Friday, 31 October 2008

Obama mania!

Obama e McCain no barbeiro...



De algum jeito, John McCain e Barack Obama foram parar na mesma barbearia.
Lá sentados, com um barbeiro atendendo a cada candidato, não se falou palavra. Os barbeiros temiam iniciar qualquer conversa pois poderia descambar para discussão política.
Terminaram a barba de seus clientes mais ou menos ao mesmo tempo.

O barbeiro que tinha McCain em sua cadeira estendeu o braço para pegar a loção pós-barba, no que foi interrompido rapidamente por seu cliente.
- Não obrigado, minha esposa Cindy vai sentir o cheiro e pensar que eu estava num prostíbulo - disse McCain.
O segundo barbeiro virou-se para Obama.
- E o senhor? - indagou.
E Obama respondeu:
- Vá, aplique a locao. Minha esposa Michelle não sabe como é o cheiro dentro de um prostíbulo .

George Osborne: Recovery through fiscal responsibility



On the wall of my office in Westminster is a set of cartoons from the 1970s depicting the economic calamities of the time.

One shows Denis Healey sitting at a desk with his in-tray piling up with problems – home economy, unemployment, inflation, world trade recession.

Another shows him raiding a child’s empty piggy bank.

A third shows the manifesto promises of the Labour Government of the time overwhelmed by an economic avalanche.

Visitors to my office used to look at these cartoons and remark how the world had changed.

I now look at them and think how much is now the same.

Simple Keynesian economics and the active demand management that it recommended were comprehensively discredited in the stagflation of the 1970s.

Repeated attempts to prevent unemployment rising by by pumping demand into the system through public spending only succeeded in raising inflation and undermining the credibility of the public finances.

These attempts at Keynesian demand management culminated in 1976 with the humiliation of an IMF bail out – the last time that the IMF had to come to the assistance of a major economy. So far.

Today I want to set out the choice that is now becoming clear over how to deal with this recession.

Why we disagree with the Keynesian approach that Gordon Brown is taking.

And why we believe that our positive alternative, based on fiscal responsibility, is not only the best way to deal with the recession, but is the best way to prepare for prosperity and a new, better economy in the years ahead.

We left the old Keynesian world behind when we adopted a fundamentally different approach.

This approach learned from the failures of big state solutions.

But the approach that learned from the economic disasters brought about by Keynesian demand management was not laissez faire.

The new approach recognised the vital role that the state must play in managing the economy and actively helping families and businesses through difficult times.

In macroeconomic policy, this approach was best encapsulated by Nigel Lawson’s Mais lecture of 1984.

He said that it was the job of monetary policy not fiscal policy to manage demand.

And while monetary policy is still free to act in order to stimulate demand, the priority of fiscal policy should be stable public finances and long term sustainability – fiscal responsibility.

That Conservative approach of monetary flexibility and fiscal responsibility became the consensus in developed economies around the world and remains the consensus two decades later.

As Terry Burns, Gordon Brown’s first Permanent Secretary, put it earlier this week, “I think that monetary policy ought to be used as the main weapon.”

Of course, it would be irresponsible to assume that the future will always be like the past.

For a start we enter this recession with record government borrowing and the highest personal debt any major economy has ever had.


We don’t know how that and the credit crunch will affect the traditional transmission mechanism that turns lower interest rates into higher demand.

So if we reach the point at which interest rates can go no lower, or if it becomes apparent that the monetary policy lever is not working as it should, then we would be in dangerous and uncharted territory for the UK economy in modern times.

But with interest rates still at 4.5% in the UK, we are a long way from that point.

But while monetary policy should play the active role in stimulating demand, fiscal policy does not simply stand still.

Government borrowing rises automatically in a recession, as tax revenues fall and spending on unemployment benefits rises.

This is what is meant by the term “the automatic stabilisers.”

That is not a virtue, it is a necessity.

So these “automatic stabilisers” should be allowed to function.

That is what is starting to happen now. But we shouldn’t be fooled. This increase in borrowing is the inevitable consequence of recession not a strategy to fight it.

It is an overdraft, not a plan.

The fact remains that you should let monetary policy do the heavy lifting in stimulating demand.

This economic consensus was endorsed by Gordon Brown in his 1999 Mais lecture.

Indeed he sought repeatedly throughout the 1990s to demonstrate his adherence to this approach, in order to persuade people that Labour had changed and would not repeat the mistakes of the 1970s.

Gordon Brown told the Labour Party conference in 1997 that “we have learned from past mistakes… you cannot spend your way out of recession.”

The year before that he said that “Losing control of public spending doesn't help the poor. It's those who depend on public services who suffer if spending has to be reined back.”

And a Treasury document he published in 1999 concluded that “Loosening fiscal policy when the underlying structural fiscal position was poor could damage consumer and business confidence, thus having the opposite effect to that intended.”

Labour’s abandonment of Keynesian demand management and adoption of Conservative fiscal responsibility was the centrepiece of the image of the ‘prudent’ Chancellor that Gordon Brown initially tried to portray.

But, as we all now know, it was always more image than reality.


Gordon Brown started to abandon the practice of prudence almost as soon as he had delivered the Mais lecture in which he most extensively set it out.

Instead of using monetary policy to manage demand, an unsustainable debt-fuelled bubble was allowed to develop.

And instead of fiscal responsibility, reckless government borrowing meant that fiscal policy proved totally unsustainable as soon as the bubble burst.

This was contrary to the tenets of even Keynesiansim, never mind the new consensus around Conservative fiscal responsibility – because Keynes did not just argue that governments should borrow in the bad times – he also argued that they should put money aside in the good times.

But as the Institute for Fiscal Studies put it, “Mr Brown did not leave his successor as Chancellor with the fiscal room to cope with even a modest economic slowdown, let alone the problems we currently face.”

That is a technical way of saying that he didn’t fix the roof when the sun was shining.

The facts show that our economy is in significantly worse shape to cope with this recession than it was before the last one.

In the last full fiscal year before the recession of the early 1990s, Britain had a small budget surplus of 0.2% of GDP.

In the last full fiscal year before this recession we had a deficit of 2.6% of GDP.

That’s a difference of £39 billion in today’s money - in the wrong direction.

But if Gordon Brown’s practice of prudence was already long dead, what’s striking is that in the last four weeks he has abandoned the rhetoric of prudence as well.

In the process he has explicitly abandoned the modern mainstream consensus on fiscal responsibility and returned to the failed and discredited approach of the 1970s.

He has surrendered the intellectual ground of responsible economic management in favour of good old-fashioned Keynesian demand management.

So he has abolished the fiscal rules.

But he has not replaced them with anything.

He has encouraged speculation about Keynesian spending splurges.

But he has not set out any kind of plan.

In fact if you listen to the Government’s pronouncements it’s not very clear what their position actually is.

Just consider the headlines:

“Darling: We must spend spend spend our way out of crisis”

“Darling to reassure on borrowing”

“Darling: tax may rise in the downturn”

“Darling hints at tax cuts to help poorer families”

But let’s take Alistair Darling and Gordon Brown at their word. Let’s assume they really mean it when they say they’re abandoning any pretence of fiscal responsibility, returning to 1970s Keynesian demand management, and are going to try to spend their way out of a recession.

That means that there is a choice emerging between the political parties about how to tackle that recession.

First there is the choice of spending without restraint and borrowing without limit – the choice Gordon Brown seems to be making.

It is a weak and irresponsible choice.

Weak because his talk of a spending splurge is only designed to give the impression of activity and action.

Irresponsible because it is the road to economic ruin.

For it makes it more difficult for the Bank of England to achieve a sustained reduction in interest rates.

It saddles this generation and the next with a burden of debt that could take a decade or more to pay off.

It means you end up spending more on paying debt interest than defending your country or educating your children.

It means damaging tax rises in the future at the very moment when you want to be reducing taxes to help the recovery.

It may even involve another 10p style tax con where he tries to fool people again, but under Gordon Brown everyone knows we will have higher taxes for many many years to come.


Even a modest dose of Keynesian spending – say increasing it by an additional 1% of GDP - means that in the end taxes will have to rise by the equivalent of almost 4p on income tax.

That’s not just a tax bombshell, it’s a cruise missile aimed at the heart of a recovery.


And in extremis, it can mean you lose the confidence of the international markets.

Gordon Brown doesn’t understand that there are limits to borrowing, even after he’s abandoned his fiscal rules.

They are not his limits.

Today everyone assumes the only question is ‘how much more does the British government want to borrow from the markets?’

Talk to former Chancellors and they will tell you that at some point the question becomes ‘how much more are the markets prepared to lend?’

That’s why there are limits to borrowing – not political limits, but actual limits.

Limits to what can be lent and limits to what a country can carry into recovery.

Amazingly there are signs that some parts of the political world need to learn these lessons all over again.

As Michael Saunders of Citi Group, one of the few leading economists who foresaw the current crisis, put it last week:

“The speed with which the political debate already is turning to fiscal loosening raises risks that the overall fiscal loosening in the recession and pre-election period will be so big that the fiscal deficit itself will become a destabilising factor for the economy in coming years.”

In other words, that Gordon Brown’s desire to spend his way out of the recession will not only make the recession worse, it will undermine the recovery too.

This is not some argument about economic theory.

This is about real lives, real jobs, real homes.

The risky consequences of irresponsibility are not merely a theoretical possibility, they are happening all around us.

The citizens of Ukraine, Hungary and Pakistan are now learning what happens when the markets lose confidence in a whole country.

Their sources of external financing that appeared to be reliable have dried up with astonishing speed.

Several countries in Eastern Europe, Asia and Latin America now risk a repeat of the Asian financial crisis of the late 1990s.

At the moment these problems are limited to emerging markets, but given the remarkable events of recent weeks we cannot be certain they will remain so.

The Governor of the Bank of England himself has highlighted Britain’s unusual dependence on external finance.

The coverage of Mervyn King’s speech last week was dominated by his use of the “R” word, but in a sobering passage he noted that “those external inflows have fallen sharply – a mild form of the reversal of capital inflows experienced by a number of emerging market economies in the 1990s.”

That is an extraordinary parallel for the Governor of the Bank of England to have to make.

Even more sobering was the warning that followed: “Unless they are replaced by other forms of external finance, the adjustments in the trade deficit and exchange rate will need to be larger and faster than would otherwise have occurred, implying a larger rise in domestic saving and weaker domestic spending in the short run.”

Rising domestic saving and weak domestic spending are central banker’s code for a severe and lasting recession.

