrontados com a sede do saber, iamos refrescar nossa garganta intelectual; aquela sombra, onde depois de caminhar quilometros ao sol e no deserto iamos repousar e recarregar as baterias! Alone, ontem, como hoje; hoje como amanha continuaras a ser aquela fonte de inspiracao que sempre foste! Aquela estrela, qual luz no fundo tunel! Aquela esperanca que mesmo nos momentos em que nao acreditamos em mais nada continua impvida e serena brilhante pois ela e e sera sempre a ultima a morrer!
A tua ponte, a ponte sobre o Zambeze porque tanto te bateste esta em pe!

Recordando-te, permita-me dizer, descanse em paz mestre!

Um abraco eterno, eterno nao, porque cedo ou tarde juntos estaremos, e a lei da humanidade!
MA

N.B. E homenagem a este grande patriota, republico o meu texto lavrado em homenagem a memoria do Dr. Alone. O texto foi escrito em Londres e publicado neste blog no dia 1 de Setembro de 2009 bem como no Magazine Independente!

1 de Setembro 2008

Foi com incredulidade e consternacao que recebi Sabado ultimo, a noticia do desaparecimento fisico do Dr. David Aloni, membro do Conselho de Estado, ex-deputado e membro da Comissao Permanente da Assembleia da Republica, Conselheiro da Agenda 2025, membro do Conselho Nacional e Ministro da Industria e Comercio no Governo-Sombra da Renamo.

A morte de David Aloni, e uma perda irreparavel nao apenas para o pais, mas tambem para a oposicao, para os cidadaos das provincias da Zambezia e Tete e da populacao do Distrito de Ulongue, sua terra natal. E uma perda para a juventude mocambicana que via em David Aloni, um modelo singular de dirigente comprometido com a causa do seu povo! Um dos poucos dirigentes deste pais, que sabia colocar os interesses do pais acima dos interesses partidarios, regionais, familiares ou pessoais. David Aloni era um mocambicano de raiz, um patriota que amava o seu povo e a sua cultura! Um patriota que amava as suas gentes e que nao discurava suas origens camponesas mas aristocraticas dentro da 'estrutura filosofica negro-africana', como ele propria e muito bem o sabia definir. Dono de uma escrita peculiar, David Aloni sabia destruir com razao, sem ofender nem beliscar o adversario. Os seus lendarios discursos e intervencoes do pulpito da nossa Casa Magna, a Assembleia da Republica, seus artigos imortalizados nos semanarios Zambeze, Magazine Independente e Savana sao disso testemunha. A sua obra intelectual iniciada ao longo da sua formacao quer no seminario, quer em Portugal ou no Reino dos Paises Baixos onde se doutorou (PhD)em Sociologia e Relacoes Internacionais e uma autentica biblioteca e passa pela publicacao ainda antes da independencia nacional ou pouco depois de duas obras de valor inestimavel. Oxala a academia mocambicana saiba valorizar o trabalho intelectual deste filho da patria mocambicana, que teve o 'azar' e por isso pagou o preco, de estar do 'lado errado da historia' e amar seu povo e suas origens, segundo seus detratores, que o idolatravam em surdina mas o odiavam e invejavam pela fulminencia e lucidez de seu raciocinio.

Apagou-se uma estrela na noite intelectual mocambicana. Morreu David Aloni, Um homem de grande caracter e inteligencia. Um homem que representava a integridade moral e coerencia.

Morreu David Aloni sem ter realizado dois dos seus sonhos. Leccionar e ver sua terra respirar o ar puro da democracia materializada na alternancia do poder, liberdade de opiniao e de expressao. Para meu desconforto, varias faculdades deste pais, publicas e privadas negaram-lhe o direito simples defendido pela nossa Constituicao da Republica- o direito de leccionar! Vi e vivi como isso lhe corroia a alma. Mas mesmo assim, nunca o vi desistir ou desfalecer ou curvar-se perante seus adversarios, quer internos quer externos!
A sua ultima aparicao publica foi na ultima Quinta Feira no Hotel VIP, no debate sobre o 'Impacto da Zona de comercio Livre na economia Mocambicana;, organizada pelo Centro de Estudos Mocambicanos e Internacionais (CEMO) de que era fervoroso apoiante e conselheiro. Aloni, como sempre, leu a sua intervencao.

Morreu David Aloni – meu modelo de academico, professor, mentor e quica pai ideologico!

