Thursday, 31 January 2008

Globalizacao que beneficia a todos e possivel-Afirma Anders Nordstrom na tomada de posse como Director da ASDI

O novo director da ASDI, Anders Nordstrom defendeu ha dias em Estocolmo que uma globalizacao que beneficie a todos e possivel. Numa nota distribuida a imprensa Nordstrom tracou as prioridades que nortearao a organizacao, na nova fase de mudancas que se avizinha.

'Assumo hoje a posicao de Director Geral da ASDI. Durante 4.5 como Director-Geral da Organizacao Mundial da Saude, vi o que a sjuda ao desenvolvimento pode fazer para melhorar a vida de milhares de pessoas'- frisou aquele dirigente Sueco.

Nordstrom tracou ainda como prioridades da organizacao, a necessidade de definicao de uma visao clara, prioridades claras, bem como a necessidade de introducao de novos metodos de trabalho, novas formas de cooperacao que consubstanciem a nova filosofia da ASDI- melhorar a eficiencia no terreno.

Para alcancar os objectivos definidos, o novo director chamou a atencao para a necessidade de se focalizar a atencao na analise dos resultados obtidos pois isso possibilitara uma melhor priorizacao e articulacao das actividades.

Antes de ser nomeado Director Geral da ASDI, Norstram desempenhou as funcoes de Director Geral Interino (Aquando da morte repentina do entao Director Geral) e Director-Geral Adjunto da Organizacao Mundial da Saude. Foi tambem funcionario da ASDI e da Cruz Vermelha Internacional, tendo trabalhado em varios paises como Zambia, Irao, Cambodja.

A nomeacao de um director do quilate de Anders Norstram e um reconhecimento tacito da prioridade que o novo governo Sueco da a cooperacao internacional. Esta nomeacao decorre numa altura crucial em que o novo governo do Centro-Direita na Suecia esta num processo de reformulacao da sua politica de desenvolvimento, com vista a uma melhor racionalizacao dos seus recursos e maximizacao do resultados. No processo de racionalizacao paises como a Nicaragua e Angola ficaram com os seus pacotes de ajuda internacional seriamente reduzidos enquanto que Mocambique suplantou a Tanzania, acabando por ser o pais que mais ajuda externa Sueca recebe.

Aquando das ultimas vistas que efectuei a Suecia o ano transacto era visivel a azafama dos funcionarios ligados quer ao Ministerio dos Negocios Estrangeiros quer da ASDI no sentido de compreender na integra e interiorizar o sentido das novas mudancas. Visivel tambem era a insatisfacao por parte de sectores importantes da sociedade civil Sueca em relacao a nova politica, pois na sua optica tal politica 'resumia-se' na diminuicao dos pacotes da ajuda aos paises em desenvolvimento, e aumento dos orcamentos de defesa. Para oficiais superiores ligados a nova administracao as mudancas eram necessarias pois a Suecia estava a dispender muitos recursos sem criterios rigorisos para medir o seu impacto, dai a necesidade de mudancas radicais na forma como era concebida e gerida a politica de ajuda ao desenvolvimento.

Recentemente (Dezembro 2007), uma delegacao chefiada pelo Director Geral do Ministerio dos Negocios Estrangeiros, e inclui o Drector para Africa visitou Mocambique para se inteirar do grau de implementacao da cooperacao Sueca. Durante a sua vista a Mocambique a delegacao conferenciou com entidades governamentais bem como com parlamentares da oposicao.

A experiencia que Anders Nordstram vai trazer ao posto ira fortalecer e profissionalisar as mudancas imprimidas pela nova politica de cooperacao internacional da Suecia.

Oxala nossos jovens quer na Embaixada em Estocolmo,Suecia, quer no MINEC em Maputo, sabiam capitalizar este momento impar de redefinicao da politica de cooperacao Sueca.

Um abraco,

Manuel de Araujo

Para mais detalhes o discurso do Novo director da ASDI em directo:

Statement by Sida's new Director-General

Today, I am assuming the position of Director-General of Sida. During the past 4.5 years as Deputy Director-General of WHO, I have seen what development assistance can mean for people's survival and the improvement of their living conditions. I have also seen the need to formulate clear goals and focus on results.

Sweden is highly regarded and trusted as a cooperation partner, both locally and globally. We must preserve this trust and utilise it more effectively. This requires a clear vision and clear priorities, a change in our methods, new, innovative forms of cooperation between the parties involved, and a new organisation with a greater presence in the field. I intend to promote these kinds of changes, beginning now.

During the past 30 years, we have witnessed unsurpassed improvements around the globe. People are living longer, poor countries are becoming richer, and the number of countries with democratic governments has increased. The list of improvements is a long one, and these positive trends result from factors that include increased and faster access to new information and technology. The percentage of economic growth in the world's poorest countries is higher, on average, than in the world's richest countries.

Unfortunately, there is also another side to this picture. Massive inequality, poverty, lack of security and resources are still in evidence in all too many countries. The differences in the conditions facing a child born in Congo and those enjoyed by one born in Sweden are enormous. A woman living in sub-Saharan Africa runs a 150 times greater risk of dying of complications during pregnancy or childbirth, than if she had lived in Europe. About one billion people still live on less than one dollar a day.

Creating improved conditions for individuals to live a better life and contributing to a reduction of poverty is a great challenge. In order to achieve results in today's globalised world with its interdependency and shared opportunities requires close cooperation among businesses, organisations and public officials, as well as coordination between the various policy areas.

Sweden's policy for global development (PGD) contains a vision for a Swedish commitment in a globalised world. As such, this policy has become a reference point for other countries. At the same time, the PGD makes it clear that if Sweden is to be able to contribute to this vision, conventional assistance is not enough. The PGD instructs all policy areas, within their area-specific objectives, to actively seek ways to strengthen Sweden's contribution to a fair and sustainable global development.

Thus, strategic action is needed in many important areas of policy, including trade, research, agriculture and the environment. Furthermore, this is not about assistance projects in these areas, but rather about Sweden's combined action based on a global perspective. The climate change is maybe the most obvious question. But even questions regarding access to water or information technology, the human trade and threatening outbreak of infectious deceases and are questions that are of concern to all of us regardless of were we live.

The International Commission for Climate Change and Development, appointed by the Prime Minister, and led by Gunilla Carlsson, is an excellent example that spans several policy areas, and is not restricted to development cooperation. The recent United Nations Climate Change Conference in Bali is another example, with Sweden being represented by Minister for the Environment, Andreas Carlgren. The discussions there related to how we can support the efforts of the world's poorest countries to bring about positive development in their countries, without negatively impacting the climate and the environment.

A world in constant change requires a new approach. This certainly also applies to Swedish development cooperation, which has been clarified by the Government, and adopted by the Swedish Parliament in the form of this year's budget.

In promoting an improvement for the world's poorest people, we have found the following complementary and mutually dependent areas in which Sweden also has comparative advantages:

Enhanced democracy and increased respects for human rights.
Equality between men and women.
Sustainable environmental development and measures to ameliorate the effects of climate change.
Economic growth with a focus on trade and the development of the private sector.
Social development, especially HIV/AIDS, access to basic healthcare and education.
Peace and security.
Although Sweden can contribute to promote this kind of long-term development, we cannot, and should not, do this alone. According to the Paris Declaration for Aid Effectiveness, the ultimate responsibility belongs to each of our various partner countries. In addition, however, it is important to bring together relevant parties from both the public and private sectors and NGOs, as well as to contribute to more efficient cooperation with other donors and the coordination of measures and decisions in other policy areas.

Let me mention a concrete example from Ethiopia, which I visited a couple of weeks ago. Sweden's assistance in that country includes measures to improve conditions for private business, including more efficient legislation. Sweden also supports NGOs that work with educating the police to induce them to show more respect for human rights, and contributes to the development of basic healthcare. This will benefit people in poor areas both in the short and long term. It is of great importence to increas the respect for basic human rights in Ethipia. This demands dialog with the government as well as cooperation with NGOs.

Sida, with its experienced and expert employees, plays a central role in Swedish development cooperation. My ambition is to make Sida an even more attractive and effective partner in the international development arena. We should improve our relations with our partner countries, other donors and actors in Sweden. These efforts include organisations and businesses, and closer cooperation with decision-makers, in Sweden, and our partner countries, and on the multinational arena, work in the United Nations and the European Union frameworks.

In order to achieve this, Sida must:

Focus on the results that are to be achieved, and formulate clear prioritisations, based on lessons that can be learned from evaluations, audit reports and new research.
Be open and flexible for new forms of cooperation, new innovative solutions, and cooperation with the actors considered best suited to achieve the desired results.
Link global problems and actions to local solutions, and vice versa.
Be easy to cooperate with. It should be simple to follow, review and evaluate decisions made.
Be efficient, accurate and responsible in the performance of all matters, from beginning to end.
All these are necessary if Sida's work is to be properly directed, properly timed and properly organised. These points will also increase the quality of decisions as to where to invest Swedish tax funds, and will make us into a more active partner in implementing and following up these contributions.

Sida has a fantastic staff with great qualifications and enthusiasm. The challenge is to create working methods and an organisation that enables our personnel to do its work even more efficiently and strategically. I have promised to present a new organisation within two months, and without getting ahead of myself, I can already say that:

The focus will be on the Field (embassies and section offices for development cooperation), and we will be increasing our presence where we have our primary mission.
Sida's role as an expert agency will be expanded. An active personnel policy and human resource development will be formulated with a focus on global development and other crucial issues.
Administrative functions and governance will be improved through a smaller management team and clearer delegation and division of responsibility
Management by objectives and results will be given a greater emphasis, with more of a focus on learning from both successes and less successful projects.

The decision of the Government to concentrate Swedish development cooperation to a smaller number of countries, makes is possible for us to prioritise resources and expertise in order to improve results and increase quality. This also means that Sida will be handling fewer, but larger, projects.

Sida has traditionally played a role that has been focused on bilateral assistance, in other words, cooperation with individual countries. The Government has made it clear that Sweden has to stand up and be noticed more in Brussels, Washington and Geneva. My ambition is to have Sida contribute more to these efforts by linking our actions through the European Union, at the United Nations and its agencies, and as a member of the Board of the World Bank, with what we are seeing and accomplishing on the ground in countries such as Uganda, Cambodia and Bolivia. Sida and the Ministry for Foreign Affairs should act together as "Team Sweden".

A globalisation that benefits everyone is possible. Global development cooperation enables more and more people to escape poverty faster, and this benefits both the rich and the poor. Sweden and Sida have an important role to play and a responsibility to contribute to making this happen. As the new Director-General of Sida, I accept the task of working together with my colleagues to renew and modernise our agency, so that Sida will be equipped to meet the challenges it faces.

Anders Nordström

Banco Central Americano reduz taxas de juro!