Most of these capital inflows have been used to finance private sector borrowing, but the same dangers now apply to government borrowing.

In the fourteen quarters from the beginning of 2005 to the middle of this year, overseas investors bought three quarters of total net UK gilt issuance.

But the head of one fund has already warned that the Treasury can no longer take it for granted that foreign buyers will turn up at bond auctions: “We are nearing the point where Asian and Middle East investors are going to charge a much higher premium for holding British sovereign debt. Once a government loses credibility, these investment shifts can happen with alarming speed.”

Already the spread on credit default insurance for UK Government debt has widened from almost zero a year ago to 60 basis points today.

That’s 50% higher than for French debt and twice as high as for German debt.

And there’s another vital reason why we must resist spending splurges and irresponsible borrowing.


An IMF survey published earlier this month concluded that “increases in interest rate risk premiums as a result of debt concerns can render fiscal multipliers negative, suggesting that discretionary fiscal stimulus may do more harm than good.”

Put another way, there’s no point pumping more government money in one end of the economy if it delays the lower interest rates that will stimulate private sector activity at the other end.


There’s another reason for fiscal responsibility in a recession.

If you don’t keep control of public finances, you risk saddling your economy with so much debt that it stifles the recovery for many years to come.

That is not a rock of stability. It is more like a ball and chain.

So everyone needs to understand the true weakness of our fiscal position under Labour.

We need to confront Gordon Brown with the reality.

He has got to stop blithely pretending that he can borrow as much as he wants.

He can’t.

Borrowing has limits.

We risk Britain’s international credibility at our peril.

So that is the choice that Labour offers.

Irresponsible borrowing now and higher taxes later.

Threatening the country’s economic recovery in order to try to achieve its own political recovery.

But there is a positive alternative.

The other choice is to stick with fiscal responsibility – that is the responsible road to recovery.


Allow monetary policy to do its job.

Allow the automatic stabilisers to work.

And do nothing that makes the Bank of England’s job more difficult.

And use timely and targeted intervention through the tax system to help families and businesses through difficult times.

By ensuring that we don’t borrow without limits in a recession, we will open the way to lower interest rates now and lower taxes later, in the recovery.

At the root of this entire approach is fiscal responsibility.

Fiscal responsibility is not merely the absence of irresponsibility.

It is a positive virtue that requires hard work and discipline to achieve.


It is what strong governments do and what weak ones cannot achieve.

It is what a Conservative Government will achieve.

That is the economic change we will offer.


How will we achieve it in practice?

Let me set out very clearly what we would do if we were in office tomorrow, with the responsibility of dealing with Labour’s recession and clearing up the mess that Labour have made of our economy.

First, we would establish a credible framework for bringing the public finances under control.

Second, we would use timely and targeted interventions through the tax system to help families and businesses through the recession.

And third, we would start even now to prepare the economy for the recovery.


Let’s take each in turn.

First, the vital importance of a credible fiscal framework.

As Martin Wolf wrote earlier this month: “The UK needs a renewed fiscal framework if fiscal credibility and sterling’s acceptability are to be preserved. Without these, all will be lost.”


After Alistair Darling’s speech earlier this week, Britain doesn’t now have a fiscal framework at all.

He scrapped the fiscal rules but put nothing in their place. He has left a vacuum at the heart of the Government’s economic policy.

In its place, we would put a credible medium term strategy for restoring the public finances to balance.

We set it out last month in our detailed plan for economic reconstruction.

It establishes the target of a balanced current budget and falling debt at the end of the forecast period, policed by a powerful and independent Office for Budget Responsibility that will publish independent fiscal forecasts and hold governments to account.

We are being advised by two exceptionally capable and renowned economists on how to put this framework into practice, Sir Alan Budd and Professor Ken Rogoff.

We believe that this is the only way to restore credibility to the public finances and to minimise the possibility of a disastrous loss of international confidence.

Since Alistair Darling regularly adopts Conservative policy, I hope he steals this policy too – it’s in the national interest that he does.


The second component of our plan to deal with the recession is to help families and businesses through the recession with timely and targeted interventions through the tax system.

This is the duty of government when times are difficult – we should not stand by while families are losing their homes and good businesses are forced under due to short term cash flow problems.

But the help we give should always be responsible.

We should not try to help people in a way that imperils the public finances – because in the end that would harm everybody.

So our plan would help people directly by getting money into their pockets through the tax system.

Despite Labour’s claims, there is no evidence to support the effectiveness of trickle-down spending – the effect on demand of big government spending programmes.


Indeed the evidence from around the world suggests that tackling recession with big spending does not work.

The timing is almost always too late.

Value for money is often very poor.

And public spending can stand in the way of or push aside much-needed private investment.

Japan is the classic example of all three.

Between 1992 and 2002, Japanese government net debt grew by 58 per cent of GDP. Over the same decade, the economy grew by only 9 per cent.

The result was a crippling debt burden and a landscape littered with the evidence of endless white elephant public works programmes.

Big spending and big government is just as wrong in a bust as it is in a boom.

The Government say they will bring forward specific programmes that have already been budgeted for.

But the Government’s record at delivering big capital projects on time and to budget does not exactly give you faith that this is the way to beat the recession.

Not this one, anyway – it will all be too late for that.

To take the example that Labour themselves give to justify their neo-Keynesian approach: a school building programme.

Sounds simple, doesn’t it?

Until you hear that two thirds of Labour’s new school building projects are currently delayed.


And then there's PFI.

£23.3 billion worth of PFI projects are due to be signed over the next five years.

But these projects are now in doubt because the credit crunch means it's next to impossible to raise money in the private market.

I find it astonishing that a Labour government can put its faith in this kind of trickle-down economics.

It is a completely inadequate and unserious response to the tough economic times this country is facing as a result of Gordon Brown’s economic incompetence and mismanagement.

Instead of trickle-down public spending, we would focus on a much more timely and targeted tool: taxation.

We have set out a series of fully-funded and practical policies that would help families and businesses immediately.

These include:

a council tax freeze;

a chance for small and medium sized companies to defer their VAT bills for up to six months, so that they are not driven out of business by cash flow problems;

and a cut in payroll taxes for the smallest companies, to boost employment.

On top of these we would stop the planned tax rises on family cars and small businesses.

On their own, these individual measures won’t stop Labour’s recession.

But taken together they would reduce the human cost of this crisis and speed the recovery – without ruining the public finances in the process.


The third component of our plan to help deal with the recession would be to make sure we prepare for recovery, not just survive the downturn.


Over the past decade, seventy percent of our economic growth has come from just three sectors - housing; financial services and government spending.

We have seen where this dangerously narrow economic base has left us.


More vulnerable to the financial crisis than any other major economy.


And facing a tax black hole as receipts from property transactions and the City dry up.


As Warren Buffett so memorably put it: “You only learn who has been swimming naked when the tide goes out.”

Well the tide has gone out and it isn’t a pretty sight.

But Gordon Brown’s imbalanced economy hasn’t just brought us to where we are today.


Looking forward, it means our prospects for growth are weaker than they should be.


Unlike many other countries in Europe, we can’t turn to a strong manufacturing base to provide export-led growth, because manufacturing has shrunk by more than a million jobs over the past decade.

And we can’t put our faith in the high-tech service sector – like in America – to drive growth, because we haven’t created the right conditions for it to flourish sufficiently over the past decade.

Take a sector like green technology, for example – an emerging global market that is expected to be worth trillions of pounds in the decades ahead.

The UK is clearly failing to fulfil its potential.

According to official government figures, UK firms have less than a five per cent share of the global market for green goods and services – less than France, Germany, Japan and the United States.

But the structural imbalance of the British economy after 11 years of Labour goes beyond the narrow sectors upon which growth has relied.


It applies to the geography of growth too.


Labour’s multi-billion pound regeneration schemes have fundamentally failed to achieve the goal of stimulating regional growth outside the South East.

All this has got to change.

We don’t just want Britain to survive the recession.

We don’t want to go back to Labour’s old economy.

We want to help build a new, better economy.

We need economic change, not more of the same.

.

So we will introduce a simpler and more competitive tax system, cut the headline rate of tax for businesses, and tackle red tape.


But creating a better, balanced, modern enterprise economy is not simply a matter of government getting out of the way.


As I have said many times before, while we must be aware of the limitations of Government, we should never be limited in our aspirations for Government.

So we need a new vision to bring about the skills, energy and transport infrastructure that will enable new jobs and new growth in new industries and new markets.

Here, it’s the Conservative Party that is showing the way forward.


To improve our skills base, we would transform our school system through supply side reform, creating more and better school places in every community.

To help British companies claim a bigger share in the market for green goods and services, we would lead a change to green taxes, introduce the world’s first trading market for green companies and create a system of feed-in tariffs to incentivise the development of microgeneration technologies.

To promote enterprise in every corner of the country, we would implement our detailed plan to open up the £125 billion government procurement budget to small businesses.

And to unleash dynamic regional growth, we would build a high speed rail system that will link cities across Britain and transform regional economies.

Never again must we leave ourselves so dependent on a few narrow sectors and regions for growth.

With our plans – we won’t.

We will create an economy that is truly built to last.

So the keystone of modern Conservative economic policy is responsibility.

Responsibility when times are good to fix the roof and set money aside for a rainy day.

Responsibility too when times are tough so that the country is not crushed under such a burden of debt that it kills off any chance of lower taxes in the future.

Gordon Brown has abandoned not only the practice of prudence but its rhetoric too.

He is trying to spend his way out of a recession and that will not work.

That means there is now a clear choice in British politics.

Irresponsible borrowing now and higher taxes later under Labour.

Or the responsible Conservative plan, enabling the Bank of England to deliver a sustained cut in interest rates and lay the ground for lower taxes later.

Helping families and businesses today by getting money into their pockets directly, instead of hoping that trickle-down public spending will work one day.

Building a better economy for the future through economic change, not more of the same.

And above all, preparing for the recovery through fiscal responsibility, not burying it under a mountain of debt before it starts.


MANUEL --

I want you to be there with me on Election Night when the results come in.

We're planning a big event that will include tens of thousands of supporters in Grant Park in downtown Chicago.

We're saving some of the best seats in the house for 5 people who make their first donation to the campaign before Sunday at midnight.

If you're selected, you can bring a guest, and we'll fly you in and put you up in a hotel for the night. You'll go backstage at the big event and -- no matter what happens -- you'll have a front row seat to history as we celebrate the supporters who got us over the finish line.