Conheci o Dr. David Aloni na Cidade de Quelimane. Andava eu na 7a classe na Escola Secundaria 25 de Setembro, vulgo ‘Liceu’. Aloni era director da Enacomo, uma empresa que procedia a distribuicao e comercializacao de produtos alimentares na provincia da Zambezia e mais tarde da Companhia da Zambezia ou vice-versa.

Na altura andava eu 'apaixonado' pela poesia e fazia parte de um grupo de estudantes do ‘liceu’ que faziam parte do Nucleo de Artistas e Escritores da Zambezia (NEAZA). E logico que com catorze anos nao eramos membros efectivos, eramos uma especie de aprendizes de sapateiro, de ‘continuadores’ da NEAZA. Faziam parte do grupo o Armando, o Belarmino Varela de Barros, o Octavio e outros. Uma vez por mes, aos Sabados a tarde reunia-mo-nos nas traseiras do Gabinete do Governador, no Restaurante Aquario, para algumas tertulias poeticas, acompanhadas de poesia e quica de alguns comes e bebes, sempre e infalivelmente, gentilmente patrocinadas por David Aloni, na companhia do tambem sempre jovem poeta e escritor Joao Inroga-Pai.

David Aloni notabilizava-se nao apenas na direccao do nucleo, mas essencialmente na simplicidade, no carinho e esperanca com que tratava os seus 'continuadores', os continuadores do seu sonho de poeta. Lembro-me das inumeras vezes em que David Aloni, com a paciencia de chines, corrigia e nos mandava redigir de novo os poemas e contos, ate atingir os 'minimos exigidos para uma apresentacao em publico'. Era um pedagogo exemplar, de se lhe tirar o chapeu.

Estavamos em Guerra. Lembro-me do dia em que o Dr. Aloni nos levou para um apartamento, no Predio Bulha para vermos ‘in loco’ um video que mostrava como os ‘bandidos armados’ haviam arrasado a Vila de Milange e com eles levado todos os zincos da vila. Na altura contavam-se as pessoas que na Cidade de Quelimane possuiam um video. E ele era dos poucos e vivia, se a memoria nao me trai, numa casa da Companhia da Zambezia, a alguns metros do palacio do governador provincial.

Essa imagem de uma vila sem zincos nunca mais saiu do meu imaginario, tendo marcado toda a minha vida! Tinha sido, a primeira percepcao vivida por mim, sobre os efeitos nefastos da Guerra, que apenas ouviamos falar na rua, ou entao pela radio, pois na altura nao havia sinais de televisao na Cidade de Quelimane.

Confesso que uma das maiores decepcoes que tive na minha curta mas excitante vida politica foi ter sido eleito deputado da AR, e nao ter podido estar lado a lado com a sabedoria do ‘meu professor’ e mentor social e politico!

Do Dr Aloni aprendi uma coisa que prezo e prezarei ate ao fim dos meus dias de vivente neste vale de lagrimas: a ser coerente comigo mesmo e nunca manter-me calado! Todas as vezes que nos encontravamos, e a ultima foi quando o convidei para dar uma palestra majestral no Hotel Rovuma sob os auspicios do CEMO sobre 'A xenofobia na Africa do Sul', o Dr Aloni perguntava-me. Continuas a dar aulas? -meu filho, 'nunca abandones a academia'!.

A avaliar pelos recentes acontecimentos no Municipio da Beira, sem querer ser advinho, posso imaginar que deve ter-lhe doido a alma! Aloni defendia a cultura democratica com unhas e dentes. Na obra Mocambique 10 Anos de Paz, de Brazao Mazula, Aloni disse sem papas na lingua: 'Na dimensao politica, importa referir que, aquilo que seria de desejar-a reconciliacao nacional entre os mocambicanos a luz do artigo 66 da Constituicao da Republica, ainda nao se efectivou. E ainda uma miragem porque ainda persistem os resquicios dos anos da Guerra agravados por preconceitos que levam a exclusao social de uma boa parte da sociedade mocambicana, porque se institucionalizou o espirito de clube', para depois rematar: 'Multipartidarismo, sim; democracia, sim, mas tudo quase so no papel. De boas intencoes estao cheios os nossos dirigentes politicos, mas, na pratica, nada acontece, porque o principio e: 'quem nao esta comigo, 'esta ipso facto, contra mim'

E dificil aceitar esta orfandade. A natureza e por vezes injusta. Muito injusta!