O FED, Banco Central americabo anunciou um corte de 0.50 nas taxas de juro, o segundo corte em menos de 10 dias. No primeiro corte o FED havia diminuido 0.75%, o que agora perfaz um corte de 1,25%, um corte sem precedentes na historia recente da economia americana. Esta atitude arrojada do Banco Central Americano mostra que os perigos de recessao na economia mundial sao reais, e que o FED esta determinado a usar todos os instrumentos em seu poder para se nao reduzir o impacto pelo menos adiar a chegada da recessao.

Entretanto dados divulgados esta semana demonstram que a economia americana da mostras de um desaceleracao galopante, o que nos faz prever que mais cortes nas taxas de juro venham a ser implementadas a breve trecho.

A medida do FED foi precedida pelo anuncio pelo Presidente americano de um pacote substancial de injeccao financeira na economia americana. Medida essa que esta a enfrentar certas reservas no Congresso americano, mormente na bancada democrata. Nos EUA, como em Mocambique, qualquer alteracao orcamental devera ser aprovada pelo congresso.

Tendo em conta o ambiente eleitoral que se vive nos EUA, e considerando que a oposicao (Democratas) detem a maioria parlamentar, espera-se que a discussao do pacote seja algo controverso, pois cada lado tentara responsabilizar a outra parte pelos cada vez mais visiveis sinais de recessao na economia americana. E como em ano eleitoral a economia e o factor determinante, e possivel que os democratas usem o debate para somar pontos e provar que a gestao dos republicanos nao tem sido prudente. Esta actitude podera ajudar os candidatos democratas a somar alguns pontos na sua batalha para a Casa Branca.

Entretanto desde Dezembro do ano transacto que os bancos europeus tem monitorado com alguma atencao aos desenvolvimentos na economia americana e grupos de trabalho inter-bancos foram criados ja para avaliar os impactos na economia americana. Ainda esta semana os lideres dos paises mais industrializados, encontraram-se em Londres, na companhia do Presidente da Uniao Europeia, Jose Manuel Durao Barroso, para a seu nivel tracarem medidas com vista a minimzar o impacto de uma possivel crise economica mundial. no encontro estivera presentes para alem e barroso, a Chanceler alema, Angela Merkel, o Presidente Frances, Nicola Sarkozy, o Primeiro-Ministro cessante italiano Romano Prodi, para alem do anfitriao, Gordon Brown.

Espera-se que o nosso Banco Central recentemente reunido em Conselho Consultivo tenha abordado o impacto de uma possivel crise mundial e tome medidas energicas que ajudem a economia nacional a proteger-se, usando com transparencia os instrumentos que a Constituicao de Republica lhe outorga.


Fed delivers 50-point rate cut
By Krishna Guha and James Politi in Washington and Michael Mackenzie in New York

The Federal Reserve on Wednesday cut interest rates by another 50 basis points and signalled that the door was open to further reductions in an aggressive move to combat the risk of a US recession.

The move to cut rates to 3 per cent initially triggered a broad rally in stocks – the S&P 500 jumped 1.7 per cent in the first 45 minutes after the announcement – only for the market to turn lower just before the closing bell.

The 50 basis point reduction in the Federal Funds rate came hot on the heels of last week’s emergency 75 basis point cut. The combined 125 basis point reduction represents the most abrupt easing of monetary policy by the US central bank since the early 1980s.

The scale of the move reflects chairman Ben Bernanke’s determination to get ahead of the deterioration in the US economy following criticism that the Fed was “behind the curve” on monetary policy.

In addition to offsetting the decline in its base case forecast for the economy, the Fed wants to buy some insurance against the possibility that the worst-case outcome for growth – a deep and protracted recession – could materialise.

This represents a reassertion of the Fed’s “risk management” approach to policy. But it also stimulated debate as to whether the Bernanke Fed is starting to move away from the Greenspan-era practice of gradualism – moving interest rates in a series of small incremental moves.

Earlier, fresh data showed that a sharp reduction in business inventories had cut US growth to 0.6 per cent in the fourth quarter, its lowest growth rate since 2002.

In a statement, the Fed said its actions would “help promote moderate growth over time” and “mitigate the risks to economic activity”. But, it said, “downside risks to growth remain”. The US central bank said it would continue to assess the effects of financial and other developments and “act in a timely manner as needed to address those risks”.

The focus on the downside risks to growth and the pledge to act in a “timely manner” suggest the Fed will consider cutting interest rates again, although it will probably hope not to have to do so before its next scheduled policy meeting in March.

But the Fed signalled that investors should not assume it will carry on cutting rates in 50 or 75 basis point increments by toning down its description of growth risks from the phrase “appreciable downside risks” in its inter-meeting statement.

The 50 basis point cut was approved by a nine to one margin, with Richard Fisher, president of the Dallas Fed, dissenting. The Fed also unanimously approved a 50 basis point cut in the discount rate at which it lends directly to banks. The move came in spite of data that showed that core inflation moved higher in the final quarter of 2007 and indications that the US labour market is not collapsing.

The Fed said “financial markets remain under considerable stress” and “credit has tightened for some businesses and households”. It said recent information indicated a “deepening of the housing contraction” as well as “some softening in labour markets”.

It left its language on inflation unchanged, saying it would “continue to monitor inflation developments carefully”.

The S&P 500 closed down 0.5 per cent at 1,355.81.

The yield on the two-year Treasury note closed down 5 basis points at 2.22 per cent, while the yield on the 10-year note closed up 4 basis points at 3.74 per cent. The dollar was lower by 0.6 per cent at $1.4869 against the euro.

Comunidado dos Lideres Europeus Reunidos em Londres Sobre a Economia Mundial

Communique on the global economy 29 January 2008

The global economy has experienced a period of stable and sustained growth. However, recent financial turbulence has increased the risks for 2008. The fundamentals of the European economies remain strong with employment still rising. They are thus well placed to face the challenges presented by heightened global uncertainty. As the leaders of the major European economies we remain committed to cooperating closely to maintain economic stability, and to strengthening and deepening economic reform. At this time of global uncertainty we need to signal our commitment to an open global economy. An ambitious and balanced agreement on the Doha round, to which we are committed, is essential to this.

Financial markets globally have suffered a prolonged period of turbulence triggered by the sub-prime crisis in the United States which spilled over into other financial markets. Prompt and coordinated action has helped to ease the immediate problems, though there is no room for complacency.

In view of this we remain fully supportive of the call for action in the joint declaration of 19 October. We look forward to discussing the outcome of the work currently underway in the Financial Stability Forum, and to discussing at the Spring European Council Ecofin's work to examine the causes and proper response to recent financial market turbulence.

In developing a longer term response we should be guided by three principles:

First, primary responsibility for managing risk is and must remain with individual financial institutions and investors.
Second, this needs to be backed up by strengthened national regulatory and supervisory frameworks.

Third, regulatory authorities in different countries need to cooperate and exchange information effectively in the EU and internationally to prevent and manage crises and contagion.
More immediately, however, we must rebuild confidence and increase the transparency of financial markets, institutions, and the instruments they trade by: improving the quality of the information available to investors on structured products, including in relation to their valuation; enhancing the understanding and management of risk; and avoiding possible conflicts of interest.

To this end we call for:

improvements in the information content of credit ratings to increase investors' understanding of the risks associated with structured products, and for action to address potential conflicts of interest for rating agencies. While preferring market-led solutions, such as the amendment of the IOSCO code of conduct, if market participants prove unable or unwilling to rapidly address these issues we stand ready to consider regulatory alternatives;
improvements in the understanding of banks' and other financial institutions' exposure to off balance sheet vehicles. We call upon the major audit firms and supervisors to deliver clear and consistent guidance on valuation and disclosure of such risks; and
prompt and full disclosure of losses banks and other financial institutions that would help reduce uncertainty and improve confidence in financial markets;
improvements in EU early warning on financial stability through regular reporting from the Level 3 committees (CEBS, CEIOPS and CESR);
market participants, the FSF and the EU to act rapidly to ensure adequate transparency and disclosure about how structured products are valued, that uncertainties around those valuations are clear and that risks are well managed.
Recent events have also shown that we need to improve management of liquidity risk. The Basel Committee of Banking Supervisors should bring forward standards on improving the international management of liquidity risk. Additionally, we need to improve dialogue between supervisors and firms about risk management and stress testing.

Market orientated solutions are crucial to achieving the necessary improvements in business operations and in interactions between market participants. We therefore welcome the voluntary best practice standards presented by the London-formed Hedge Fund Working Group on 23 January 2008 in the context of the Financial Stability Forum's five recommendations on hedge funds.

International and EU CooperationIt is also important to ensure the work already underway in the Financial Stability Forum and the EU to improve crisis prevention and management is concluded and implemented as soon as possible. This should include:

measures to foster the effectiveness of EU networks of financial supervisors and to ensure strong and effective supervision of cross border groups;
common principles for international financial crisis management;
a common analytical framework for the assessment of the systemic implications of a potential crisis;
common practical guidelines for crisis management, including improved information exchange; and
closer cooperation between countries with particularly important links at firm or capital market level.
Reform of the International InstitutionsThe recent market turmoil has also highlighted the need for reform to ensure that global institutions can meet the challenges of the 21st century. We need a better early warning system for the global economy and we need to ensure that its warnings have the force and authority to ensure that they are acted upon. To this end:

in the short term the IMF and Financial Stability Forum need to report at the next IMF meetings on the threats to the global economy from financial sector developments. This will improve transparency about risks in the financial sector and how markets and regulators are responding. The IMF and FSF should also present as soon as possible proposals on how they will further enhance their cooperation.
in the longer term we should consider how to strengthen and clarify the IMF's responsibility to oversee macro financial stability.

Prime Minister Gordon Brown

President Nicolas Sarkozy

Chancellor Angela Merkel

Prime Minister Romano Prodi

President José Manuel Barroso

Lideres da Uniao Europeia (Gordon Brown, Sarkozi, Angela Merkel, Romano Prodi, Durao Barroso) encontraram-se esta semana em Londres para entre outras trocar ideias sobre o impacto que a crise economica mundial podera ter no espaco europeu e esbocar planos sobre uma estrategia comum!

Oxala os lideres africanos na sua reuniao em Addis Ababa nao se esquecam de incluir na agenda de trabalhos o impacto da crise mundial no continente bem como a questao do Kenya e as eleicoes no Zimbabwe. E preciso que nos preparemos para o caso do Zimbabwe pois seremos os primeiros a sofrer caso os Zimbabweanos decidam optar pela 'opcao Quenia'. E que o velho habito de as agendas das cimeiras ser definido meses antes torna a Cimeira da Uniao Africana pouco flexivel para discutir assuntos prementes e urgentes, como os acima apontados.

Para mais detalhes sobre a reuniao dos lideres europeus, segue o transcript da conferencia de imprensa:

London29 January 2008

EU leaders have agreed to "close co-operation" to ensure stability in the global economy, Gordon Brown said this following talks at Downing Street.

Parts of this transcript may have been edited

Find out why some transcripts are edited
Read the transcriptPrime Minister:

Can I thank you all for joining us. We've been discussing how to maintain economic stability, to strengthen and deepen economic reform and to support enterprise. We are agreed that at this time of global uncertainty we need to signal our commitment to an open economy. We are also agreed that an ambitious agreement on the Doha trade round, to which we are all committed, is essential to achieve this.