Any donation counts -- whatever you can afford. Show your support at this crucial time with a donation of $5 or more, and you could join me on Election Night:

https://donate.barackobama.com/frontrow

This movement for change has been a testament to the power of ordinary Americans coming together to achieve extraordinary things.

I look forward to having you there on Election Night.

Thank you,

Barack

A Opiniao de Edwin Hounnou

As falsas derrotas do líder
A forma inédita e esquisita de fazer política seguida pelo líder da Renamo, Afonso Dhlakama, ou melhor, de não fazer política, deixa-o cada vez mais isolado. Está desacreditado e rodeado, apenas, pelos seus acólitos que o enganam e driblam em todas as esquinas da política.
Com a descida drástica, nas eleições gerais de 2004, Dhlakama quedou de 48 porcento para 29 e a Renamo de 117 assentos parlamentares, hoje, detém, só, 90. isso resulta
do mau desempenho da máquina do partido, apesar da vontade das bases em inverter o cenário. Não se deve ao facto de a Frelimo roubar votos, como Dhlakama se tem desculpado dos constantes desaires eleitorais nem do fortalecimento do seu adversário.
Dhlakama compara-se a um atleta famoso que, sempre, se atira ao chão, no exacto momento quando todos esperam que ele corte a meta. Quando isso acontece uma vez, a gente diz que, talvez, se tenha tropeçado ou, maldosamente, empurrado pelo adversário
mais directo. Porém, quando o fenómeno se repete com a mesma frequência, começa a levantar suspeitas de que o tal atleta cai para favorecer o adversário.
Alguém financia as derrotas que ele anda a consentir. É uma jogada financiada pelo seu suposto adversário, burlando seus admiradores e amigos.
É isso que Dhlakama faz. As derrotas que averba desde as eleições de 1994, 1999, 2004 fazem parte do jogo.
A derrota nas próximas eleições não será excepção à regra.
Algo anda mal na liderança da Renamo. Pode-se constatar tal fenómeno, que é um segredo aberto.
Ninguém aposta em partidos ou organizações que, no lugar de lutarem para melhorar a sua prestação, se metem em guerras de autodestruição.
Parece ser um acto contínuo e propositado para não se chegar ao poder.
Não se entende como um partido tão grande anda metido em lutas intestinais ao invés de se preparar para ganhar as eleições. Enquanto a Frelimo se prepara para ficar com
todos os municípios, a Renamo vai-se auto flagelando, destruindo as poucas vitórias que conseguiu.
As brechas abertas na Renamo são tantas que os camaradas dizem que vão ocupar quase todos os assentos parlamentares. Se isso vier a acontecer, não ficaremos espantados. Temos alertado a direcção da Renamo para alterar sua postura a fim de voltar a ser
preferência dos eleitores.
A contradição entre os propósitos proclamados e a prática diária, permite desconfiar que, na Renamo, alguém anda a enganar os outros. Não é normal que um líder, num momento, afirme uma coisa e a seguir entre em contradição.
O voto é a única arma que o povo tem para exigir seriedade aos dirigentes que
dizem fazer política para servir os interesses da maioria. Há percepção
generalizada segundo a qual o Dhlakama não está interessado no poder.
As constantes manobras e recuos quando os momentos da verdade não
acontecem por acaso. Dhlakama tudo faz para perder as eleições, favorecendo
à Frelimo. As desconfianças avolumam em torno deste comportamento anormal
do líder da perdiz.

Sector privado ataca inspecção de trabalho

MAPUTO – O sector privado reunido, esta semana, em 11ª Conferência Nacional que, ontem, terminou, na Capital, teceu duras críticas contra a actuação de inspecção geral de Trabalho que, mais do que educar os prevaricadores, envereda por punições
violentas.
O presidente da Confederação das Associações Económicos, CTA, Salimo Abdula, disse que a actuação dos inspectores mais do que educar, afugentam os operadores informais
que, estão empenhados em transformar- se em formais.
“Lamentámos que as inspecções do Trabalho que deveriam ter um carácter educativo, optem por uma violência, culminando com a fuga dos colegas do sector informal que
querem passar para o formal”, denunciou, sublinhando que a inspecção tem uma finalidade punitiva e não educativa.
Frisou que os agentes económicos, muita das vezes, não se queixam dos impostos, mas da impresivibilidade e complexibilidade do processo.
Osman Jamal, um empresário de Cabo Delgado, foi pelo mesmo diapasão de Abdula, frisando que as Sector privado ataca inspecção de trabalho inspecções deveriam ter um carácter educativo e não punitivo, pois, eles dominam mais a técnica que a lei,
os inspectores punem os prevaricadores de uma forma violenta desmoralizando os empresários.
“É triste o que a inspecção fez, no Hotel Pemba Beach Hotel, em Cabo Delgado. Detectou ilegalidades, na contratação de trabalhadores estrangeiros, atrasos, no pagamento de salários e falta de férias, em alguns trabalhadores, mas o que a
inspecção fez exagerou”, disse.
Respondendo às preocupações que inquietam os empresários, o inspector-geral do Ministério do Trabalho, Joaquim Siúta, declinou que as acções da inspecção sejam
mais punitivas do que formativas, explicando que a inspecção educativa é uma prerrogativa da lei e, no início do ano, houve acções educativas, à escala nacional.
“O que aconteceu, em Cabo Delgado, não é regra. Foi uma excepção para resolver o problema dos trabalhadores que eram maltratados.
Fizemos aquilo para mostrarmos os gestores do hotel que não estávamos distraídos”, disse. (CS)

TURISMO

Dear Manuel,

Tourism Intelligence International will once again present the results of
its latest research at the WTM in London in November 2008. Our Sustainable
Tourism Development - A Practical Guide for Decision-Makers" publication
will be launched at WTM this November.

You are cordially invited to our Presentation at the World Travel Market in
London on Wednesday 12th November 2008 from 14:00 - 15:00 hrs., North
Gallery, Rooms 6 & 7 to our Presentation on Sustainable Tourism Development
­ A Practical Guide for Decision-Makers.

As you are aware, global developments ­ particularly the increasing
deterioration of the environment and growing threats of environmental
disasters; growing demands by increasing mature and informed consumers for
more responsible products and services; as well as key positive
actions undertaken by governments, businesses and local communities ­
suggest that sustainable tourism practice is not a luxury item on the travel
and tourism agenda, but a growing necessity.

At the same time, there is a growing body of knowledge and experiences
regarding the implementation and best practices for sustainable tourism.

But how can tourism be developed in a sustainable and responsible manner?
What can we learn from the experiences and pitfalls of others?

Drawing on the experiences of companies and countries around the world ­
those that have done it right from the beginning such as Costa Rica and the
challenges that they continue to face; those that were forced by their
circumstances to develop responsible tourism (South Africa); to
those that have destroyed and have now rescued their natural and cultural
resources such as the Aborigines in Australia and the Rhine River in Germany
­ this session is expected to be an eye-opener for all those interested in
growing their businesses and destinations in a sustainable manner.

This special session hosted by WTM draws on our market intelligence report
on ŒSustainable Tourism Development ­ A Practical Guide for Decision-Makers¹
that will be launched at WTM by Tourism Intelligence International
(November 2008). This publication is a Œone-of-a kind¹ resource. Our 300+
page report is a practical, easy-to-read, down-to-earth resource for anyone
wanting to build the travel and tourism industry in a sustainable manner.

What to expect in London?

- Case examples of successful practices throughout the world
- Examples of how countries recovered from unsustainable practices
- Discussion of key challenges in implementing sustainable tourism
- Key Actions and Strategies needed to implement sustainable tourism
- How local communities can effectively benefit from Tourism
- Private Sector responsibilities and guidelines
- An authoritative road map to organisations, publications, web sites
and other resources necessary to build sustainable tourism.

Tourism Intelligence International will be exhibiting as part of the
Trinidad & Tobago stand. You can find us at Stand CA 1025.

Should you have any questions, or need further information, please do not
hesitate to contact us.

We look forward to your participation.

With best wishes,

Dr. Auliana Poon
Tourism Intelligence International - Reinventing Tourism

Em Gorongosa: Renamo ameaça inviabilizar locais


A RENAMO ameaça inviabilizar as eleições autárquicas na vila da Gorongosa, província de Sofala, caso o seu candidato à presidência daquele município, Cristóvão Soares, seja excluído.Maputo, Sexta-Feira, 31 de Outubro de 2008:: Notícias
O candidato da Renamo à presidência do município de Gorongosa corre o risco de ser excluído da corrida, já que o seu expediente de candidatura apresenta irregularidades.

Tudo porque a Renamo, ao submeter a documentação do seu candidato à Comissão Nacional de Eleições (CNE), não incluiu um certificado de residência válido.

Á luz da legislação, os candidatos à presidência de qualquer município devem provar que vêm residindo nessa mesma autarquia há pelo menos seis meses.

Porém, segundo a Rádio Moçambique (RM), o certificado apresentado por Soares indica que reside em Gorongosa há quatro meses.

O porta-voz da CNE, Juvenal Bucuane, explicou que o problema foi detectado em várias candidaturas. Porém, após a notificação pela CNE, muitos dos candidatos conseguiram regularizar o problema, o que não aconteceu com o candidato da Renamo.

'O prazo de três dias expirou na passada segunda-feira, mas até agora não recebemos um documento válido de Cristóvão Soares', disse Bucuane.

A CNE deverá tomar a decisão final deste caso hoje.

A CNE não pode esperar mais, porque tem de imprimir os boletins de voto com os nomes dos candidatos”, disse Bucuane falando quinta-feira à AIM. De acordo com ele, a impressão dos boletins de voto aguarda apenas a lista final.

Entretanto, o delegado provincial da Renamo em Sofala, Fernando Mbararano, citado ainda pela Rádio Moçambique (RM), vincou que a sua formação política iria inviabilizar o processo naquela autarquia caso não fosse reconsiderada a decisão de se excluir Soares da corrida.

Progress on Disarmament



UN Secretary-General's Five-Point Proposal,
Presentations at the UN by Dr. William Perry and
Dr. Henry Kissinger

Dear friends,

The hopes of the world are focused on the US presidential election. It is probably the most important election in recent history. The collective challenges facing the world are daunting: the very health of the global commons – the oceans, rainforests and climate, living systems upon which civilization depends – are at risk, a global economic crisis challenges the daily lives of billions, and nuclear weapons hang over our heads like a sword on a string. How these challenges are addressed in the next few years may actually decide the fate of humanity and our Earth for generations.