Saibamos pois valorizar esta dadiva humana. Saibamos preservar a obra, a memoria e o legado deste 'homem incompreedido pelos seus e pelos demais.'

David Aloni era a reserva moral e intelectual do oposicao em Mocambique! Os seus ensinamentos ficaram indelevelmente registados na historia desta patria indica.

Em memoria deste grande HOMEM, deste PATRIOTA de credenciais indescritiveis, deste nacionalista ferrenho, intelectual e academico de finura e perspicacia inigualavel, homem de uma verticalidade estonteante, parlamentar e debatedor de primeira agua, lider incontestavel de massas como o demonstrou quando cabeca de lista nas provincias da Zambezia e de Tete com vitorias estonteantes, africanista de gema, ficaremos ate Quarta feira, dia previsto para o seu enterro sem blogar!

A familia enlutada, a esposa, ao Paulo, Carlitos, Miguel e Arlete, vao os nossos mais sentidos pesames! Estamos de luto: Perdemos um pai, biologico para voces, mas ideologico para mim!

Saibamos valorizar e preservar o pensamento, a imagem, a luta, a causa, a memoria e fundamentalmente o legado deste Embondeiro de Ulongue!

Onde tomba um combatente pela liberdade, nascem milhares de combatentes! Que o caule do seu gigantesco tronco, adube o solo de onde nascerao milhares de embondeiros com caules ainda mais pujantes, eloquentes e frondosos!

Continuaremos com a luta, porque a nossa luta e JUSTA!

PAZ A SUA ALMA!

BAYETE, COMANDANTE ALONI!

Manuel de Araujo (LONDRES)

Protagonizados durante a visita de Daviz Simango a Gaza Protagonizados durante a visita de Daviz Simango a Gaza




MDM recorre à justiça para impugnar desmandos da Frelimo

Edson Macuácua diz que os indivíduos que vandalizaram o comício do MDM na cidade de Xai-Xai, apesar de estarem vestidos de camisetas do partido Frelimo e ostentarem bandeiras do seu partido, não são membros da Frelimo. Sobre onde teriam obtido aquele material do partido, do qual ele é porta-voz, Macuácua diz que a Frelimo é uma marca, cujos produtos estão à venda em muitas lojas do país. O secretário da Propaganda da Frelimo negara antes, a pés juntos, que os factos reportados eram falsos. Imagens postas a circular à posteriori acabaram por dar azo a estas novas declarações

Maputo (Canalmoz) - A visita do presidente do MDM à província de Gaza foi marcada por momentos conturbados, caracterizados por actos de vandalismo praticados por alegados membros da Frelimo. Pelo menos o que se viu foi que indivíduos ostentando material de campanha do partido no poder, se faziam aos locais onde o MDM realizava os seus comícios, deliberadamente para obstruir os trabalhos deste partido e do seu candidato. Isto ninguém pode recusar; todos os que estiveram presentes nos locais viram, e as estações televisivas o mostraram nos seus serviços noticiosos, inclusive a TVM, a televisão pública.
É por esta razão que o porta-voz do partido liderado pelo engenheiro Daviz Simango, diz que vai recorrer à justiça para exigir tratamento adequado aos autores dos desmandos protagonizados por indivíduos que, até provas em contrário, são de facto membros da Frelimo como tornam irrefutáveis os factos que as imagens não deixam negar.
Falando à nossa reportagem, o porta-voz do MDM disse que durante essa série de desmandos, a delegada do partido na província de Gaza, que é igualmente membro da Comissão Política do MDM, Açucena da Conceição, foi molestada pelos supostos membros da Frelimo, que teriam tentado precipitar a sua viatura num riacho, algures entre a cidade e a Paria de Xai-Xai.
“A Dra. Açucena salvou-se graças à pronta intervenção de agentes da Polícia, que interpelaram o grupo dos membros da Frelimo que perseguiam a nossa delegada aqui em Gaza”, disse José Manuel de Sousa.
E porque as pessoas que chegaram a este extremo de tentar precipitar a viatura da delegada do MDM num rio, foram identificadas, o porta-voz deste partido diz que será apresentada uma queixa crime contra eles e que a mesma será feita através da Liga Moçambicana dos Direitos Humanos.