On taking forward measures to promote stability in financial markets and address what we call a transparency deficit, we are agreed we should be guided by the following principles. Primary responsibility for managing risks is, and must remain, with financial institutions and investors who must take responsibility. This needs to be backed up by national regulatory and supervisory frameworks that are strong and each country has its own proposals. Authorities need to cooperate and exchange information effectively within the European Union and internationally to prevent and manage crises and contagion. Based on these principles we are calling for greater transparency to secure better informed markets and we want to see in this greater transparency improvement in the information content of credit ratings to increase investors' understandings of the risks they face, and we stand ready to take regulatory action if progress is not made. Greater transparency by the major audit firms and supervisors delivering clear and consistent guidance on the valuation and disclosure of financial institutions' off-balance sheet risk, prompt and full disclosure of the losses banks and other financial institutions face, and the Basel Committee of Banking Supervisors should bring forward standards on improving the international management of liquidity risks.

We are also agreed on action to improve cooperation within Europe and with other economies in response to financial crises, in particular that the Financial Stability Forum and the European Union should agree common principles for international financial crisis management, a common analytical framework for the assessment of the systemic implications of a systemic crisis, common practical guidelines for crisis management, including improved information exchange, and closer cooperation between countries with particularly important links at firm or capital level.

We are also agreed on the need to reform to ensure the global institutions can meet the challenges of the 21st century. We need a better early warning system for the global economy and that warning should have the force and authority to ensure that their warnings are acted upon.

And so to this end we are calling on the IMF and the Financial Stability Forum to report at the next IMF meeting on the threat from the global economy from financial sector developments and to consider how to strengthen and to clarify the IMF's responsibility to oversee macro financial stability.

These are the issues we have discussed. We have agreed a common understanding of the problems we face, a common course of action to deal with these problems and promote stability and growth in the European economy. We will now engage our G8 partners on all these issues, starting next week with the meeting of G8 Finance Ministers in Japan. And I am grateful for European leaders meeting here in London this evening. We believe that we can persuade the whole international community of the need for the reforms that we propose.

I now invite any questions from the audience to each and all of our leaders who are here this evening.


Commissioner Bassos, can you tell us how the discussions tonight reflected on the work that has already been carried out at an EU level? And if I might ask the British Prime Minister if you can tell us what specific proposals Finance Ministers will be able to take forward to the talks in Tokyo?

Mr Barroso:

I think it is very clear in the communiqué that we have just approved that there is important work already undertaken in the European Union, at the European Union level, namely what our Finance Ministers are doing. As you know, we are going to report to the European Council in March. This is explicitly stated in the communiqué that was approved by all the leaders here. And of course the conclusions are clear that we have to act in two levels: the European Union level, there is a call for increased cooperation at the European level and I was very happy to receive the support of Prime Minister Gordon Brown for the European Commission to be a member now of the Financial Stability Forum for instance, so an important support for European Union level, but not only European Union; we have to act together at the global level, namely with international financial institutions, namely with the other G8 members, and that was exactly what was decide just now, as you heard in the last words of Prime Minister Brown.

Prime Minister:

What I think the Finance Ministers will discuss in the next few days is first of all the need for a trade deal so that we do not retreat into protectionism, and secondly that action is taken as soon as possible to improve the transparency in some of the activities of our financial institutions, off balance sheet activities disclosed, credit rating agencies in a position to give more independent valuations of risk, and at the same time we want the prompt and full disclosure of the right-offs that are now to take place, and as soon as possible. I think these are the immediate things that people are expecting to be done.


Mr President, what would your opinion be about a takeover by a foreign company or bank of the Société Générale?

President Sarkozy:

First of all we didn't talk about it, that wasn't discussed, and secondly I have nothing to say because it doesn't have a stake in Société Générale. I think it is very important that we have met, all of us here together, to speak with one and the same voice, it means that our views have become ever closer, that we are determined to act and that we are going to be talking about this with all of our allies, our friends and all those who basically drive the world economy. There is nothing fatalistic about what is happening right now. There are lessons to be learned that we need to learn and we are determined not to accept without reacting to what has happened. This applies to the sub prime crisis, it could apply equally to the Société Générale, it can apply to anything. And at all times people work, people save money, invest, need jobs and what has happened in a certain number of countries has nothing to do with the kind of market economy and our sense of what competition really means, free and fair competition and if we do not want a return of protectionism then we have to ensure transparency.


Prime Minister, given that these are global problems, what is the value of these discussions now which have excluded the other G8 members?

Prime Minister:

I think the important thing is that the European members of the G8 are getting together in advance of the G8 Finance Ministers meeting in Japan, and in advance of the full G8 meeting later. And I think by formulating these proposals for change, by putting the transparency issues on the agenda, by making very concrete proposals that can be implemented soon, and by calling for change in the international institutions we are leading the way in a discussion that I believe will lead to significant changes being made, significant reforms being made in the course of this year. So we are leading the way, recognising some of the problems that have got to be addressed, but I am confident that we can build a consensus across the G8 and then across the international community of big reforms and big change.


A question addressed to Chancellor Merkel. Chancellor, you were speaking about possible regulatory measures to be taken should those who participate in the market not fulfil their obligations. What sort of concrete measures would you take and what does that mean in concrete terms for Germany?

Chancellor Merkel:

Well basically, and this is why I am so grateful to the British Prime Minister for having invited us here to this meeting of the European G8 member states, it is very clear, is it not, that citizens' confidence and trust in the openness of financial markets need to be secured. And questions have been asked, certain gaps are there, and we need to see to it that those gaps are closed. And the first step that we need to take is to call upon all of those players in the market to show more transparency, and the important message is if you do not comply with this then we need to resort to regulatory measures. We have for example used the example of the rating agencies as an example to tell the markets that we would then be ready to resort to a situation where we come up with rules and regulations in such a way that rating agencies will then comply. Then secondly I think that looking back one year ago, we were far, far away from any sort of self-regulatory approach of for example the hedge fund industry, but now we have that. So we make progress step by step.

We don't as yet have sufficient progress but what we said is we need to have more transparency as regards the valuation of these very new, very complex financial instruments. The auditors need to be given very clear rules for doing their work properly and we need now obviously a cooperation, we also need to have some cooperation by the American side, if not we need to come up with new rules and regulations. What is important is the answer to the lack of trust might be protectionist measures and this would be very wrong and this is why we as politicians have to see to it that we ward off such possible wrong moves and false policies. This is why we asked our host to talk to the Japanese host of the G8, to talk to our friends in the United States so that we may be able to talk as quickly as possible, and indeed agree as quickly as possible on what we have talked about here today. I think this will bring a significant step forward.


Italy is the only country here today which doesn't have an ongoing bank crisis. Is that just a matter of time or are there specific merits of the Italian banking system? And how do you think that Italy will weather this ongoing storm with the current political crisis?

Mr Romano Prodi:

Your first part of the question is very easy because in Italy in the last five years we had a complete restructure of the banking system, mergers, acquisitions and a reorganisation of the system after the tumult that we had in the period before. And this was done in the last two or three years in a very fast speed and without any government intervention and without any interference of the Bank of Italy. We had an agreement with the Bank of Italy and the government not to interfere in this process of restructuring. And second, if you look at the balance sheet they lean much more on deposits. They can't depend on derivatives, just a small amount of percentage on derivatives, and there is no link with the American banks. So if you put those risks, reasons, together you have an explanation why the Italian banking system is now immune from this sickness.

The second part of the question is a little more difficult to answer. You know I think that the political crisis will be soon solved so I am optimistic that this will not interfere on the future of the economy. I am proud to say that the budget is very sound, we have a lower than 2% deficit, so we have put the Italian budget in completely strong area so even if there is some period of change I think that the economy will not absolutely suffer. The company taxation is decreased and real estate taxation is decreased, so now we have a safe time for the future as I say to counter the waves that we could have in the political system.

Prime Minister:

Thank you all very much. We have issued a communiqué. I hope you will be able to read it. Thank you very much for joining us this evening.

Suposto rapto de 40 crianças : Detidos sete indivíduos em conexão com o caso

SETE indivíduos, entre os quais o motorista do camião que transportava os 40 menores supostamente raptados e que alegadamente seguiam a rota do tráfico, a partir das cidades de Maputo e Tete nas regiões Centro e Sul do país, encontram-se detidos na primeira esquadra da Polícia da República de Moçambique em Chimoio, segundo confirmou ontem a nossa Reportagem.Maputo, Quinta-Feira, 31 de Janeiro de 2008:: Notícias
Entre os detidos, constam Abdula Garcia, delegado da Madraça Hamza, na cidade de Nampula, Amade Mussa Bilaule e Amade Rachid Alfane, coordenador e secretário, respectivamente, da madraça, a considerada “criança mais velha” do grupo, com 25 anos de idade e Felisberto Joaquim Pinga, motorista do camião com a chapa de inscrição MBP-44-71, pelo qual se faziam transportar as referidas crianças.

Em declarações ao “Notícias”, os supostos dirigentes muçulmanos afirmaram que transportavam as crianças para a continuação dos seus estudos religiosos nas cidades de Maputo, Matola e Tete, mais precisamente nas chamadas instituições Hamza e Djame, na cidade de Maputo e Matola e Darul Hulume, em Tete.

As duas raparigas que igualmente fazem parte das 40 crianças, segundo Amade Mussa Bilale, que chefia a “delegação” dos petizes, tinham como destino o Colégio da Catembe, uma instituição de formação religiosa destinada especialmente para os estudantes femininos do alcorão.

Negaram tratar-se de uma situação de rapto ou tráfico de menores defendendo que, “levamos as crianças com o consentimento dos pais com o propósito de receberem formação para serem memorizadores do alcorão”, livro sagrado dos muçulmanos.

Segundo eles, isto pode ser provado pelo facto de os pais das crianças terem declarado por escrito e entregue pessoalmente seus filhos para fins educacionais, terem pago dinheiro das passagens e alimentação ao longo do percurso, no valor de 2.500 a 3.000 cada, para além do visto que disseram que disseram constar da lista dos menores em causa, emitido pelo Departamento dos Assuntos Religiosos da Direcção Provincial dos Registos e Notariado de Nampula.

Desafiaram a Polícia a contactar o Sheik Aminodine, da Madraça de Maputo e maulana Mohamade, de Tete, para confirmarem a veracidade das suas declarações, pois conforme revelaram, “são eles que, no destino, haviam de receber as crianças e que as encaminharia para os referidos colégios muçulmanos vocacionados ao ensino do Alcorão.

Por outro lado, solicitaram a Polícia a entrar em contacto com os pais dos menores e também com a direcção das madraças de Nampula, Maputo e Tete, a fim de colher mais elementos que possam provar a veracidade das suas declarações e sustentar a sua alegada inocência, perante a acusação de tráfico ou rapto de menores, que pesa sobre eles.