The morning plenary of the October 24 conference at the United Nations
(L-R:) Dr. Mohamed ElBaradei, Director-General of the International Atomic Energy Agency; Ambassador Sergey I. Kislyak of Russia; Mr. Ban Ki-moon, Secretary-General of the United Nations; and Dr. Henry Kissinger, former US Secretary of State.

Photo credit: UN Photo # 202849

Regardless of who wins on November 4, a consistent, coherent voice to advance nuclear disarmament and global cooperative security based on the rule of law will remain necessary. The Global Security Institute (GSI), along with many other civil society initiatives and governments, is advancing these goals on multiple fronts, in the US through the Bipartisan Security Group and internationally through the Middle Powers Initiative and the network of Parliamentarians for Nuclear Non-Proliferation and Disarmament.

GSI supports advancing the incremental steps that include obtaining entry-into-force of the Comprehensive nuclear Test-Ban Treaty (CTBT); deep verifiable irreversible cuts in the arsenals; a treaty ending further production of nuclear weapons materials; and lowering the operational status and thus political currency of nuclear weapons. These steps are supported by nearly every country in the world and will help create an enabling environment for a nuclear weapons convention. We view pursuing both a convention and these steps as mutually supportive endeavors. Our pursuit is grounded in the moral understanding that nuclear weapons are unethical and, as GSI founder Senator Alan Cranston noted, unworthy of civilization.


Ambassador Asmady of Indonesia addresses the strategy session on a nuclear weapons convention.

Secretary-General of the United Nations Ban Ki-moon has placed a marker of global leadership before us. In his speech to the conference, "Seizing the Moment: A One-Day Consultation on Breakthrough Measures on Weapons of Mass Destruction and Disarmament," he laid out a 5 point proposal to advance nuclear disarmament, a historic and inspiring agenda. His first point calls for a global summit to negotiate a nuclear weapons convention. GSI feels honored to be a co-sponsor of the conference, and to have organized, as part of the afternoon segment, a strategy session to advance a nuclear weapons convention. The EastWest Institute should be congratulated for providing a platform for the Secretary-General to put forth his proposals. All of us must work together to turn these proposals into action.

On a parallel front, GSI continues to advance the incremental measures promoted by the Middle Powers Initiative, such as the entry-into-force of the CTBT. On this issue, we were honored to have helped organize a ministerial meeting with Friends of the Comprehensive nuclear Test-Ban Treaty and the CTBT Organization at the United Nations on September 24. Secretary-General Ban, former US Secretary of Defense Dr. William Perry, and UN Messenger of Peace Michael Douglas gave sterling addresses to promote entry-into-force of that important treaty.

In addition to articulating particular solutions, GSI emphsizes the need for a clear, moral message on the abolition of nuclear weapons. On September 18-19, GSI President Jonathan Granoff, along with MPI Chairman Hon. Douglas Roche, O.C., scholar and author Jonathan Schell, UN High Representative Sergio Duarte and GSI Board member Rev. Tyler Wigg Stevenson, participated in an extraordinary conference at Yale Divinity School, where theologians, activists and students gathered to discuss the challenge of nuclear weapons through their learned lenses. (Video of the panels is also available here.) Last week, Mr. Granoff was hosted once again on “Wellness Radio,” the weekly radio show from Deepak Chopra, where he discussed the convergence of moral and practical imperatives to advance global legal norms relating to disarmament in international affairs.


MPI Chairman-Elect H.E. Mr. Henrik Salander, speaking at the EWI Conference on October 24 as Secretary-General of the WMD Commission

Photo credit: UN Photo # 202848

Senator Douglas Roche, O.C., celebrated his 80th birthday at a nuclear disarmament seminar October 14, where he delivered a speech, "Its the Future, Stupid!" which I regard as a compass point of leadership, incorporating an inspirational message for the coming years. I urge your review of this powerful speech.

The world will inevitably change after November 4, and when the new administration takes office on January 20, 2009. GSI will continue to advance policies and vision needed to obtain a nuclear weapon-free world. Your personal commitment to advance these goals in whatever manner you can and your support of our efforts is crucial.

Best wishes,


Jonathan Granoff
President

IPS EXCLUSIVE: Interview with Archbishop Desmond Tutu

In an exclusive interview to IPS Correspondent, Bankole Thompson, South Africa’s Archbishop, Desmond Tutu, talks about the current global financial crisis and how he thinks something is wrong with the "free market" system. He called for a review of the fundamentals of capitalism. He said African governments should form cartels to protect their institutions if Western nations are protecting their own financial companies. He lamented that Africa's political and religious leadership failed Zimbabweans. And he hailed the prospect of a Barack Obama presidency in the U.S.

You can read the full interview with Desmond Tutu here:
http://www.ipsnews.net/news.asp?idnews=44517

Em vista Comissão dos Direitos Humanos

MOÇAMBIQUE terá uma Comissão Nacional dos Direitos Humanos, caso uma proposta de lei nesse sentido seja aprovada pela Assembleia da República.

A proposta de lei que cria esta comissão, foi aprovada terça-feira pelo Governo, durante uma sessão ordinária do Conselho de Ministros. Segundo a porta-voz da sessão e Vice-Ministra da Saúde, Aida Libombo, com este instrumento legal o Executivo pretende assegurar o respeito pelos direitos humanos através de acções prontas e esclarecedoras e com o envolvimento da sociedade civil. “Também visa reforçar a confiança dos cidadãos em relação aos mecanismos que o poder público coloca ao serviço da paz social, bem como reforçar o papel do Estado e da sociedade na tutela dos legítimos interesses individuais e da colectividade”, disse ela. A comissão terá também a missão de promover e proteger os direitos humanos no país através de programas de educação.

Maputo, Sexta-Feira, 31 de Outubro de 2008. Notícias

A Opiniao de Dick Kassotche



Barak Obama, o candidato pós-racial

DOMINGO, dia 19 de Outubro de 2008. Por volta das vinte e tal, preso ao meu TV, vejo no écrã Colin Powell a falar sobre Obama. Não ouço na língua original, mas na tradução em espanhol. Apuro o meu ouvido e capto: He llegado a la conclusión de que, por su habilidad para inspirar a los ciudadanos, por la naturaleza unificadora de su candidatura, por que está conquistando a toda América, porque es alguien que cuenta con grandes habilidades retóricas, a la vez que tiene sustancia, porque es alguien que reúne las condiciones para ser presidente excepcional...Es una figura transformadora, es una nueva generación que aparece en el escenario de Estados Unidos da América e del mundo. Por estas razones, votaré por Barack Obama.Maputo, Sexta-Feira, 31 de Outubro de 2008:: Notícias
Que eu saiba, Colin Powell é republicano – o que lhe leva a apoiar um Democrata? Muitos, independentemente dos motivos que lhe levam a fazê-lo, recorrem logo à questão da raça e ainda outros, de um oportunismo político, já que Obama, depois de apoiado por essa figura, afirmou publicamente que iria pensar como compensar esse apoio: ser assessor ou atribui-lhe mesmo um cargo governamental.

Volto anos atrás, em que Colin Powell dirigiu a primeira guerra do Golfo, na administração de Bush-pai, para em seguida, no primeiro mandato de Bush-filho, desempenhar as funções de Secretário de Estado. Na capacidade de chefe da diplomacia, Powell teve a espinhosa tarefa de justificar a invasão bushiana ao Iraque, falsificando os dados e defendendo os interesses dos Estados Unidos da América. Política é política - o General estava a cumprir as ordens partidárias; a ser porta-voz de grupos de interesse. Estava, sublinhe-se, a agir segundo o politicamente correcto. Há quem diga que ele se sentiu desconfortável com a tarefa de ter que mentir que havia armas de destruição massiva, enquanto na verdade era apenas uma jogada política; e querendo preservar a sua imagem pessoal, pediu, no segundo mandato de Bush-filho, a sua demissão.

Jogadas políticas. Se falsidades sobre Iraque foram uma jogada política; não será também uma jogada política esse apoio, à luz do sol, ao adversário político?

Muito foi dito sobre o fenómeno Obama e, hoje, quero deixar carimbado neste papel as minhas reflexões

sobre a vitória quase que garantida desse candidado pós-racial.

Obama vai ganhar as eleições e essa certeza é ditada por seguintes factos:

1. A escolha do velho herói, cansado e conservador, por parte dos republicanos, foi infeliz. Temos que acreditar que o candidato McCain esteja velho e a sua idade – acima de setenta anos–pouco pode ajudar a cativar o eleitorado. Uma amiga minha americana, por coincidência republicana, foi capaz de dizer o seguinte: “o meu partido subestimou o eleitorado feminino. Muitas mulheres querem ver no presidente um homem ´macho`, em que podem encostar a sua cabecinha e sonhar com um príncipe, ainda que seja no vácuo. Será que as mulheres americanas podem sonhar ainda com McCain, como o lover preferido ou possível?” Esta frase, ainda que retirada de uma conversa informal, diz muita coisa da natureza de um candidato para o eleitorado.

2. A opção de McCain pela Palin foi e é um grande desastre. Os próprios republicanos, como o caso de Peggy Noonan, que foi o speech writer de Ronald Reagan, foi capaz de dizer o seguinte: “há poucos sinais que indiquem que ela tenha as ferramentas, o equipamento, o conhecimento ou a base filosófica que se deseja e espera da pessoa que ocupará o posto máximo” – e a desclassificação não pára por aí, chegando a afirmar que a Palin “não era uma líder, senão uma seguidora.” Ainda dentro do partido, o General Colin Powell criticou também a decisão do seu colega, McCain, por ter eleito a governadora do Alaska, Sarah Palin, como sua companheira de fórmula presidencial, argumentando: “É uma mulher muito distinta e deve ser admirada, mas ao mesmo tempo, depois de termos tido oportunidade de a ver durante sete semanas, creio que não está pronta para ser Presidente dos Estados Unidos da América e esse é o trabalho de um vice-presidente.”

3. Sarah Palin é mãe de cinco filhos, estilo de mulher que é classificada, pela maioria dos cidadãos, como ortodoxa e/ou conservadora, num mundo ocidental em que a preocupação é ter um ou dois filhos. A sua filha de menos de dezoito anos está grávida e ela, como mãe, é contra o aborto. Sendo sua filha, as pessoas de bom senso se perguntam: como é que não conseguiu educar uma filha menor, para não se engravidar na tenra idade? Será que ela é também contra os preservativos, já que é contra o aborto?