Não vamos retrair-nos

Questionado se a forte perseguição ao MDM, que tem marcado as suas actuações em diferentes pontos do país, irá fazer com que o partido se retraia na sua actuação politica, José de Sousa respondeu negativamente. “Não vamos desistir de desenvolver a nossa actividade política. Estamos a cumprir com o nosso dever. Dificuldades surgem daqueles a quem a nossa presença constitui um incómodo. Não seremos nós a ceder. Terão eles que admitir que o MDM é um partido que merece espaço para actuar”, disse.

Gaza não é ilha autárquica

Questionado se depois de todas as conturbações que viveu na província de Gaza, o MDM teria coragem de voltar àquela província para fazer campanha eleitoral, cujo início está marcado para o próximo dia 13 de Setembro, José de Sousa disse: “não estamos assustados. Sabemos que os que temem a nossa presença irão sempre procurar confrontar-nos por vias ilícitas, mas nós não recuamos. Voltaremos à província de Gaza para fazer campanha, pois esta não é uma ilha autárquica de Moçambique, é uma província deste país”.


É estratégia de auto-vitimização

Convidado a explicar se é esta a estratégia do partido Frelimo, perseguir outras forças políticas nos seus comícios e criar distúrbios, como se viu na província de Gaza, durante a visita do presidente do MDM, Daviz Simango, o porta-voz e Secretário da Propaganda do partido, Edson Macuácua começou por dizer que aqueles indivíduos que vestiam camisetas da Frelimo e ostentavam bandeiras e dísticos da Frelimo, não são membros da Frelimo.
“A Frelimo distancia-se das acusações do MDM. A Frelimo é um partido que pugna pelo civismo e urbanidade. Pautamo-nos por uma postura de convivência democrática harmoniosa. A nossa abordagem das eleições é de que elas são um momento de festa e de reforço da cultura democrática, pelo que gostaria de deixar claro que não se pode imputar à Frelimo a responsabilidade por actos não praticados pela Frelimo”, disse Macuácua, ao Canamoz.

Usaram camisetas da Frelimo, mas não são da Frelimo

O secretário para a Mobilização e Propaganda do partido Frelimo, ao nível do Comité Central, disse depois o seguinte: “Não confirmo que tais indivíduos que usaram camisetas da Frelimo sejam membros da Frelimo, mas devo sublinhar que a marca Frelimo é uma marca que está na moda e no mercado, e pode ser adquirida por qualquer cidadão, pelo que a FRELIMO não pode ser responsabilizada pelos actos praticados por todos indivíduos que usam camisetas da Frelimo, pois nem todos são necessariamente membros da Frelimo”.

Depois de se defender, Macuácua contra-ataca

“O MDM está a enfrentar indisfarçáveis dificuldades de aceitação nas provinciais, pois só ganha alguma receptividade no seio de alguns dissidentes e descontentes da Renamo, daí que estão desesperados por depararem com a realidade objectiva que revela que há uma distância abismal entre a força aparente e a força real que presumiam que tinham e que encontram no terreno. Daí que eles próprios recorrem maquiavelicamente à táctica de fuga em frente, criando sempre a percepção de que são vítimas de tudo, de todos e de nada, para antecipadamente se justificarem do previsível desaire eleitoral, e adoptam a estratégia renamista de se auto-vitimizar e acusar e culpabilizar sempre a Frelimo pelos seus insucessos e fracassos numa clara tentativa de confundir a opinião pública”.

(Borges Nhamirre)

Projecto de Areias Pesadas em Gaza





BHP Billiton afirma desconhecer alegado cancelamento da licença de exploração

Joanesburgo (Canalmoz) – O director executivo da empresa mineira, BHP Billiton, Marius Kloppers, afirmou não ter sido notificado oficialmente de que o governo moçambicano havia assumido controlo do projecto de areias pesadas, Corridor Sands. Recentemente, a agência noticiosa, Reuters, informou que o governo de Armando Guebuza teria cancelado a licença de exploração na posse da BHP Billiton e que é válida até Outubro de 2009.
Kloppers é citado pela publicação Mining Weekly como tendo dito que a BHP Billiton havia requerido a prorrogação da licença de exploração em Junho por um período de 12 meses, depois de ter concluído um estudo de pré-viabilidade em Março.
O despacho da Reuters dizia que a BHP Billiton havia considerado o projecto, localizado em Chibuto, como sendo inviável. Um dos parceiros da BHP Billiton, a Rio Tinto, procede à exploração de depósitos de areias pesadas em duas áreas de Moçambique, uma delas próxima do projecto Corridor Sands.

(Redacção / Mining Weekly)



2009-08-28 06:32:00