Informações colhidas junto de uma fonte do Comando Provincial da PRM de Manica e confirmadas pelos visado, indicam que as crianças em referência e que neste momento se encontram acomodadas no infantário provincial de Manica, em Chimoio foram recrutadas nos vários distritos e cidades das províncias de Cabo Delgado, Nampula e Zambézia e Zambézia.

A maioria destes menores com idades compreendidas entre os sete e 16 anos, sendo que também faz parte um jovem de 25 anos que igualmente está sob custódia policial para averiguações. Do universo das crianças, 24 tinham como destino Maputo e as restantes 16 seguiriam a Tete.

A nossa Reportagem conversou com os menores Zamane Juma, de Mossuril, em Nampula, Icra Mohamad, de Pemba, Cabo Delgado e Ramadane André, também de Pemba que confirmaram que foram autorizados pelos seus pais a viajarem para Maputo ou Tete, a fim de estudar o islamismo, tendo inclusivamente pago dinheiro para as passagens e outro para a alimentação ao longo do percurso.

Amade Bilaule revelou não ser pela primeira vez que se ocupa no transporte de menores para a sua colocação nos estabelecimentos de ensino de alcorão nas cidades de Maputo e Tete, declarando que o processo remonta desde o ano de 1999 e que neste momento, um outro grupo de 55 crianças encontra-se a estudar na Hamza, em Maputo, onde outras já foram graduadas como memorizadores de alcorão, nomeadamente hafezes, halimas e hafimas e leccionam o Alcorão em várias madraças do país.

Entretanto, a PRM reiterou ontem em declarações ao “Notícias” que até prova em contrário, a corporação está em presença de um caso de rapto de menores, reconhecimento, porém, que “pode ser um acto de rapto consentido pelos próprios pais, por motivo de pobreza”.

Pedro Manuel Gemusse disse que a Polícia vai continuar a averiguar o caso junto dos vários intervenientes citados pelos investigadores do caso, para além dos governos provinciais e instituições muçulmanas relacionados, para apurar a veracidade dos factos e decidir.

No âmbito da integração regional: Instituições de ensino superior poderão deixar de existir - adverte Inácio Maposse, do Ministério de Educação e Cultura

O DIRECTOR da área de Coordenação do Ensino Superior no Ministério da Educação e Cultura, Inácio Maposse, disse que algumas instituições de formação de quadros de nível superior poderão deixar de existir de forma prematura se não reunirem os requisitos para operar no mercado que se prepara para a integração regional.Maputo, Quinta-Feira, 31 de Janeiro de 2008:: Notícias
Falando ontem no distrito de Malema, à margem das cerimónias de abertura do ano lectivo ao nível da província de Nampula, referiu que o seu ministério está preocupado em relação à qualidade de ensino nas instituições de nível superior.

Frisou que o MEC, acaba de criar o sistema nacional de avaliação, acreditação e garantia de qualidade de ensino superior, decisão aprovada recentemente pelo Conselho de Ministros, com o propósito de controlar o grau de desempenho das instituições do ensino superior, particularmente o seu enfoque e a qualidade dos estudantes graduados nas universidades públicas e privadas, assim como os cursos relevantes que ministram.

Aquele organismo do MEC, vai também focalizar as suas atenções na qualidade dos docentes afectos em diferentes universidades que operam no mercado de ensino superior neste momento, pois existe muitos questionamentos em relação aos professores apelidados de “turbos”.

Estamos a preparar a nossa integração ao nível regional e temos que ver quais as universidades que estão preparadas para esse desafio, e não podemos confrontar com universidades que ministram cursos que não garantem afectação do discente assim como a sua prestação em termos de desenvolvimento para o país - disse Inácio Maposse.

Reconheceu que a decisão para mandar encerrar as portas a uma universidade pode ser impopular, mas há que ter em conta que alguns países da região africana como são os casos de Botswana e África do Sul, que já estão a caminhar nesse sentido e algumas instituições de formação de nível superior foram obrigadas a fechar as portas por não corresponderem as expectativas dos respectivos governos em termos de formar quadros em áreas relevantes.

Inácio Maposse disse ao nosso Jornal que o MEC vai criar mecanismos apropriados para que a partir do presente ano, as universidades possam fazer uma avaliação interna do seu desempenho e importância dos cursos que ministram no actual contexto de desenvolvimento integrado dos países da região.

Revelou que está para breve a criação de um sector de inspecção que vai concentrar as suas acções nas universidades públicas não só para avaliar a sua prestação como igualmente para decidir sobre a alocação de algum apoio financeiro ou material que deve merecer por parte do Ministério da Educação e Cultura.

As cerimónias de arranque do ano lectivo a nível da província de Nampula foram realizadas no distrito de Malema, acto que serviu de pretexto para testemunhar a inauguração da escola secundária local que lecciona os níveis um e dois, a qual foi atribuída o nome de Eduardo da Silva Nihia, veterano de guerra de libertação nacional nascido naquela região e que actualmente exerce as funções de assessor do Presidente da República.

Pátria Amada recorda melhores filhos

A “PÁTRIA Amada” vai curvar-se esta semana em saudação ao 3 de Fevereiro – Dia dos Heróis Moçambicanos. Os melhores filhos desta pátria, aqueles cujos nomes a História registou e outros anónimos, desde que se tenham distinguido positivamente pelos seus feitos em diferentes esferas da vida política, económica, social e cultural serão evocados em diferentes actos programados para assinalar a efeméride. A data coincide este ano com a passagem do 39º aniversário da morte de Eduardo Chivambo Mondlane, fundador da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e arquitecto da unidade nacional.

Maputo, Quinta-Feira, 31 de Janeiro de 2008:: Notícias
Na memória dos moçambicanos permanecem igualmente indeléveis outros nomes, como Samora Machel, primeiro presidente de Moçambique independente; comandante Filipe Samuel Magaia; guerrilheira Josina Machel; combatente Sebastião Mabote, escritor José Craveirinha; maestro Justino Chemane; Joaquim Chissano, obreiro da paz; Lurdes Mutola, rainha dos 800 metros; entre vários outros. Alguns destes continuam a dar de si em prol da elevação do nome de Moçambique para patamares altos na esfera internacional.

Para recordar a memória destes filhos de Moçambique, os moçambicanos estão a programar cerimónias de deposição de flores em todos os monumentos aos heróis e organizados em diferentes organizações sociais vão enaltecendo os seus feitos. Aliás, enquadrado nestas celebrações, a vila de Malema, distrito do mesmo nome, na província de Nampula, saíu à rua para elevar o general na reserva das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), Eduardo da Silva Nihia. É que cedo demais, Nihia, então incorporado nas fileiras do Exército colonial português, compreendeu que a razão da luta estava do lado da Frente de Libertação de Moçambique, desertou e foi juntar-se a outros moçambicanos na Tanzania para lutar contra a ocupação portuguesa. Em sua homenagem os residentes de Malema, sua terra natal, atribuiram o seu nome a uma escola do primeiro e segundo graus, inauguraram uma exposição fotográfica retractando o percurso de Nihia como combatente da luta de libertação nacional e exercendo outras tarefas, como sejam deputado da Assembleia da República pela bancada da Frelimo e hoje conselheiro do Presidente da República e membro do Conselho do Estado.

Numa altura em que os moçambicanos assinalam a passagem de mais um Dia dos Heróis, o seu compromisso é prosseguir com as acções tendentes à melhoria das suas condições de vida.

Os moçambicanos estão agora empenhados na luta contra a pobreza, aliás, uma das grandes apostas do Governo liderado pela Frelimo. Os moçambicanos querem água para todos. Energia para todos. Ensino para todos. Comida para todos. Querem mais estradas e pontes para lhes facilitar a circulação de um ponto para o outro e facilitar a circulação dos seus bens. Querem mais hospitais para erradicar algumas doenças, como a malária, a cólera, a tuberculose e outras. Querem acabar com a dependência externa e construir uma vida melhor.

Hoje, 33 anos após a proclamação da independência nacional, os moçambicanos experimentam uma vida melhor, não obstante o caminho do bem-estar ainda se apresentar sinuoso.

Metas do milénio longe de ser atingidas - considera sociedade civil em fórum sobre pobreza e desenvolvimento


Participantes da reunião sobre a pobrezaMetas do milénio longe de ser atingidas - considera sociedade civil em fórum sobre pobreza e desenvolvimento

MOÇAMBIQUE não vai alcançar os Objectivos do Desenvolvimento do Milénio (ODM), segundo dados constantes do Relatório Nacional do Desenvolvimento Humano (2005) e da Agenda 2025 (Visão e Estratégias da Nação). Estes dados foram igualmente secundados por representantes de diferentes organizações da sociedade civil, reunidos semana passada em Maputo, do fórum sobre a pobreza e desenvolvimento a ter lugar em Abril próximo na cidade de Port Louis, nas Maurícias. A sociedade civil mostrou claramente que o país está longe de atingir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), objectivo que, na essência, visa a redução da pobreza que em Moçambique afecta mais de metade dos 20 milhões da população.

Maputo, Quinta-Feira, 31 de Janeiro de 2008:: Notícias
Na "Cimeira do Milénio" da ONU, que teve lugar em Setembro de 2000, os países membros, incluindo Moçambique, assinaram, em conjunto, uma declaração, baptizada pelo nome de Declaração do Milénio, que fixou oito objectivos de desenvolvimento específicos a serem atingidos até 2015.

Tais objectivos são nomeadamente a redução para metade da pobreza extrema e fome; o alcance do ensino primário universal; a promoção da igualdade do género; a redução em dois terços da mortalidade infantil; a redução em três quartos da taxa de mortalidade materna; o combate do HIV/SIDA, da malária e de outras doenças endémicas; a garantia da sustentabilidade ambiental e criação de uma parceria mundial para o desenvolvimento.

São enormes os esforços do Governo e de outros actores no sentido de salvar alguns desses objectivos, porém, o país continua com altas taxas de analfabetismo e não se apresentam sinais de alcançar na totalidade os ODM.

O “Notícias” entrevistou recentemente alguns participantes à Reunião Nacional da Sociedade Civil sobre a Pobreza, os quais consideraram que sem serviços básicos, tais como a Saúde e Educação, não se pode falar do sucesso dos ODM.

A rede de estradas é muito pobre; a rede das telecomunicações idem, a burocracia continua patente em várias instituições, associada a elevados índices de corrupção – um flagelo que se alastra a quase todos sectores da sociedade, sejam privados ou estatais, anotaram os participantes citando o relatório da USAID (2005) sobre a avaliação da corrupção em Moçambique.

Para Paulo Cuinica, secretário-geral do G20, a sociedade civil deve investir na capacidade de análise de políticas de desenvolvimento a fim de fortificar a sua capacidade de advocacia e “lobbying” e poder assumir uma postura mais pró-activa, com intervenções de qualidade, no percurso do país rumo ao alcance dos ODM.