4. Há quem olha para a Sarah Palin unicamente na perspectiva de um objecto sexual, que ela está sendo alvo de várias sátiras. Há quem produziu um filme pornográfico onde a protagonista, de nome "Serra Paylin", apresenta semelhanças com a governadora do Alasca: o seu clássico penteado; os seus óculos de marca e o seu sorriso característico. E em paralelo a este filme, realizou-se em plena campanha eleitoral um concurso de duplos para “STRIPPERS”, em que as mesmas se pareçam com Palin. A ganhadora do concurso receberá um cheque de oito mil dólares e com direito a estar presente no dia de investidura.

Essas caricaturas e brincadeiras são sinais claros de que Sarah está crua e a sua escolha é mais para divertir o povo em plena era da crise financeira, que ajudar McCain.

Em termos políticos, para os analistas políticos, Palin é porta-voz de uma América individualista, da trincheira, imperfeita e grosseira nos seus discursos em relação ao adversário, tomando-o como inimigo e não companheiro da mesma nação. Ainda nos seus discursos, Palin faz muitas referências que “eles não são como nós” e, portanto, não amam os Estados Unidos como ela. Essas afirmações são em referência a Obama, que tem origens mistas e é considerado negro. Numa ocasião, em um dos seus comícios, quando um participante gritou que se devia matar Obama, a Palin limitou-se a sorrir e envergonhar-se, em vez de aproveitar a oportunidade para fazer ver aos votantes que Obama não era inimigo, senão adversário político. E a pergunta de muita gente de boa fé é: “É essa mulher que deve ser a vice-presidente dos Estados Unidos da América?”.

5. Para além de filmes pornográficos, retratos pendurados em bares, em que ela aparece nua e semi-nua, com uma espingarda na mão, já se produziram também bonecos, imitando os óculos dela, o penteado, e até as suas pernas atraentes. A herdeira e actriz Paris Hilton brincou com ela, dizendo o seguinte: “Tens um corpo potente. Não o guardes somente para ti! Porquê vestir-se de calças, quando podes levar contigo um fato de banho?” Essa provocação demonstra também claramente que essa mulher, que concorre para a vice-presidência, é mais para entreter o público e fazer sobressair a moda, já que, na sua juventude, participou em concursos de MISS. E a falar da moda, depois que ela foi apontada para concorrer como vice-presidente, o partido instituiu um fundo especial para ela mudar todo o seu guarda-fato, incluindo a família. Assim, até hoje, ela já gastou mais de cento e cinquenta mil dólares em roupas de moda, e essas somas gastas estão a ser motivo de muita tinta e fala-fala dentro e fora do partido. Palin conseguiu apresentar uma factura de cinco mil dólares de roupa para o seu marido – que escândalo!!!!

6. Ainda sobre a Sarah. Ela virou uma anedota, chegando a ser uma versão feminina de Bush-filho. Quando se tratou do debate dos candidatos à vice-presidência, os republicanos não acreditavam nas capacidades da sua própria candidata, que fosse capaz de conseguir sobreviver. Por sorte, não cometeu muitos horrores. Numa outra oportunidade, quando se colocava para responder perguntas de jornalistas, no estado de Colorado, um dos assessores de McCain interveio pessoalmente, parando a sessão de perguntas, desautorizando, assim, a candidata.

7. Sarah Palin está implicada nos actos de abuso de poder. Alguém perdeu emprego porque ousou divorciar-se com a irmã da governadora. E imaginem essa mulher vir a ser Presidenta(!) – seria capaz de mandar Obama a imigrar para a terra do pai ou do padrasto, menos na América dos Patriotas da sua imaginação!

8. McCain, nos seus discursos eleitorais, distancia-se de Bush, mas não sabe como o fazer. Por mais que queira mudanças e queira um estilo diferente de liderança, ele se esquece de que pertence aos Republicanos.

9. McCain não sabe ser adversário. Acusa, de uma forma imprópria, Obama de ser inexperiente em política externa e em muitas outras áreas. Será que há quem nasce expert de coisas? E Bush é expert de quê?

Bem, falei muito da dupla McCain-Palin, e agora é a vez de Barack Obama.

Mas quem é esse homem?

Barack Hussein Obama Jr. nasceu em 1961, em Honolulu, Estado de Hawai. É filho de Barack Obama, proveniente do povoado de Nyang`oma Kogelo, Distrito de Siaya, Quénia, e doutorado em Economia pela Universidade de Harvard; e de Ann Dunham, de Wichita, Kansas, doutorada em Antropologia pela Universidade de Hawai, em Manoa. Quando ainda criança, os seus pais divorciaram-se e Ann Dunham contraiu um novo matrimónio com o indonésio Lolo Soetoro. Em 1967 se mudou, com a família, para a Indonésia. Nesse país, o pequeno Obama frequentou escolas locais, em Jakarta, até aos seus dez anos, e depois regressou aos Estados Unidos (Honolulu) onde viria a viver com os seus avôs maternos. Graduou-se na Universidade de Columbia, e na prestigiosa Escola de Direito de Harvard Law School, onde desempenhou as funções de presidente da revista de leis – Harvard Law Review. Posteriormente, trabalhou como organizador comunitário e exerceu a sua carreira como advogado em Direito Civil, antes de ser eleito e servir como senador do Estado de Illinois. Adicionalmente, foi professor de Direito Constitucional na Faculdade de leis da Universidade de Chicago.

Depois desta pequena biografia, importa apresentar os motivos que me levam a acreditar na vitória deste homem.

1. Na verdade, as eleições mais renhidas da História dos Estados Unidos da América realizaram-se há muito tempo, em que Obama teve como adversário a dupla Clinton. Ele ganhou as eleições antecipadas e os americanos mostraram que preferiam mais a ele que ao clã Clinton. E será desta vez que lhe vão abandonar, preferindo um velho (McCain) mal acompanhado pela Palin?!

2. Muitos americanos, incluindo nós outros, consideramos Obama como negro. Eu tenho dificuldades de aceitar que ele o seja. Para mim, Obama não é negro e nem é branco. Ele é a simbiose das raças, que representa a harmonia, a convergência, o encontro de culturas e de saberes. E sendo-o, ele inspira a muitos, senão a todos. Como ser negro se o seu pai é negro e sua mãe branca? Aceitemos que Obama seja negro. Então, sou obrigado a acreditar também que a raça negra é muito forte. Basta estar em alguma percentagem, numa determinada mistura, para o produto se classificar logo como negro.

Negro ou outra coisa, não importa, falemos de Obama e dos que jogam por debaixo da mesa, construindo a sua vitória.

Obama chegou à História dos Estados Unidos da América quando as raças já estão consignadas ao sótão, o que não quer dizer que o racismo tenha acabado. Pesem ainda algumas nódoas de racismo, votarão Obama os seguintes: os que superaram categoricamente os complexos de raça – brancos e pretos, aliás, castanhos escuros e castanhos claros; os negros revolucionários e descomplexados; os brancos convictos com as mudanças e também descomplexados; os que odeiam Sarah Palin, poucas suas ideias racistas, sua imaturidade política e sua desconfiança de os outros não serem patriotas como ela; os negros como Colin Powell; os que não acreditam na mensagem do McCain; os que querem realmente mudanças, entre muitos outros grupos por se classificar e movidos por vários interesses de ordem político-social e económico.

Mas quem, de facto, está, por detrás de Obama?

Para aqueles que gostam de ler, aconselho-os a ler o livro o governo invisível, de autoria de Bruno Cardeñosa. O aparecimento deste livro levantou muita polémica nos Estados Unidos e noutros países. O livro defende, explicita e implicitamente, que nos Estados Unidos da América existem dois Governos: um visível e outro invisível: o primeiro é o que aparece nos jornais e todos o citam e acompanham as suas actuações; e o segundo é o que é regido pelas elites próprias e dão os seus veredictos quando necessário.

O Governo Invisível é como se fosse um outro serviço de segurança, e crê-se que o mesmo esteja sob as Ordens do Conselho de Segurança Nacional, e que é constituído por pessoas altamente comprometidas com a causa americana, inteligentes e previamente escolhidas-seleccionadas. Na essência, esse Governo Invisível funciona como "cérebro pensante" e “coração político”, dos Estados Unidos da América, e que comporta dentro do grupo republicanos, democratas e outras tendências políticas – funcionando, na verdade como um partido O intermediário das formações conhecidas pela sociedade.

Que se diga em voz alta ou baixa, a candidatura de Barack Obama não foi discutida no partido e nem nas mesas de café, senão uma decisão dos invisíveis, dada a importância e a especificidade do momento. Essa candidatura de um não-branco, sublinhe-se não-branco, foi calculada há muito tempo, pelos programadores do pensamento político americano. Já estava escrito algures que, nos primeiros anos do século vinte e um, os Estados Unidos da América deveriam dar um exemplo de convivência racial no mundo, escolhendo, para tal, um Presidente afro-americano.

A pergunta que se coloca é: se o voto é popular, como será em casos de o povo achar que Obama não pode ser o seu símbolo da Nação?

Há duas respostas a esta questão:

Um: Caso falhe o Projecto OBAMA, o povo terá ganho uma lição, esta que consiste em ver o país não no prisma racial.

Dois: – tendo em mente as Eleições em que Bush passou à tangente, frente ao Al Gore, caso os Think tank (os estratégicos da política americana) não queiram adiar o seu projecto-Obama, poder-se-á fazer a mesma batota, facilitando o democrata. Vejamos: a vitória de Bush interessava aos pensadores do Governo Invisível, dada a filosofia agressiva do clã Bush. Para garantir que o dossier Iraque fosse executado, a máquina insensível, usando os seus conhecimentos e prerrogativas, mandou inventar todas as irregularidades possíveis, mas com o objectivo único de se beneficiar Bush. Al Gore foi vítima do processo. Como forma de recompensar o vitimado, ele viria a ganhar o prémio Nobel da Paz, com o tema: mudanças climáticas . A vitória de Bush-filho e o Prémio Nobel de Paz para Al Gore soa, a um leitor atento, a uma salada americanista. E o mesmo pode acontecer..., caso McCain perca, que venha a receber um PRÉMIO, a estilo americano, que será a jeito de compensa pela boa representação política do jogo dos Think Tank.

