Sunday, 6 December 2009

Em Quelimane

Depois de um mes fora do pais regressei a 'casa'! E o contraste, o sentimento e o mesmo! Depois de abracar e conviver com os aranha-ceus mais altos do mundo em Cidades como Londres e Nova York; depois de embrenhar-me nos eficientes subterraneos de Washington, Nova York, Londres, e Berlin regresso a dura realidade dos taxis de bicicleta, das 'piscinas municipais' da terra que me viu nascer! Depois de cruzar os ceus do mundo nos mais modernos avioes, regresso a dura realidade dos cortes de energia, das chivas que alagam e transformam a cidade dos meus sonhos numa autentica lagoa movedica; depois de jantar no 46 andar do second street em Nova York regresso ao restaurante do meu querido amigo Gany onde tenho que inventar conversa por 45 minutos para receber a minha garoupinha grelhada!

Enfim depois de um mes de sonhos na terra dos outros, regresso ao meu proprio covil e o silencio que tento amordacar torna-se insuportavel! e sem querer, as redeas que impus ao meu pensamento recusam a aceitar a logica mundana imposta por uma eleicao para 'ingles ver', e como dizia o poeta mor ... a voz amordacada transforma-se num trovao; e o carvao recusa-se a apenas arder, porque a voz do dono se impos!

Porque adiam o grito da liberdade do meu povo? Porque insistem em amrdacar a voz do meu povo? Porque o matam malariamente sidando-o?

Um dia, a minha voz se juntarao outras vozes e nesse longiquo dia, nem eleicoes, nem comunidades internacionalizadas, nem doadores convenientemente manietados poderao parar a forca que embrutece as mentes da minha terra!

Sim, como dizia o velho poeta, quero ser carvao para arder com toda a minha forca! Para repousar em paz, pescando no mundo da globalizacao, de Hudon ao Potomac, Dos Bons Sinais/Cuacua ao Tamisa! Sem fronteiras climaticas globalizadas!

Quelimane, Zambezia, Mocambique, Africa, ergue-te et ambula! Nao dexes que te embrutecam eternamente!

E mais nao disse!

MA

4 comments:

Custódio Duma said...

Meu amigo Araujo...é profundo o que pretendes mostrar e dizer...mas eu pergunto?

Quantos Zambezianos vao ler este teu post? Quantos mocambicanos?

Quantos meu amigo...

Anonymous said...

Senhor Custodio Duma,
Que importa a mensagem ai esta Uma duas ou mesmo ninguem vai le_la ai esta quem sabe,nao vamos suprimir a realidade so porke nao sabemos quanta gente vai ler.nao acha?

A d A said...

Não importa o numero dos que lêm o artigo, mas mais importante ainda é que alguem lê e comenta

Anonymous said...

Pois é Caro Araújo, mas a casa é sempre a nossa casa. E é lá que sentimos quem somos.
Vc melhor que muitos oderá compreender os que sendo de Quelimane por motivos diversos não podem regressar à "sua" casa.
Boa estadia
Abraço

Jorge Leite