O nosso interlocutor explicou que o relatório do Governo sobre os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio mostra um crescimento económico considerável, mas no terreno a realidade é outra, o que leva a sociedade civil a concluir que até 2015 os índices de pobreza continuarão elevados no país.

No seu entender e no entender dos participantes ao encontro, o país precisa de fazer opções muito sérias no que respeita a investimentos, onde a prioridade deve ser dada àquelas áreas que representam grandes vantagens no contexto da integração regional, como são os casos da agricultura, turismo e energia.

É que para os representantes de diferentes ONG’s à reunião sobre a pobreza, apesar de a agricultura ser a principal fonte de sobrevivência da maioria dos moçambicanos, ela ainda continua adormecida.

A extensão rural está adormecida e marginalizada. As tecnologias não estão sendo direccionados para esta área, vincou.

Moçambique é um país essencialmente agrícola, com cerca de 70 por cento da sua população vivendo nas zonas rurais, contribuindo aproximadamente com 20 por cento no Produto Interno Buto (PIB).

Apesar da sua baixa produtividade, a agricultura é fundamental para o desenvolvimento nacional, daí que é fundamental que o país aposte em infra-estruturas relacionadas com o mercado, nomeadamente estradas, linhas férreas e portos com capacidade de armazenagem.

Sabendo que a água é um dos entraves à actividade agrícola no país, a sociedade civil convida o Estado a assegurar a gestão integrada deste precioso líquido para fins múltiplos na agricultura. É preciso promover a agricultura irrigada e a respectiva investigação, adaptação e adequação de tecnologias apropriadas, promover a descentralização, a desconcentração e uma maior participação dos beneficiários das comunidades e das autoridades locais na gestão e operação de infra-estruturas.

O armazenamento de produtos foi levantado como outro problema ao processo agrícola. Neste momento a capacidade de armazenamento do Estado é gerida pelo Instituto de Cereais de Moçambique (ICM), com uma capacidade total de 190.500 toneladas de cereais, equivalente a cerca de seis por cento do consumo.

O ICM possui 498 armazéns com uma capacidade total de armazenagem de 187.195 toneladas, concentradas nas zonas com maior potencial agro-ecológico do país, ou seja, nas regiões centro e norte, com 44 por cento e 34 por cento respectivamente.

A resolução dos problemas de armazenamento, segundo os participantes à reunião da sociedade civil, só será assegurada com a construção de silos tanto no interior do país, nas zonas com maior produção agrícola, como nos portos de modo a aumentar a capacidade de armazenamento e reduzir os custos de transição.

Entretanto, Moçambique tem declarado activamente a sua adesão e cometimento à luta contra a pobreza através do PARPA; do plano quinquenal do Governo e da Agenda 2025; ODM e, no plano regional, através da NEPAD, a qual exprime o cometimento dos líderes africanos aos princípios da democracia, da economia aberta, da boa governação, do crescimento com equidade e da cultura da paz.


Maputo, Quinta-Feira, 31 de Janeiro de 2008:: Notícias
Para Anastácio Matavele, presidente do Fórum de ONG’s nacionais de Gaza, a sociedade civil não deve apenas levantar os problemas, mas participar também na definição das prioridades para o desenvolvimento, no contexto do empreendedorismo. Deve ainda monitorar o processo de desenvolvimento e avaliar não apenas o desempenho do Governo mas dela própria.

Matavele reconheceu, no entanto, que a participação da sociedade civil nos diversos processos estabelecidos para o desenvolvimento ainda não é efectiva, de um lado por culpa própria, uma vez que não está organizada, ou porque ainda não existem mecanismos próprios para a sua participação.

Contudo, descreveu a articulação entre a sociedade civil com o Governo como razoável, indicando como exemplo a participação da sociedade civil nos conselhos consultivos distritais.

Achamos que há espaço para trabalharmos, disse Matavele.

O fórum de ONG’s nacionais de Gaza é constituído por 172 organizações que trabalham no combate à pobreza, HIV/SIDA, advocacia e na promoção da boa governação.

Julião Deglasse é presidente do fórum das ONG’s nacionais do Niassa que comunga a posição de Anastácio Matavele, ao afirmar que na sua província a sociedade civil ainda é fraca em termos de acções.

No Niassa a sociedade civil está ainda a emergir, ela existe mas ainda não esta bem assente, embora esteja a fazer qualquer coisa.

Digo isso porque muitos membros de diferentes ONG’s nacionais naquela província ainda não conseguem explicar por que é que estão filiadas numa organização, mas são estas mesmas pessoas que dão o seu máximo a existência das mesmas, afirmou.

Indicou como um dos problemas que enfraquece as ONG’s na sua província a falta de recursos financeiros, daí o fenómeno organizações “James Bond”, aquelas que estão oficialmente inscritas, mas não realizam actividades, se não esperar seminários e conferências.

Livrança em Moçambique: Embaraço ou Vergonha Nacional?
Por: Raúl Chambote, 28.01.2008

O meu assessor jurídico assegurou-me que o entendimento que se deve ter quando se fala de Livrança é que essa, é uma promessa de pagamento de uma certa quantia, em dadas circunstâncias de tempo e lugar, dada por uma determinada pessoa, subscritor, a uma outra, o beneficiário ou seu portador legítimo vencimento. Um entendimento semenlhante a esse deriva do Direito Comercial , que define Livrança como “um título de crédito, contendo uma promessa de pagamento. O eminente, subscritor do título, declara-se ele próprio obrigado a pagar ao tomador ou à sua ordem a quantia mencionada no mesmo”.

Para não perder tempo com definições, sejam elas jurídicas, comerciais ou de carácter fiscal, acho que a explanação acima seja suficiente para os propósitos deste texto. Vou directo ao assunto que me leva a escrever esse artigo. Dirija-se a Repartição de Finanças de 1º Bairro Fiscal de Maputo e compre uma Livrança e, leia simplesmente o que está nela escrito: República Portuguesa. Confira a ilustração acima.

Não se pode imaginar o impacto que essas letras, timbradas na Livrança, tem nos cidadãos que pela primeira, segunda ou terceira vezes se dirijem àquela Repartição de Finanças para adquirir livranças. Incrível que pareça, Moçambique ficou independente de Portugal há quase 33 anos e, parecia que com a reversão de Cabora Bassa para o Estado Moçambicano, estava removido o último sinal do Colonialismo Português. A fazer fé as inúmeras afirmações oficiais reportadas nos órgãos de comunicação social sobre a remoção da última marca colonial na Pátria Amada, então o que é que o Ministério das Finanças e o Banco de Moçambique tem a dizer aos moçambicanos sobre a não mudança na impressão de Livrança de, “República Portuguesa” para República de Moçambique.

Os cidadãos que andam na azáfama de pedir crédito aos bancos em Moçambique, especificamente em Maputo, deparam-se com essa situação. Quem o faz pela primeira vez é simplemente colhido de surpresa, porque a República de Moçambique não é a República Portuguesa. Quem se dirije acompanhado de um estrangeiro à aquela repartição para obter Livrança fica embaraçado e com o ferido orgulho de ser moçambicano, porque afinal a República Portuguesa significa alguma coisa em Moçambique, pelo menos, para o Ministério das Finanças e Banco de Moçambique, que parece estarem a ignorar esse facto, 32 anos após a Independência Nacional. Certamente o estrangeiro anotará o embaraço que o Ministério das Finanças e o Banco de Moçambique submete aos moçambicanos. Quem se dirije pela terceira vez para comprar Livrança timbrada “República Portuguesa” para efeitos de acesso ao crédito na República de Moçambique, se apercebe que os assessores do Ministro das Finanças e do Governador do Banco Central, ou sofrem de conjuntivite, que estão sempre a esfregar os olhos por causa de comichão, por isso não conseguem ver com nitidez o que está escrito nas livranças e propor aos seus assessorados mudanças; ou ignoram a importância política e económica e a necessidade das livranças serem timbradas com letras República de Moçambique e não República Portuguesa, como a scan acima ilustra.

Quando redigia este artigo, o Banco de Moçambique realizava o seu XXXII Conselho Consultivo, na cidade da Matola, no esteio da implementação do plano estratégico da instituição, que vai vigorar de 2008 a 2010, instrumento que se enquadra nas estratégias do Banco Central para fazer face a integração regional da África Austral. Segundo alguma imprensa nacional, o Banco de Moçambique elege excelência nas suas competências. O irreversível processo de integração regional na SADC tem sido oficialmente apontado como momento de oportunidades que Moçambique não deve desperdiçar para a sua afirmação económica, uma vez que é inquestionável a afirmação política de Moçambique na SADC. Na minha opinião a mudança das letras, a moeda e o emblema na Livrança de, República Portuguesa para, República de Moçambique é politica e economicamente urgente e fundamental para se colher os dividendos da integração regional. Não se deve confundir os Estados membros da SADC de que na Constituição somos República de Moçambique mas, quando vamos aos bancos pedir crédito, só por causa de Livrança que pode ser impressa em qualquer gráfica em Moçambique, somos República Portuguesa.

Admita-se que estou equivocado sobre as competâncias do Banco Central quanto a questão de emissão de livranças em Moçambique. Mas é inaceitável que o Banco Central não supervisione o selo, o emblema e o que está escrito na Livrança vendida nas Repartições das Finanças e algumas tabacarias em Moçambique. Prestando um pouco de atenção ao scan da Livrança que fiz, nota-se que a moeda é o Escudo Português e não Metical Moçambicano; o fundo está impressa emblema Portuguesa e não emblema Moçambicana. Longe de procurar os culpados do embaraço de que somos submetidos quando vamos à Repartição de Finanças comprar Livrança, urge perguntar para quando Sr. Ministro das Finanças e Sr. Governador do Banco de Moçambique, vamos ter livranças impressas com letras República de Moçambique?