Voltemos ao General Colin Powell. Se entendemos bem as suas palavras de apoio a Obama, estaremos em posição de ler, entre linhas, que ele está a, em nome dos invisíveis - os Think Tank , a dar ordens no sentido de que a América precisa de mudar de imagem, pelo menos para os próximos quatro anos. E não nos esqueçamos de que Powell foi Chefe do Conselho de Segurança Nacional, órgão que supervisa os membros do Governo Invisível, ou que serve de guarda-chuva!

No livro o governo invisível constam os seguintes nomes: Colin Powell, Francis Fukuyama, Condoleeza Rice, Henry Kissinger, Samuel Huntington, Roberts Brookings, Paul Wolfowitz, entre outros, como membros dos Think Tank, homens esses que podem propor e determinar a mudança dos acontecimentos do país. E todos nós sabemos o papel que cada um desses desempenha e desempenhou na história das ideias e de acções da América no Mundo.

No nonagésimo aniversário dos Think Tank, Obama esteve presente e apresentou uma comunicação. Estaria como membro ou simplesmente um convidado? Uma ou outra não interessa, que a sua presença nos noventa anos dos Think Tank é um ponto de reflexão para se entender a trajectória política desse homem e ter-se a certeza que a sua candidatura é sob recomendação dos membros dos Think Tank, esse cérebro pensante.

Voltemos ainda à questão da raça. Na concepção popular, Obama é negro, mas um negro diferente, que cresceu com a mãe e os avôs maternos, que são brancos. Para os membros patrocinadores da candidatura de Obama, ele é um factor unificador, e tem a consciência das suas origens. Muitos negros, de Elite, dos Estados Unidos da América, sabem ou pensam que os seus antepassados tenham vindo da África, mas poucos são capazes de apontar um país concreto de onde veio o seu trisavô, pentavô e por aí fora. Obama sabe – o pai dele é do povoado de Nyang`oma Kogelo, distrito de Siaya, Quénia, e a mãe, de Wichita, Kansas. O próprio Powell, pesem as suas origens africanas, saberá de onde vieram os seus antepassados? E Jesse Jackson? E Martin Luther King? E Michael Jackson? E Whoopi Goldbert? E Oprah Winfrey? E os outros? E o nosso candidato, a favor desse conhecimento da sua origem, ele se chama-se Barack Hussein Obama, e não como os outros negros da alta sociedade com nomes adquiridos na América. O pai de Obama impôs um nome ao seu filho, que até o podia prejudicar, mas é o seu distintivo, diferente de muitos casamentos mistos, em que os nomes impostos aos filhos foram, na maioria dos casos, da parte europeia ou, diga-se, ocidental.

Na escolha e aposta dos Think Tank por um negro que pudesse ser o possível presidente dos Estados Unidos, o factor geração, a origem (concreta), o nome ou a identidade cultural jogaram um papel preponderante. Obama ouviu falar de escravatura, mas não viveu na carne e osso. Não tem ressentimentos de ter sido escravizado, o contrário dos outros negros norte-americanos, bem posicionados.

Obama é um Homem globalizado. Pai negro. Mãe Branca. Padrasto asiático, e passou por melhores escolas dos EUA. Devido à sua trajectória individual e o seu carisma natural, ele é visto pelos brancos, como um deles - filho e neto das suas compatriotas. Obama tem uma consideração muito especial pela sua avó materna, dona Madelyn Dunham, e essa sua afeição lhe dá pontos e respeito. Para os negros, Obama é também um deles, por causa do velho economista queniano, que é o seu pai biológico, diga-se por causa da sua ala paterna. Para os asiáticos, Obama não deixa de ser um deles, por ter tido alguma influência da cultura asiática. Conta-se que Obama, quando foi viver na Indonésia, junto da mãe, uns miúdos indonésios atiraram-no a um lago. Ele, no lugar de os bater, que o podia fazer, por ser mais velho que eles, ao sair do lago, sorriu para eles. Esse gesto do pequeno Obama fez-lhe ganhar a amizade de todos aquele que lhe consideravam estranho.

Essa mesma lição, ele tem-na usado na campanha e nas campanhas. Quando o adversário lhe ataca, ele fica atento, olhando para o mesmo, e nunca deixa as discussões irem pelos caminhos ínvios. Nas primárias, por exemplo, depois de um debate caloroso com a Hillary, Obama não se importou de puxar a cadeira para ela se levantar, num gesto de grande cavalheiro. E o mundo admirou-se e gravou aquele gesto simpático e de grandeza. Obama nunca, em actos oficiais, desmascara o adversário dizendo a palavra mentira – que ele prefere a expressão - não é verdade .

Para os muçulmanos, Obama é um deles, por causa do nome e das suas origens. Para os latinos, Obama é um deles, por um passado e presente comum de marginalizações.

Para cada um dos americanos, Obama é um deles, porque o candidato transcende todas as raças, todas as religiões, todas as filosofias de convivência.

A vitória do Obama frente ao clã Clinton foi a prova mais concludente da sua grandeza.

Dos apoios que já recebeu de personalidades, à parte Powell, Madona, Oprah Winfrey, só para mencionar alguns, o presidente executivo da Google, Eric Schmidt, não escondeu a sua afeição pelo “miúdo”, chagando a oferecer-lhe espaço no Google para fazer a sua campanha, e justificou-se: “É tempo de mudanças. O grupo actual (em referência ao Governo de Bush) nos colocou onde estamos, e é tempo para que um novo grupo de gente nos leve para uma outra direcção”.

Outra surpresa vinda do Parido Republicano é o apoio expresso de ex-porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, a Obama.

Afinal, não será Obama um candidato da elite americana?! E o sendo, Fidel Castro, que achava estranho que o candidato nunca tivesse sido ameaçado de morte até à data, já deve ter resposta: a um candidato dos Think Tank não se deve-pode mexer e pôr em perigo!

Victória ou derrota, Obama mudou a monotonia da política mundial; levantou esperanças; sacudiu poeiras racistas; polarizou atenções; inscreveu o seu nome na parede política internacional. De Alabama a Obama, um longo caminho se percorreu; de Harlem Renaissance a Obama, um sonho se cumpriu. E para a população negra de Harlem, Obama é o tal Messias que tanto se esporou.
Florentino Dick Kassotche - colaboração

Altos custos de transacção


Há espaço para diálogo - segundo Primeira-Ministra, no encerramento da XI Conferência Anual do Sector Privado

QUANDO os altos custos de transacção põem em causa a sobrevivência do país é possível estabelecer-se diálogo para que as empresas possam desenvolver os seus negócios, segundo defendeu ontem em Maputo a Primeira-Ministra, Luísa Diogo. Respondendo a uma preocupação sobre a matéria levantada no decurso da XI Conferência Anual do Sector Privado (CASP), que ontem encerrou, a governante recordou como Moçambique lidou com os custos dos combustíveis entre Março e Setembro deste ano, nomeadamente através do consentimento de sacrifícios de todas as partes: Governo, privados e sociedade no geral.Maputo, Sexta-Feira, 31 de Outubro de 2008:: Notícias
À esteira dos debates da CASP, o empresariado demonstrou alguma preocupação com relação aos altos custos de transacção, sobretudo na componente de transportes, devido à carestia dos combustíveis, chegando mesmo a propor uma uniformização da tabela para evitar que sejam as zonas do país desprovidas de portos a pagarem em grande medida essa factura.

O sector privado, através do presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), Salimo Abdula, deu a entender ao Governo que os altos custos de transacção constituem obstáculo à produção e competitividade das empresas, quer dentro do país, quer na região e no mercado mundial.

“A experiência de como Moçambique lidou com os preços dos combustíveis de Março a Setembro deste ano demonstra que é possível dialogar com o sector empresarial, seja privado, público ou estatal, seja de monopólio ou não monopólio. Sentámo-nos com os CFM e outras empresas para tirar as ‘gorduras’ dos custos de transacção, ou seja, aquelas taxas que não têm nada a ver com o trabalho que as empresas fazem e algumas taxas bancárias”, referiu.

É neste contexto que Luísa Diogo considerou o diálogo Governo/sector privado em Moçambique, como uma experiência única na região e no mundo, na medida em que conseguiu-se uma saída pontual para a problemática dos combustíveis, para com mais calma tomarem-se as decisões necessárias.

“A competitividade é uma questão de sobrevivência da empresa, do país na região e a nível global. Achamos que devemos tratar desta matéria como partes interessadas no processo. Por isso, usemos esta experiência para eliminar tudo aquilo que pode perfeitamente ser expurgado ou mudado para o bem da produção e da produtividade”, explicou.

Para Luísa Diogo, falar de custos de transacção é algo muito vasto, tendo citado como exemplos a cabotagem, em termos de disponibilidade atempada do barco ou outro meio de transporte para as mercadoria e energia e combustíveis para a área da agricultura e pescas. “Façamos esforço individual para benefício comum”, disse Luísa Diogo, acrescentando que a taxa de câmbio entre o dólar e o rand e entre este último e o metical, bem como a queda do petróleo no mercado internacional, devem constituir oportunidade a aproveitar.

Today's papers

Economic Scare, By Joshua Kucera
Posted Friday, Oct. 31, 2008
The New York Times gets readers in the Halloween mood by leading with yesterday's scary economic news, including that consumer spending has dropped for the first time in 17 years. The Washington Post leads with another ominous tale, about how the Bush administration is planning a blitz of new business-friendly (and consumer- and environment-unfriendly) regulations in his last weeks of office. The rest of the top stories are election-related: The Los Angeles Times leads with the presidential campaign, where each candidate talked about the bad economic news, Obama blaming it on Bush policies and McCain saying his mortgage buyout plan would fix it. USA Today leads with campaign trail interviews of Obama and McCain. The Wall Street Journal tops its worldwide newsbox with a campaign catchall, including the two candidates taking shots at their opponents' running mates. Although at this point election news is more likely to elicit exhaustion than fear, the NYT does front a poll showing that half of voters said they were "scared" of what the other candidate would do if elected president.

SOAS E-lumni Bulletin - October 2008



Dear Manuel,

In this edition:

Future plans for the School in the 2008 Director's Address
See what alumni are up to in our Alumni Profiles section
Get involved with student activities at SOAS
We now have a fast-growing global alumni events calendar - view photos from the recent USA & Canada events and register your place at the next event in your region!

Join our growing SOAS Online Alumni Community, and get access to a range of benefits and services | Register your details now at www.soasalumni.org


-

News Events

SOAS alumnus appointed as new Minister of State for Higher Education
MP David Lammy (LLB 1993) has been promoted to become the new Minster of State for Higher Education and join the Privy Council, by Prime Minister Gordon Brown...