Por Raúl Chambote

SOMAS prepara Lei dos Direitos de Autor
A Sociedade Moçambicana de Autores,

SOMAS, pretende ver aprovada a breve trecho, a Lei dos Direitos de Autor em Moçambique e ainda este ano vai trabalhar junto das autoridades competentes para ter este instrumento aprovado.
Dados facultados pelo director executivo da instituição, Alfredo Chissano dão conta que a nível organizacional o gabinete jurídico da SOMAS já possui um draft daquilo que poderá ser a futura legislação sobre os direitos do autor.
Chissano disse que, para o efeito Moçambique já efectuou contactos com organizações congéneres que lidam com a questão dos direitos autorais em Portugal, Cabo Verde e
Em Novembro passado, a SOMAS realizou um encontro regional das sociedades de autor em Maputo, da qual sairam várias contribuições que no dizer do entrevistado vão se reflectir na lei à vista.
Alfredo Chissano, reconheçeu os atropelos decorrentes no desrespeito das obras dos legítimos autores no país, com particular incidência para as casas de pasto, emissoras de rádio e televisão, bem como nas salas de espera dos aeroportos.
“Todos os dias as obras são usadas e os direitos não são pagos.
A SOMAS quer que esta situação se altere a bem dos fazedores da arte. Todos os autores tem direito a um pagamento pelo uso do que é seu”, realçou.
Chissano disse, a título de exemplo que por ora, a Televisão de Moçambique vai passar a pagar direitos de autor pelas obras musicais que forem transmitidas nas suas emissões. Para o efeito, foi alcançado um acordo de concessão de direitos de autor entre a TVM e a SOMAS, no quadro do qual são protegidos os direitos au-torais
dos artistas. Edmundo Chaúque

Firmino Mucavele cessa funções

O MOÇAMBICANO Firmino Mucavele cessou há dias as funções de secretário executivo da Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD).Maputo, Quinta-Feira, 31 de Janeiro de 2008:: Notícias
Uma nota do Secretariado desta organização indica que, em substituição de Mucavele, foram designados os dois chefes-adjuntos do Escritório Executivo, nomeadamente o embaixador Olukorede Willoughby e Hesphina Rukato. Wiseman Nkulu, membro do Comité de Coordenação da NEPAD na África do Sul, vai fazer a supervisão geral das actividades

Centro de Integridade Pública

Moçambique deve implementar a Convenção Anti-Corrupção das Nações Unidas

Nota de Imprensa

(Maputo, 30 de Janeiro de 2008) O Estado Moçambicano ratificou em finais de 2006 a Convenção Anti-Corrupção das Nações Unidas (CAC-ONU), mas nem o Governo nem a Assembleia da República (AR) estão a fazer esforços para que a mesma seja implementada. CAC foi aprovada pela ONU, em 2003, com o objectivo estabelecer mecanismos legais e formas de cooperação no sentido do controlo do fenómeno. Esta convenção foi ja assinada por 140 países e ratificada por 107. Moçambique só ratificou a CAC a 31 de Dezembro de 2006.

Os países subscritores da CAC estão a participar numa reunião em Bali, na Indonésia, designada Conferência dos Estados-Parte, de 28 de Janeiro a 1 de Fevereiro, tendo como objectivo avaliar o estágio da implementação da convenção pelos países que a ratificaram. A convenção fornece um quadro compreensivo para o combate à corrupção e representa um consenso internacional no sentido de uma acção colectiva. A convenção estabelece as obrigações e os standards para a prevenção e punição da corrupção, aborda a cooperação internacional nessa matéria e propõe medidas para a recuperação de bens gerados por práticas corruptas.

Moçambique não mandou nenhuma delegação de alto nível para Bali, o que pode ser indicador de um fraco cometimento do Governo para com a implementação da convenção. No actual quadro constitucional moçambicano, a ratificação sugere que a Convenção é parte da legislação doméstica e, nesse sentido, pode informar sobre medidas a tomar em casos criminais específicos ou mesmo inspirar novas leis, ou a melhoria das leis ja existentes, sobretudo porque as convenções internacionals não prevêem molduras penais, ou seja, não dizem as penas para os crimes que estabelecem.

A Convenção das Nações Unidas recomenda aos Estados-Parte que considerem como actos de corrupção e os criminalizem, nomeadamente: a questões ligadas ao conflito de interesses; o branqueamento de capitais; o peculato ou desvio de fundos do Estado; o tráfico de influências; o abuso de funções e o enriquecimento ilícito. Perante este quadro, o Governo e o parlamento devem pôr urgentemente em prática medidas legislativas que reforcem o enquadramento legal em Moçambique. Estas medidas são centrais para a promoção da transparência. Como mostram avaliações recentes, um dos grandes problemas de Moçambique prende-se com a precariedade do seu quadro legal específico anti-corrupção.

As lacunas da legislação nacional perante a Convenção das Nações Unidas



Declaração de bens
Sim (fraco)

Códigos de conduta
Sim (fraco)

Acesso a informação

Conflito de interesses
Sim (fraco)

Protecção de


Sim (fraco)


Protecção de




Tráfico de influências
Sim (fraco)

Enriquecimento ilícito

Desvio de fundos

Obstrução a justiça

R Restrição do segredo bancário

Sim (fraco)

Mais aberto

Corrupção no sector privado



FONTE: Tabela Elaborada pelo Centro de Integridade Pública.

O O Centro de Integridade Pública espera que a breve trecho haja em Moçambique uma revisão da legislação anti-corrupção de modo a que este processo eleve a qualidade da nossa legislação aos padrões de referência regionais (Protocolo Anti-Corrupção da SADC), continentais (Convenção da União Africana, aliás aprovada em 2003 na cimeira de Maputo, mas também sem implementação plausível) e globais (como no caso da CAC-ONU).

Aliás, estas três convenções fazem parte do quadro de referência do questionário do Mecanismo Africano de Revisão de Pares (MARP) e, por isso, a sua implementação é urgente no sentido em que ela demonstrará que a ratificação de convenções internacionais por parte de Moçambique não é apenas mero ritual diplomático.

Canal de Opinião: por Noé Nhantumbo

A transparência não é um cosmético da democracia…

ou quando importa contrariar tabus...

Beira (Canal de Moçambique) - A chamada transparência em democracia não é um ingrediente inactivo, algo de que se fala só porque está na moda. Na verdade até é a sua alma.
Aproximar governantes de governados, trazer os assuntos públicos para o escrutínio dos cidadãos é uma necessidade de qualquer processo político que se pretenda democrático. Não pode ser tomado como uma superficialidade ou postura sem valor real ou sendo mais um estilo que se adopta como uma moda que vai e vem.
Tudo isso se situa na esteira da democracia em si. Sem aproximação, os governantes tornam-se astros distantes e intangíveis. Sua responsabilização vira assunto tabu e sua arrogância cresce.
Desenvolver o país tem de ser visto na sua globalidade que lhe é intrínseca. Não se pode enveredar pelo desenvolvimento considerando unicamente partes de um todo. Não há fórmula mágica ou matemática que se aplicada resulta no pretendido. Os retrocessos, a falta de êxitos tem muito a ver com a natureza das abordagens efectuadas. Clarificar agendas, eliminar o secretismo no processo de tomada de decisões, governar com as cartas abertas na mesa, promover de maneira activa a presunção de que existem cidadãos especiais e outros comuns jamais concretizará a chamada e necessária Acountability que são aspectos ou componentes da democracia. São estes preceitos que devem guiar a acção política e governativa. É preciso e é urgente ultrapassar a fase de apêndices de interesses dos parceiros internacionais.
Da maneira como o jogo está sendo disputado, estamos em presença de parcerias nominais. Os termos de troca não só são injustos como insustentáveis. Jamais estaremos integrados com sucesso quando os ditos parceiros tomam o que é nosso por uma bagatela e vendem-nos qualquer coisa sempre ao preço de ouro.
A troco de uma aceitação e eventual apoio financeiro internacional entregamos de bandeja empresas nacionais públicas como a das bebidas, que até eram viáveis, a interesses privados sul-africanos e em troca não recebemos nada, senão a entrada de alguns moçambicanos como accionistas – e à boleia, diga-se…. É em situações como essa que a transparência faz falta e que a intervenção dos representantes dos cidadãos, os parlamentares, é requerida. Não é de caridade que precisamos.
Queremos dos nossos governantes frontalidade, responsabilidade que os faça deixarem de ser joguetes em cimeiras que não mudam nada. Queremos dignidade em quem nos governa para assim podermos afirmarmo-nos e sermos respeitados entre as nações.
De tanto pedir até já nos é imposto como devemos proceder.
Emprestam-nos dinheiro a termos desfavoráveis e ainda ditam como ele deve ser utilizado. E quem aceita isso ainda tem o descaramento de se vir colocar na montra política para os vermos como libertadores e nacionalistas !?!... Só por piada qualquer moçambicano que se preze não se ri perante tanto atravimento!…
A tentativa de fazer crer que os assuntos da governação são demasiado complexos e que não podem andar na boca do povo é uma falácia usada para distanciar os cidadãos de assuntos que lhe são relativos, isto é, que lhe dizem respeito. Não se pode pretender que estamos em democracia quando quem governa não se põe à disposição dos cidadãos para que estes julguem como estão sendo geridos os assuntos nacionais que foram colocados temporariamente a seu cargo.
Continuar a querer dar primazia e acesso ilimitado aos recursos públicos a um grupo de pessoas associadas a luta armada de libertação nacional não é correcto e constitui uma afronta grave a democracia. Os libertadores não podem reivindicar o direito de oprimir os outros depois de bem sucedidos.
A incapacidade que os partidos políticos manifestam de assumir o seu papel de guias da acção governativa, criticando quando necessário deixa o executivo completamente livre de proceder dentro e fora do seu mandato. No nosso caso, em que o presidente da República é também residente do Partido no poder as coisas tornam-se ainda mais complicadas. Ninguém quer ser visto criticando ou contrariando a Excelência. Pode ser perigoso para o tacho. Só que assim quem fica condenado a miséria é a maioria dos moçambicanos. E é por estas e por outras que certas barrigas crescem e depois acontecem coisas como estão a suceder no Quénia.
Importa vincar estes aspectos se queremos caminhar para a frente seguindo os preceitos próprios de uma democracia.
É necessário que o Presidente se coloque numa posição de equidistância e promova sua acção no sentido de ser líder de todos os moçambicanos quaisquer que sejam as suas sensibilidades políticas.
Só há um caminho a seguir que é o da eliminação dos tabus da cena politica moçambicana. A democracia neste pais não se pode construir havendo zonas proibidas e cidadãos de primeira classe e outros de segunda, de terceira e os quase cidadãos. O que o governo faz não pode continuar a ser segredo ou do que faz revelado unicamente a palha e não o miolo.
A transparência nos assuntos de natureza e domínio publico não é um favor que se pede mas uma exigência do processo de desenvolvimento democrático. Os moçambicanos devem urgentemente começar a entender que se alguns abusam é porque nós deixamos. É hora de acabar com isto! Não é apenas hora de mudar isto. É hora de exigirmos mudanças sem vacilação pois de contrário continuaremos a chorar sempre sobre leite derramado.

2008-01-08 06:07:00

Acidente que vitimou Samora em Mbuzini

União Soviética impôs condições para assinatura de Relatório Factual

Joanesburgo (Canal de Moçambique) - A delegação soviética junto da comissão de inquérito que investigou o acidente de Mbuzini impôs uma série de condições antes de assinar o relatório factual elaborado por peritos da África do Sul, Moçambique e da própria União Soviética e que continha todos os dados sobre o fatídico voo do Tupolev-134 em que perdeu a vida o Presidente Samora Machel. A revelação vem contida num manuscrito intitulado “Investigating C9-CAA” da autoria de Des Lynch, um antigo oficial da Força Aérea Sul-Africana e que integrou a referida comissão de inquérito.
Lê-se no manuscrito de Des Lynch, a que o «Canal de Moçambique» teve acesso, que a União Soviética objectou contra a menção feita no relatório preliminar de que o Tupolev presidencial havia aterrado no aeroporto de Mbala com excesso de peso. Isto resultara do reabastecimento da aeronave no decurso de uma escala técnica efectuada em Lusaka, menos de duas horas após o avião presidencial ter descolado de Maputo. Concretamente, o peso do Tupolev presidencial ao aterrar em Mbala, excedia o peso permitido para uma aterragem em segurança na pista daquela Base Aérea zambiana.
Diz o autor do manuscrito que a delegação soviética, apoiada pela parte moçambicana, pretendeu inserir no relatório afirmações descabidas que não correspondiam no mínimo à realidade, como por exemplo a de que “os membros da tripulação cumpriram de forma apropriada as suas funções normais”. Na realidade, salienta Lynch, a gravação da cabine de comando extraída do CVR demonstra que “a tripulação não havia observado muitos dos procedimentos normais recomendados para a operação em segurança da aeronave.”
A delegação soviética, referindo-se ao regresso à capital moçambicana, tencionava ainda inserir no relatório factual a afirmação de que “a tripulação continuara com a descida pois estava certa de que a aeronave se encontrava próximo do aeroporto de Maputo, o qual possui uma altitude mínima de segurança não inferior a 1.700 pés.” Des Lynch refere que a pretensão soviética constitua uma mera conjectura dado que o piloto do Tupolev presidencial havia recebido instruções da Torre de Controlo “para se manter a 3.000 pés de altitude até avistar as luzes da pista.” E acrescenta o autor: “O piloto não tinha o direito de descer abaixo dos 3.000 pés sem dispor de qualquer tipo de referência, quer visual quer por meio de instrumentos.”
De acordo com o autor de “Investigating C9-CAA”, a parte sul-africana sentiu-se na obrigação de aceder a determinadas exigências feitas tanto pela União Soviética como por Moçambique, retirando algumas delas ou ainda revendo o texto preliminar, pois receava que os dois países acabariam por não assinar o relatório factual. Os pontos omitidos do relatório factual poderiam depois ser levantados durante a acareação das partes soviética e moçambicana no Tribunal de Joanesburgo. A parte sul-africana veria gorada esta tentativa pois tanto a União Soviética como Moçambique, apercebendo-se da situação incómoda em que se colocariam no tribunal, recusar-se-iam a comparecer perante esta instância jurídica. A União Soviética impediria ainda que o mecânico de bordo, Vladimir Novoselov, depusesse não apenas perante a comissão de inquérito sul-africana mas também perante a sua congénere moçambicana.
A questão do chamado VOR falso, que até hoje tem sido utilizada por certos círculos moçambicanos para explicar o acidente de Mbuzini, é esmiuçada no manuscrito a que temos vindo a fazer referência. O autor aponta Agapito Colaço como a entidade moçambicana apostada em dar credibilidade à teoria do VOR falso, tal como defendida pela União Soviética. Ex-controlador de tráfego aéreo e que após a independência de Moçambique assumiu o cargo de director da Escola Nacional de Aeronáutica, Colaço é referido no livro como tendo fundamentado a tese do VOR falso em declarações prestadas por elementos das Forcas Armadas de Moçambique-FPLM integrando um posto de observação junto à fronteira da África do Sul. O testemunho desses elementos, diz Des Lynch, “provou ser superficial e contraditório”, acrescentando: “Foi surpreendente que o Sr. Colaço pudesse ter dado tanto ênfase ao testemunho de transeuntes casuais, optando por ignorar as provas contidas no CVR, o que constituía uma gravação factual dos acontecimentos que na realidade haviam tido lugar!”


Processo-crime Especial 12/2007 contra actual PGR

Augusto Paulino ainda é arguido

Despacho de abstenção sem valor jurídico, - Dr. Erasmo Nhavotso, Procurador-Geral da República Adjunto

Maputo (Canal de Moçambique) - O Procurador Geral Adjunto (PGA) da República e representante do Ministério Público junto do Tribunal Supremo, Dr. Erasmo Nhavotso, confirmou ter produzido o “despacho de abstenção” que teria ilibado o actual Procurador-Geral da República, Dr. Augusto Raul Paulino, no Processo-crime Especial 12/2007 em que foi constituído “arguido”, mas explicou que tal despacho de abstenção ainda não tem valor jurídico.
O Procurador Geral Adjunto Erasmo Nhavotso falava ontem, em Maputo, à reportagem do «Canal de Moçambique» e do «Semanário ZAMBEZE», à margem da tomada de posse de novos magistrados do Ministério Público.
No Processo-crime Especial 12/2007, é juiz do caso o Dr. João Trindade, conselheiro do Tribunal Supremo.
“Por enquanto, nada posso declarar sobre o despacho de pronúncia, uma vez que o Tribunal Supremo ainda não se pronunciou sobre a matéria”, explicou Nhavotso para, em seguida, acrescentar que o seu despacho de abstenção ainda não tem valor jurídico.
Erasmo Nhavotso declinou fazer outras declarações a respeito da fundamentação que ele terá aplicado para abster-se de acusar o seu superior hierárquico, neste caso vertente o Procurador-geral da República, Dr. Augusto Raul Paulino constituído “arguido” nos autos do Processo-crime Especial 12/2007.
Augusto Paulino tem como seu advogado de defesa no caso, o Dr. Albano Silva, marido da Primeira-Ministra Luísa Diogo.
O Dr. Albano Silva também é advogado do Juiz-Presidente do Tribunal Supremo e Presidente do Conselho Superior da Magistratura Judicial em outros processos em curso.
O próprio advogado do “arguido” Augusto Paulino é arguido num Processo 9/UAC/2004, iniciado em Janeiro de 2004 pela ex-director da extinta Unidade Anti-Corrupção, mais tarde designada por Gabinete Central de Combate à Corrupção.
O então juiz de Direito de 2.ª Classe Dr. Augusto Raul Paulino foi constituído “arguido” no Processo-crime Especial 12/2007 quando o mesmo se encontrava a cargo da Dra. Isabel Rupia, Procuradora Geral Adjunto da República.
O “arguido” Augusto Paulino foi empossado pelo Presidente da República Armando Guebuza, a 30 de Agosto de 2007.
A 12 de Setembro de 2007 a Dra. Isabel Rupia e outras cinco Procuradores Gerais Adjuntos da República (PGRA) foram exonerados das suas funções na PGR. O único PGAR que não foi exonerado pelo Chefe de Estado moçambicano foi o Dr. Erasmo Nhavotso.
A denúncia contra Augusto Paulino partiu de uma funcionário de Administração e Finanças do Tribunal Judicial da Província de Maputo, na Matola, quando tanto Adelaide Muchanga estavam colocados naquele tribunal. Paulino era então o juiz-presidente do TJPM.
Adelaide Muchanga acusa Augusto Paulino de ter usado em proveito próprio para compra de uma casa, “300 milhões de Meticais”, em novos meticais 300 mil meticais e ao câmbio actual cerca de 12.500,00 USD.
O Presidente da República terá solicitado por ofício ao Conselho Superior da Magistratura Judicial autorização para nomear o então juiz presidente do Tribunal Judicial da Cidade de Maputo, Dr. Augusto Raul Paulino para funções nos órgãos centrais do Estado. Isso consta da Deliberação 1004/CSMJ/CP/2007, de 23 de Agosto.
A 8 de Agosto de 2007 o então juiz Paulino foi ouvido em auto de perguntas nos autos do Processo-crime Especial 12/2007, mas o CSMJ não informou do facto o Chefe de Estado.
Moçambique está hoje na situação no mínimo caricata de ter como Procurador-Geral da República um “arguido” em processo crime ainda não transitado em julgado.
A Agência de Informação de Moçambique (AIM), pela pena de Paul Fauvet, fez circular no dia 17 de Janeiro corrente, no site da publicação electrónica «AllAfrica», que o Dr. Erasmo Nhavotso produzira um despacho de abstenção que ilibara o Dr. Augusto Raul Paulino e o libertara da condição de arguido no Processo-crime Especial 12/2007.
A AIM é uma agência de informação com carácter noticioso na dependência do Gabinete de Informação (GABINFO), este um departamento subordinado do Gabinete do Primeiro-Ministro. A Primeira-ministra, Luísa Diogo, é esposa do causídico Albano Silva constituído advogado do Dr. Augusto Paulino, Procurador Geral da República e “arguido” no Processo-crime Especial 12/2007.
Com as declarações de Erasmo Nhavotso ontem ao «Canal de Moçambique» e ao «Semanário ZAMBEZE», o único PGRA que não foi exonerado após Augusto Paulino ter tomado posse como Procurador Geral da República deixou claro que o seu superior hierárquico e quem o nomeou para os autos a correr no Tribunal Supremo contra o Dr. Augusto Paulino, foi o seu próprio chefe.
Este caso inédito está a movimentar a opinião pública moçambicana e a envergonhar o sistema de Justiça em Moçambique.

(Alvarito de Carvalho)

Eleições no horizonte

Mudanças na direcção da Renamo

Maputo (Canal de Moçambique) - A maior força política da Oposição moçambicana efectuou recentemente mudanças visíveis na sua direcção nacional com a nomeação de novos quadros para assumirem postos de chefia na hierarquia do partido presidido por Afonso Dlhakama.
A mudança mais visível na direcção do partido da "perdiz" foi a substituição de Fernando Mazanga do cargo responsável nacional do Departamento de Informação, até então o rosto mais habitual da Renamo na comunicação social, que passa a ser ocupado por Rahil Khan.
Não menos visível foi a substituição do deputado Artur Vilanculos do cargo de responsável nacional do Departamento de Relações Exteriores. O referido cargo passa a ser ocupado pela nova «coqueluche» do partido Renamo, a jovem Ivone Soares que é também porta-voz do Gabinete Central de Eleições do mesmo agrupamento político.
De volta a cargos de chefia na direcção da Renamo está o antigo secretário-geral e deputado João Alexandre que vai agora chefiar o Departamento de Organização do seu partido.
Para chefiar o Departamento de Assuntos Sociais e de Desmobilizados foi indicado o coronel José Manuel.
Por seu turno, Armindo Milaco mantém-se responsável nacional para a área de Mobilização.
Os novos quadros deverão trabalhar subordinados ao secretário-geral, Ossufo Momade.
Uma fonte da Renamo, confidenciou ao «Canal de Moçambique» e ao Semanário ZAMBEZE que os quadros nomeados para cargos de chefia na direcção da Renamo ainda não tomaram posse, contudo, disse a fonte que "a cerimónia de tomada de posse deverá acontecer brevemente".
O presidente da Renamo Afonso Dhlakama encontra-se de visita ao Centro do País.

(Celso Manguana)

Estudantes do ISRI preocupados

* Na origem das preocupações está a mudança compulsiva das instalações e a subida brusca das propinas.