Excerpts from the 2008 Director's Address
Professor Paul Webley, Director and Principal, gave his annual Director's address on 29 September 2008 in the Brunei Gallery Lecture Theatre, but in a different format to what has been done in the past...


Professor Andrew Gerstle's book chosen
100 books for understanding of contemporary Japan...


SOAS Theses Going Digital
PhD theses, including 264 SOAS theses, digitised and globally accessible via the Electronic Theses Online Service...


Anatomy of a garden
SOAS' Japanese-inspired roof garden...


How to make Corporations Accountable
Report by Dr Dan Plesch and Dr Stephanie Blankenburg of CISD, investigating a headline issue of the day...


Alumni events in the Far East
Join Victoria Moss, Alumni Relations Manager, and Anja Funston, International Officer, for a series of informal evening events across the Far East

- 1 Nov | Taipei, Taiwan
- 1 Nov | Seoul, Korea
- 6 Nov | Tokyo, Japan
- 8 Nov | KL, Malaysia
- 11 Nov | Singapore
- 29 Nov | Bangkok, Thailand

To register and for further details, please contact us

British Council Alumni evening in Istanbul
6 Nov | Istanbul, Turkey
Register your details to attend this special UK Alumni Networking Reception in Istanbul


Join fellow alumni for a series of events in India
Attend our inaugural series of alumni events in India!

- 15 Nov | Mumbai
- 18 Nov | Kolkata
- 24 Nov | New Delhi

Barristers Alumni Evening at SOAS
18 Nov | SOAS, Russell Square, London
Meet with SOAS students and academics at this specialist Barristers Alumni Evening event


Exhibition: Edge of Arabia
Open till 13 Dec | SOAS Brunei Gallery, Russell Square, London
Receiving strong reviews, this pioneering exhibtion displays a new wave of Saudi contemporary art



Ensure you receive the most current alumni news and events information by updating your alumni profile

Event Report | Alumni events in North America
Alumni enjoyed social events across North America last month with Anja Funston, SOAS International Officer - click here to read the report and view photographs

More Alumni News and School News >>
More Alumni Events>>


-

Alumni Notice Board

Do you have an interest in Law?
SOAS Law Network
We are currently developing our Professional Networks for alumni, and if you are interested in joining the SOAS Law Network, please contact us

Barristers Alumni Evening: 18 November 2008
Meet with SOAS students and academics at this specialist event, jointly organised by the Law Department, Careers Service and the Alumni Relations team at SOAS...more details

Search for a SOAS LLB alumnus in the USA
Alumnus Daniel Emejulu (LLB 2008) is currently pursuing a Master of Laws degree at Duke University School of Law. Daniel would like to contact fellow SOAS alumni regarding career advice. If you can provide information for Daniel, and are a SOAL LLB/M alumnus and practicing lawyer in US jurisdiction, please contact us


Get involved in SOAS student activity
SOAS Rugby Team
Together with Adam Waise, Captain of the SOAS Rubgy Team, we are currently planning for a SOAS Students vs Alumni rugby match, at Regent's Park, London in December 2008. Contact us to be a part of the alumni team!

The Marketplace Society
SOAS students of The Marketplace Society will be presenting an evening at SOAS on 5 February 2008, exploring the role of faith within modern British society. The evening will include a 'Question Time' style discussion, and we are looking for alumni panel speakers to talk on issues such as the relationship between science and religion, athiesm, and the impact of mass-culture on faith. If you would like to participate and engage in an interactive forum with the SOAS community, please contact us.

SOAS Rag, the new bi-weekly SOAS newspaper
We need your help in showcasing SOAS alumni on our alumni publications and in the SOAS Rag paper. Send in your profile summary or complete the list of attached questions.


-

Alumni SpotlightNEW! Alumni Benefit of the Month

Guy Sharett
(MA Area Studies, SE Asia 2001)
Head of Asia-Pacific channels, Dori Media
Alumni Contact for Israel


Sumbul Ali-Karamali
(LLM Islamic Law 2003)
Author of 'The Muslim Next Door: the Quran, the Media, and that Veil Thing'

Showcase your profile to the SOAS community by completing the list of attached questions | More Alumni Profiles>>


The SOAS Alumni Library Card provides discounted access to the SOAS Library.

With over 1.2 million volumes, the SOAS Library is the UK's national resource for the study of Africa, Asia and the Middle East, and attracts scholars from all over the world.

To view Library rates and membership information, please click here.

For a full listing of alumni benefits and services visit www.soasalumni.org



-

Contact your Alumni Relations team

If you have any questions about SOAS, feedback on the alumni website, or suggestions for activities, services and events for our alumni community, please do contact us - we would love to hear from you!

- Email at alumni@soas.ac.uk
- Call on +44 (0)20 7898 4041
- Online at www.soasalumni.org

School of Oriental and African Studies, University of London
Thornhaugh Street, Russell Square, London WC1H 0XG
Tel: +44 (0)20 7637 2388

US ELECTIONS


MANUEL --

Last night, Barack took to the airwaves to make the case for real change. He used the time to tell the stories of ordinary people who need real solutions to their problems.

The presentation reached its finale with Barack addressing the nation live from Florida -- I've included the video of that moment below.

But right now, I need to ask you for help.

We just learned that the McCain campaign and the Republican National Committee had a $20 million cash advantage on October 15th. That means we can expect to see a fierce blitz of negativity in the final days -- so-called "robocalls," mail pieces, and TV ads filled with smears and false attacks.

We can't let our opponents' low-road tactics prevail. To stand up to this last-minute spending spree, we need to step up our efforts.

Watch Barack's speech and make your first donation of $5 or more before it's too late:




https://donate.barackobama.com/forthefinish

The resources we have to get our message out in the next 5 days could make all the difference.

Thanks for your support,

Joe

US ELECTIONS


MANUEL --

I know this campaign has asked a lot of you.

But in the next 5 days, Barack will need you more than ever before.

Together, we can make sure all voters head to the polls and make their voices heard in this election. And we can get Barack's message of change out to millions and millions of Americans in these final hours.

That's why I'm asking you to dig deep and make one final donation to help get us across the finish line.

Take a minute to remember why you joined this movement, then please make a donation of $5 or more today.

I've been blessed over the last 21 months to have been invited into your communities and to hear so many of your personal stories.

Supporters like you have told me about loved ones who can't afford health care, and relatives who've been laid off from jobs they've had for decades. About family members fighting bravely in Iraq, and worries about affording college in a struggling economy.

But what I've heard more than anything else is hope. A shared hope that if we work together, we can change politics and make this country better for all Americans.

I know that we can make it happen -- and we are so very close.

Make a donation of $5 or more and stand with Barack these last few days:

https://donate.barackobama.com/forbarack

The strength of this campaign has always come from the individual stories and hard work of millions of supporters like you.

Thank you for being part of this movement,

Michelle

Canal de Correspondência

Por Associação Moçambicana de Defesa das Minorias Sexuais: Carta à Secretária Executiva do CNCS, Dra. Joana Mangueira

Profundo desacordo

Maputo (Canal de Moçambique) - A LAMBDA, Associação Moçambicana de Defesa das Minorias Sexuais (em formação), saúda o Conselho Nacional de Combate ao SIDA (CNCS) e aproveita esta ocasião para expressar o seu profundo desacordo com declarações recentemente proferidas por um alto funcionário dessa instituição. De acordo com a AIM, de 26 de Outubro de 2008, o Sr. Secretário Executivo Adjunto do CNCS, Dr. Diogo Milagre, dirigindo-se ao II Encontro Nacional da Juventude, em Cheringoma, afirmou que a homossexualidade contribui para a disseminação do HIV/SIDA e apelou ao combate às relações bissexuais, pois estas levam a relações descontroladas.
Em primeiro lugar, gostaríamos de reafirmar alguns factos. É consenso que a forma principal de transmissão do HIV são os actos sexuais sem protecção, sejam eles heterossexuais, bissexuais ou homossexuais. Em Moçambique, como na maioria dos países africanos, a principal forma de transmissão são os actos sexuais sem protecção, entre homens e mulheres. Provavelmente, a segunda causa será a transmissão vertical da mãe para a criança, durante a
gravidez, parto ou amamentação. Dado que as relações sexuais entre as pessoas do mesmo sexo, com ou sem protecção, são uma forma minoritária de
relações sexuais em Moçambique, ou em qualquer outro país do mundo, a transmissão do HIV através do sexo sem protecção entre duas pessoas do mesmo
sexo é estatisticamente pequena, quando comparada à transmissão heterossexual, no âmbito da epidemia generalizada que assola nosso país.
O ponto que queremos aqui vincar, em primeiro lugar, é que não é a orientação da relação sexual que é problemática na transmissão do HIV, mas sim se ela ocorre sem protecção. Este é um princípio que deve ser por demais conhecido por alguém que ocupa o cargo de Secretário Executivo Adjunto do CNCS há vários anos. Se não é do seu conhecimento, então é grave e preocupante.
Tentar travar a transmissão do HIV combatendo certo tipo de sexualidade é o mesmo que evitar a transmissão entre homens e mulheres combatendo as relações sexuais entre homens e mulheres. Ou combater a gravidez para evitar a transmissão vertical da mãe para a criança. Não faz sentido!
Em segundo lugar, num país onde a principal forma de transmissão do HIV é o sexo heterossexual sem protecção, a singularização das relações bissexuais,
para além de irrelevante pelos factos e argumentos acima apresentados, é uma tentativa inaceitável e lamentável de estigmatização, preconceito e
perseguição contra a comunidade homossexual, tentando fazer dela bode expiatório, e vai contra todos os princípios, documentação e literatura sobre o HIV/SIDA das Nações Unidas e da comunidade científica internacional.
As relações sexuais "múltiplas, difusas e descontroladas" em Moçambique, a que o Dr. Milagre fez referência, são muitíssimo mais comuns entre os que praticam o sexo heterossexual, do que em qualquer outro grupo. O fenómeno cada vez mais comum das "casas 2, 3, etc." (conhecido na linguagem técnica, que é de domínio do Dr. Milagre, como Parcerias Múltiplas Concorrentes - Multiple Concurrent Partnerships) é prova disso. Mas em nenhuma altura alguém se lembrou de apelar ao combate às relações heterossexuais. De novo, está claro que o problema não está na orientação do acto sexual, mas sim nas práticas sexuais irresponsáveis, isto é sem protecção, sejam elas múltiplas ou singulares, curtas ou prolongadas, homossexuais, bissexuais ou heterossexuais.
Esta atitude do CNCS só contribui para marginalizar ainda mais um segmento da sociedade que, ainda que pequeno e minoritário, também é vítima da epidemia do HIV/SIDA e que já sofre perseguições e humilhações indescritíveis por causa apenas da sua orientação sexual.
Hoje em dia, não existe em Moçambique uma única mensagem pública de prevenção que reconheça a existência de relações entre pessoas do mesmo sexo
e que se dirija às peculiaridades da prevenção no seio deste grupo. Existem alguns programas que, timidamente, começam a dar os primeiros passos nessa direcção, mas infelizmente nenhum deles é liderado pelas autoridades do nosso país.
É responsabilidade do CNCS reconhecer todos os grupos sociais vulneráveis à exposição ao HIV e desenhar e ajudar a implementar estratégias de prevenção e tratamento no seio deles, em vez de tentar encontrar bodes expiatórios e espalhar mensagens estigmatizantes, discriminatórias e preconceituosas, sobretudo no seio da nossa juventude. Será que não chega o estigma e a
discriminação que já estão associados ao HIV/SIDA? Será que o CNCS realmente acredita que ao espalhar mais ódio e preconceito contra os homossexuais
conseguiremos estancar a epidemia de SIDA em nossa sociedade?
A comunidade científica, bem como as principais agências de cooperação técnica internacional, recomendam como mais eficazes as estratégias de
prevenção baseadas na garantia dos Direitos Humanos e que trabalhem no combate à discriminação e estigma como forma de diminuição dos contextos de vulnerabilidade que atingem os homossexuais e outros homens que fazem sexo
com homens. Somente com o envolvimento e protagonismo destas pessoas nas acções de combate à epidemia é que avançaremos para uma aceleração da
prevenção ao HIV. Antes de vê-los como "culpados" de algo, o Conselho Nacional de Combate ao SIDA deveria afirmar os homossexuais e outros homens
que fazem sexo com homens como um dos grupos mais vulneráveis à exposição ao HIV, instando os diferentes intervenientes a desenvolverem acções de
prevenção no seio deste grupo.
Perante a gravidade da situação causada pela epidemia do SIDA no nosso país, este não é o momento de apontarmos dedos, de iniciarmos caças às bruxas e levantarmos falsos problemas. Esta é a hora de darmos as mãos, juntarmos esforços, pensarmos em conjunto e enfrentarmos esta tragédia nacional unidos e como cidadãos desta pátria! A LAMBDA e a comunidade homossexual, bissexual
e trans-sexual moçambicana, pequenas e modestas, estão prontas a avançar para esta batalha e a colaborar com o CNCS para o triunfo sobre a epidemia.
Esperamos do CNCS a mesma atitude aberta, corajosa, despreconceituosa e patriótica. Maputo, 27 de Outubro de 2008