Maputo (Canal de Moçambique) – Numa altura em que decorrem inscrições para os cursos de licenciatura no Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI) os estudantes daquela instituição foram colhidos de surpresa com informações postas a circular nos corredores, dando conta de que, para o presente ano, as aulas vão decorrer nas novas instalações localizadas no bairro do Zimpeto, arredores da cidade de Maputo.
Trata-se de uma decisão que preocupa sobremaneira os estudantes do «ISRI» que a toda velocidade contactaram o «Canal de Moçambique» para manifestarem a sua apreensão.
Segundo apuramos deles, o imbróglio não reside na mudança para as novas instalações, mesmo porque, as condições na nova casa são sempre melhores do que a abandonada. Os nossos interlocutores referem que a preocupação central está na demora que se verificou na comunicação de tal decisão.
"Deviam ter-nos dito isso no fim do ano, mas não; só agora é que ficamos a saber que para este ano os nossos caminhos vão dar ao Zimpeto", disse um dos estudantes.
Os chamados "caloiros" também não ficaram alheios às informações postas a circular.

"Confirma-se, vão para Zimpeto"

Com vista a apurar a veracidade das informações que deixam os estudantes apreensivos, dirigimo-nos ao «ISRI». Não tendo sido possível ouvir o próprio Reitor deslocamo-nos à secretaria da Divisão Académica, local onde decorrem as matrículas, e onde ficamos a saber através dos funcionários afectos àqueles serviços que efectivamente, todos caminhos do ISRI vão passar a dar no Zimpeto. Em princípio todos os anos e todos os cursos vão para aquele bairro.
Outra preocupação apresentada pelos estudantes do ISRI é a subida brusca das propinas e taxa de matrícula cobradas naquela instituição de ensino superior, que passaram de 100,00 meticais, valor que vinha sendo cobrado até ao ano passado, para inscrição a uma cadeira anual, para 210,00 meticais a partir deste ano. Um aumento para mais do dobro.
O Instituto Superior de Relações Internacionais começou a leccionar em1986, com a missão de formar Diplomatas e peritos em Relações Internacionais. De lá a esta parte, aquela instituição já conseguiu formar centenas de estudantes e a partir de 2003 passou a leccionar também o curso de Administração Pública.

(Borges Nhamirre e Jorge Matavel).

Canal opinião : por Noé Nhantumbo, As nuances da globalização ou neocolonialismo entre nós

Onde está o capitalismo moçambicano?

Beira (Canal de Moçambique) - Se quem produz não somos nós, se as fábricas não nos pertencem, se os meios de produção são dos outros e as finanças também, de que capitalismo falamos realmente em Moçambique?
Pode-se procurar teorizar mas no fim, decerto que teremos que nos render à evidência dos factos: de capitalismo não temos praticamente nada. Há capitalistas em Moçambique mas não são os moçambicanos. Serão apenas alguns!?...
Somos mais uma placa geográfica usada pelos capitalistas para produzir e extrair com vantagens o que lhes interessa.
O sistema vigente oficialmente chamado de economia de mercado, portanto capitalismo, é na essência um neocolonialismo económico às vezes até com cariz de político-económico. Se tivermos que ler conforme o que se passa no terreno e o posicionamento do governo moçambicano na arena internacional, não será difícil concluir que mesmo politicamente o alinhamento que ele tem é conforme a decisão de outras entidades e que habitualmente opta pelo silêncio. Quando a fraqueza é de tal modo que condiciona todo e qualquer posicionamento de um governo estamos em presença de uma dependência que não deixa agir com a independência necessária para precaver os interesses nacionais. Esta é a realidade nua e crua embora possa ser doloroso admitir.
Os modelos económicos movem-se e regem-se por leis próprias. Na sua dinâmica não entram em linha de conta sentimentalismos e caridade. Falar de globalização numa situação em que somos meros consumidores do que os outros fazem não faz muito sentido. Falar de integração que é parte da mesma coisa é portanto uma falácia política para consumo internacional. A economia é algo que sustém os países e quem não produz corre o risco de desaparecer do mapa. As pretensões de integração a maneira como estão decididos a avançar algumas pessoas vai ser tão lesiva como as receitas impostas pelo Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional há alguns anos atrás. Seria de esperar que as lições do passado servissem para alguma coisa mas parece que este não é o caso. Porque Angola se nega a avançar para a integração ao nível da SADC? Alguém do nosso governo já se preocupou em analisar isso? A mera imitação do que os outros decidem segundo os seus interesses concretos não pode servir de critério para aceitarmos seguir o mesmo caminho. Isso não é política nem governação. Estou convencido de que a África do Sul logo que concluir que não lhe interessa esta integração sairá dela.
É muito difícil compreender como é que pretendem integração económica quando os mecanismos de circulação e permanência de pessoas nos diferentes países não estão completos e quando semanalmente há deportação de cidadãos ilegais em algum país da SADC.
Não se pode brincar aos sistemas económicos. Um país é aquilo que produz e se nós não produzimos perdemos peso e o nosso poder negocial diminui até desaparecer. Beneficiar da globalização passa por fazer alguma coisa do interesse dos outros. A facilitação da operação das multinacionais em nosso país não é mais do que a confirmação da realidade neocolonialista. Quando se monta uma indústria como a MOZAL que os outros não quiseram, quando até o fornecimento de energia eléctrica que afinal é moçambicana passa por arranjos que diminuem a margem de lucro nacional só se pode estranhar. Que capitalismo é este? Poderíamos aceitar montar a MOZAL mas porque se tem de aceitar que a energia tenha que ser comercializada pelos sul-africanos em consórcio connosco? Não seria possível ter a mesma MOZAL em Moçambique e com energia totalmente comercializada pela EDM mesmo que se tivesse que implantá-la noutro local? O capitalismo faz-se de mais valias e se nem em situações como esta não conseguimos explorar as vantagens, que esperar? A facilidade com que os negociadores governamentais cedem às imposições dos parceiros deixa muito poucas esperanças quanto à nossa capacidade de proteger o interesse nacional e fazer progredir a economia local. O empowerment que existe, o de que se fala e o que seria de desejar, são bastante diferentes. Sem capacidade genuinamente nacional de produzir pelo menos alguma coisa, sem apropriação de tecnologias que levem a diminuição progressiva da dependência tecnológica; sem o aparecimento de moçambicanos na esfera produtiva, agrária e industrial, sem o surgimento de uma banca que incorpore cada vez mais as poupanças locais e que trabalhe no sentido de retenção dos lucros neste país, continuaremos perdidos na ilusão teórica de capitalismos que não temos e de integração ilusória numa economia regional onde não passamos de peões e consumidores.

(Noé Nhantumbo)

2008-01-17 06:16:00

Pla Segunda Vez Em Menos de 10 dias: Banco Central Americano Corta Taxas de Juro!

By JEANNINE AVERSA, AP Economics Writer
2 hours, 44 minutes ago

WASHINGTON - The Federal Reserve delivered powerful new relief to people and businesses squeezed by the ailing economy Wednesday, cutting interest rates ever deeper in an effort to avert or at least soften the blow of a recession.


The bold, half-point reduction approved by Fed Chairman Ben Bernanke and all but one of his colleagues came as President Bush and Congress raced to enact a separate rescue package — including tax rebates for individuals and tax breaks for companies — to help energize an economy in danger of stalling.

Heartened by the Fed's newfound aggressiveness, Wall Street rallied but then pulled back, still wary. The Dow Jones industrials jumped more than 200 points after the announcement but ended up down 37.47.

Commercial banks followed the Fed action by lowering their prime lending rate by the same half percentage point — to 6 percent, the lowest in nearly three years. That prime rate applies to certain credit cards, home equity lines of credit and other loans.

Hours before the Fed's action, the government reported that the nation's economic growth had stumbled to a virtual halt. The economy grew at just a 0.6 percent pace from October through December, and for all of 2007 it logged its weakest performance in five years.

The collapse of the housing market, sour mortgage investments and much harder-to-get credit are weighing on people and businesses alike. Foreclosures have hit record highs, and banks have racked up multibillion-dollar losses. The fallout has shaken Wall Street, catapulted the economy to Topic A among worried families and galvanized political figures, including those vying to be the next president.

"The economy is hanging by a thread," said Stuart Hoffman, chief economist at PNC Financial Services Group.

While Wednesday's interest rate cut was welcome, the Fed's blunt new assessment of the economy was sobering for everyone from business owners to people worried about debts to anyone without a job — or fearful of losing one.

"Credit has tightened further for some businesses and households," the Fed said. "Moreover, recent information indicates a deepening of the housing contraction as well as some softening in labor markets."

In its 9-1 decision, the Federal Reserve dropped its key rate to 3 percent at the end of a two-day meeting. Richard Fisher, president of the Federal Reserve Bank of Dallas was the sole dissenter. He preferred no change.

It was the second Fed rate cut in just over a week, and the policymakers signaled they were prepared to keep going lower if needed.

There had been a rare, three-quarter point reduction last Tuesday. Bernanke had convened an emergency session after stocks worldwide plummeted, intensifying recession fears. The cuts have helped to restore some confidence among skittish investors, but financial markets remain fragile.

In the gravest challenge to his leadership since becoming Fed chief nearly two years ago, Bernanke must help stem the fallout from both the housing bust and a credit crunch. Wall Street critics and others have taken Bernanke to task for waiting until September of last year to embark on a rate-cutting campaign, accusing the Fed chief of being behind the curve in dealing with the economy's problems.

Bernanke also must be mindful of not letting inflation get out of hand — a delicate and tricky maneuver. Oil prices have receded from $100 a barrel but still remain high. The Fed said it expects inflation to ease in coming quarters but added that it is imperative to monitor developments carefully.

Still, more rate cuts are expected at the Fed's next scheduled meeting in March and beyond. Some economists predict the key rate could drop as low as 2 percent this year, which would be the lowest in four years.

"The Fed needs to throw out a life raft to the economy pending the fiscal stimulus measures," said Brian Bethune, economist at Global Insight.

Even further action might not avert a recession but rather limit the damage. The interest rate cuts will take months to affect the economy, as will any stimulus package approved by the government. Neither effort will quickly cure the root cause of the economy's troubles: a severely depressed housing market and bad mortgage investments.

The economy may actually be declining now. Under one rough rule, it would have to contract for six months in a row for the country to be considered in a recession. The likelihood of a recession has risen sharply over the past year, and analysts increasingly believe the U.S. will be in one during the first half of 2008. The worry is that people and businesses — which turned more cautious at the end of the year — will hunker down, sending the economy into a tailspin.

Bernanke is not expected to cut rates as deeply as did his predecessor, Alan Greenspan, when Greenspan took on the 2001 recession, the economic fallout of the Sept. 11 attacks, a series of accounting scandals that rocked Wall Street and the uncertainty that gripped the country leading up to the U.S.-led invasion of Iraq in March 2003.

By the summer of 2003, Greenspan had slashed rates to 1 percent, a 45-year low. He held rates there for a year before the Fed began pushing them back up.

Critics contend those low rates helped feed a housing frenzy, in which home values zoomed and investors gobbled up risky loans, known as subprime mortgages, to borrowers with poor credit histories. When the housing market collapsed, the greatest damage was in subprime loans. Banks and other financial institutions have taken big hits on these soured mortgage