(LAMBDA)

Onde estão os 15 milhões de MT alocados à «AGEMOD»?




Atitude da Primeira-ministra Irrita os desmobilizados de guerra

"Estamos a sofrer pressão de 3 mil desmobilizados das províncias. Querem avançar para uma outra manifestação à escala nacional porque ficou claro que a tendência do Governo é de nos jogar e nos mafiar" – Joaquim Manuel, presidente do Conselho da Administração da «AGEMOD». "Há dias recebemos quatro deputados, dois da Renamo e dois da Frelimo. No encontro que tivemos falaram também dos 15 biliões de Meticais da antiga família que a Primeira-ministra disse ter locado na AGEMOD enquanto na verdade alguém comeu em nosso nome. Aconselharam-nos a não deixar o assunto parado"

Maputo (Canal de Moçambique) – Os pronunciamentos da ex-ministra da Finanças e actual Primeira-ministra, Luísa Diogo, feitos ao Parlamento em 2001, assumindo que o Governo terá disponibilizado 15 biliões de Meticais da antiga família (15 milhões actuais) para dar prosseguimento à vários projectos na altura em curso na Agência Moçambicana dos Desmobilizados (AGEMOD), está a tirar sono Desmobilizados de Guerra.
O presidente do Conselho da Administração da «AGEMOD», Joaquim Manuel, voltou a contactar o «Canal de Moçambique» para manifestar o descontentamento dos seus co-associados que dizem estarem a ser jogados e marginalizados pelo Governo.
Segundo ele, a Primeira-ministra continua a evitá-los. "A nossa preocupação é a mesma com a dos deputados da Assembleia da República. Queremos que ela nos receba em audiência para nos explicar onde estão esses 15 biliões de Meticais tirados dos cofres do Estado em nome da AGEMOD e quem foi que os recebeu. Não é isso que queremos mas se for preciso podemos ir ficar à espera dela no seu gabinete logo de manhã para nos receber".
Joaquim Manuel que agora diz estar a ser pressionado pelos desmobilizados de guerra das restantes províncias disse também que depois da greve levantada em Setembro último e que culminou com a detenção de alguns colegas seus, "ficou claro que a tendência do Governo é de nos jogar e nos mafiar".
“A Sociedade Civil em si também tem vindo a nos informar que estamos a ser jogados de um lado para o outro porque estamos sempre em reuniões com o Governo mas na prática nada é resolvido e entende que mesmo as detenções dos nossos colegas em Setembro foram injustas”.
Visivelmente preocupado com a situação, Joaquim Manuel exibiu ao «Canal de Moçambique» uma carta feita pela Coligação das Associações dos Desmobilizados de Guerra de Moçambique, em que pedem à «AGEMOD» os resultados tidos nas reuniões que vêm sendo mantidas com o Governo desde a greve de Setembro último.
Entre outros conteúdos da carta, a Coligação informa à «AGEMOD» que caso as reuniões com o Governo não tenham alguns pontos aprovados e com uma breve implementação, o assunto fica suspenso e encerrado para "os desmobilizados de guerra saírem à rua novamente, manifestando-se à escala nacional por um tempo indeterminado a partir de 10 de Novembro próximo".
Aliás, segundo o próprio Joaquim Manuel, alguns deputados da Assembleia da República pelas duas bancadas têm se dirigido à «AGEMOD» com o sentido de se inteirarem de novos desenvolvimentos de tais reuniões com o Governo decorrentes da greve havida em Setembro.
"Há dias recebemos quatro deputados, dois da Renamo e dois da Frelimo. No encontro que tivemos falaram também dos 15 biliões de Meticais da antiga família que a Primeira-ministra disse ter locado na AGEMOD enquanto na verdade alguém comeu em nosso nome. Aconselharam-nos a não deixar o assunto parado", disse.
De acordo como interlocutor há informações segundo as quais "este valor foi sacado no Ministério das Finanças em nome dos desmobilizados de guerra".
Nas suas investigações, Joaquim Manuel, disse que a «AGEMOD» entrou em contacto com o actual Vice-ministros das Pescas, Manuel Borges, em virtude de ter exercido cargos de chefia no Ministério das Finanças na altura do desembolso dos alegados 15 biliões de Meticais da antiga família que não chegaram aos cofres da «AGEMOD».
A Fonte, explicou ainda que "Manuel Borges foi um dos intervenientes que acompanhou todo o processo dos desmobilizados de guerra porque nessa época foi chefe do gabinete e secretário-geral no Ministério das Finanças". Entretanto, Manuel Borges disse não saber muito bem sobre o assunto, mas "quem podia esclarecer muito bem o assunto é o Dr. Mazembe".
Contra as expectativas dos agremiados, Mazembe, por sua vez disse que na altura em que o actual Ministro das Finanças, Manuel Chang, tomou posse, fez questão de lhe apresentar toda a documentação referente ao assunto dos desmobilizados com os respectivos detalhes em que ilustrava os trabalhos realizados e não realizados a favor da «AGEMOD».
"Sublinhou que este processo é da AGEMOD, e temos direito a quatro viaturas e duas motorizadas e vinte e quatro rádios de comunicação", disse Joaquim Manuel para nos assegurar que desses meios "apenas recebemos doze rádios em 2000 aquando da inauguração da nossa sede".
Entretanto, Manuel Chang também nega ter recebido a referida documentação sobre «AGEMOD». Quando são convocados encontros para "acareação" dos alegados envolvidos no processo de que “não se vislumbra nenhuma solução à vista” a favor dos lesados, “alguns não comparecem”. Mas o certo, diz Joaquim Manuel, é que "esse é um processo que envolve um grupo de indivíduos que sacou o dinheiro dos cofres do Estado em nome dos desmobilizados de guerra".

(Emildo Sambo)

Liga Juvenil do ANC visita Maputo



No epicentro da vista está o pedido de desculpas devido aos actos de xenofobia que afectaram a muitos moçambicanos residentes na África do Sul em Março último.

Maputo (Canal de Moçambique) – Sob os auspícios do Partido Frelimo, mais concretamente da sua organização, Organização da Juventude Moçambicana (OJM), ao nível da capital do País, a Liga Juvenil do Congresso Nacional Africano (ANC), da vizinha África do Sul, visita desde Terça-feira a cidade de Maputo, até 1 de Novembro. A visita é organizada por uma comitiva de 12 membros movimento, liderados pelo presidente da respectiva liga do ANC, a nível da província de Gauteng, na África do Sul.
No epicentro da vista está o pedido de desculpas devido aos actos de xenofobia que afectaram muitos moçambicanos residentes na África do Sul; a discussão com a OJM de questões políticas, sociais e económicas, e a promoção do espírito de paz e solidariedade internacional e estabelecer uma plataforma de parceria nos mais diversificados domínios.
Segundo uma nota de imprensa do secretariado executivo da OJM, na Cidade de Maputo, para além dos pontos anteriormente referidos, a Liga Juvenil do ANC vai participar em debates e palestras subordinadas ao tema "Juventude no contexto político actual", encontros com diferentes personalidades e dirigentes de movimentos juvenis moçambicanos, e ainda "visita à Barragem dos Pequenos Libombos".
A mesma nota avança igualmente que a Liga Juvenil do ANC vai visitar, entre outros locais históricos, "as estátuas de Eduardo Mondlane e Samora Machel, a Fortaleza de Maputo e o Centro de Documentação Samora Machel".
Por outro lado, no âmbito desta visita da Liga Juvenil do ANC, está agendado um Sarau Cultural no Cine Africa.

(Emildo Sambo)