Friday, 24 July 2009

CARTA ABERTA A SUA EXCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE, ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA

ASSUNTO PONTE SOBRE O RIO ZAMBEZE

EXCELENCIA
Vimos por este meio felicitá-lo bem como ao seu executivo pela conclusão atempada da construção da Ponte sobre o Rio Zambeze.
Para um país como o nosso, com elevados índices de pobreza, construir-se em tempo recorde uma obra desta envergadura, e sem margem de dúvidas motivo de orgulho do seu executivo bem como de todo o povo moçambicano. Representa o espirito de sacrifício, dedicação e sabedoria do nosso povo.
Desenhada para uma extensão de 2.3 quilómetros, a ponte sobre o Zambeze é dotada de duas faixas de rodagem, bermas e passeios em cada lado. Compreende, por outro lado, 13 metros de gabarito (altura) no leito do rio, para permitir a navegação do seu canal mesmo no período de cheias de grande magnitude para uma escala entre um e 20 anos.
Este projecto, orçado em cerca de 80 milhões de euros, financiados pela Comissão Europeia em 25 milhões, 20 do Governo italiano, 18.312 da Suécia e perto de nove milhões injectados pelo Japão contou com a contribuição do governo moçambicano em cerca de 12 milhões de Euros.
A obra empregou cerca de 346 trabalhadores, sendo 280 nacionais e 66 estrangeiros. Toda a tecnologia nela aplicada é de ponta a nível do continente africano, destacando-se a viga de lançamento para a construção do tabuleiro que se move de vão em vão sem mudança do respectivo comando. Isto, segundo os entendidos na matéria, permite que não se verifique interrupção dos trabalhos mesmo no período das inundações.

EXCELENCIA
Este emprendimaendo que ficou conhecido por Ponte da Unidade durante a sua construção, a majestosa infra-estrutura que liga o Centro e o Norte de Moçambique, deverá, segundo informação tornada pública chamar-se Ponte Armando Guebuza, isso a partir de 1 de Agosto, data da sua inauguração.



A informação foi tornada pública, na Beira, no dia 1 de Julho de 2009, pelo Ministro das Obras Públicas e Habitação, Felício Zacarias. Este justificou a decisão alegando que o actual Chefe do Estado demonstrou grande empenho no desenvolvimento do país, sobretudo no sector das estradas.
Para quem conhece todos os projectos ROCKS (estradas e pontes) financiados pelos parceiros de cooperação sabe que o empenho do governo nas estradas e pontes vem desde o governo do Presidente Chissano. Por isso, esse argumento não procede.

Por conseguinte, nós, os abaixo mencionados,
Cientes do esforco que o governo desempenhou na angariação de recursos para que este sonho virasse realidade,
Convencidos da importância estratégica deste emprendimento na consolidação da unidade nacional,
Imbuídos do mais profundo sentido patriótico,

Vimos por este meio apelar a V. Excia para que, por razões éticas e de justiça, não aceite a “proposta” avançada pelo Ministro das Obras Públicas e Habitação, no sentido de a ponte sobre o rio Zambeze ostentar o seu nome!

Fazemo-lo porque achamos que esta atitude desvirtua o sentido da ponte, que se pretende de UNIDADE NACIONAL.

Somos pelo não endeusamento e pelo não culto de personalidades exercendo cargos públicos. Em muitos países é prática que não se atribuam nomes de personalidades vivas a instituições públicas. Gostariamos que V. Excia entrasse na história não como Salazar, Mussolini, Hitler e outros, que deixaram seu nomes estampados em obras de envergadura, mas que depois da sua morte tais empreendimentos mudaram de nome.
Excia, deixe que seja a história, que seja o povo a endeusa-lo. Tem se dito que elogio a próprio é vituperio. Não deixe que o falso elogio, o lambe-botismo, a subserviência dos seus colaboradores o façam perder a Dignidade, Sentido de Justiça, Humildade e Grandeza que o momento requer.

Saudamos a iniciativa de V. Excia e do seu Executivo de consagrar o ano 2009 como ANO EDUARDO MONDLANE, em reconhecimento das virtudes e da visão de Mondlane .

Este é o momento de dar subsistência a essa exaltação. Faça-o, conferindo, no ANO de MONDLANE, o nome de EDUARDO MONDLANE à Ponte do Zambeze, em memória deste filho da pátria moçambicana e Aquitecto da Unidade Nacional, inequivocamente aceite por todos os quadrantes, que deu sua vida para que hoje Moçambique fosse livre.

Caso V. Excia nao concorde, apelamos que escolha de entre os seguintes nomes aquele que seria atribuído a esta magestática obra de engenharia:

 Ponte 4 de Outubro – em homenagem à Paz;
 Ponte de Chimuara-Caia
 Ponte sobre o Zambeze – em homenagem a este gigantesco rio que alimenta o país;
 Ponte da Unidade Nacinal – em homenagem à eliminação do acidente geográfico que impedia o país de se unir;
 Ponte Filipe Samuel Magaia – em homenagem ao grande estratega da luta armada de libertação nacional;
 Ponte 25 de Junho – em homenagem ao dia da independência; ou
 Ponte 25 de Setembro – em homenagem ao início da Gesta heróica dos heróis da luta de libertação.

Tenha a certeza Senhor Presidente que o seu nome (se for o caso) apenas ficará registado na placa e nos discursos de ocasião. Porque na memória do povo ela será sempre Ponte de Unidade, Ponte do Zambeze ou Ponte Eduardo Mondlane.

A História o julgará ou a História lhe fará justiça.
Sem mais assuntos de momento subscrevemo-nos, aproveitando o ensejo para endereçarmos os protestos da nossa mais elevada consideração,


Atenciosamente,

(Para assinar envie um email a alculete@yahoo.com com a palavra concordo ou assine directamente neste blog deixando o nome e a palavra concordo no espaco reservado a comntarios.

1. Manuel de Araujo
2. Jose Changue
3. Timothy Massango
4. Machado da Graca
5. Paulo de Araujo
6. Adelaide Davane
7. Ursula
8. Hortencio Lopes
9. Antonio Antique
10.Tomas Mulungo
11.Borges Nhamirre
12.Leia Chingulo
13.Sara Pacule
14.Cleide Marcelino
15.Emildo Sambo
16.Ernesto Pedro
17.Jacinta de Jesus
18.Marcelino Frederico
19.Paulo Gentil
20.Custodio Duma
21.Rita Hall
22.Angelo Matinada
23.Viriato Caetano Dias
24.Quintino Lobo
25.Joao Madia
26.Constancio Nguja
27.Amalia Lopes
28.Padil Salimo
29.Hilario Sousa Chacate
30.Olimpia Luciano
31.Amilcar Gil
32.Luis Nhachote
33.Danila Molgy
34.Julio Alfredo
35.Dula Magide
36.Tayra Sousa Mussa
37.Osvaldo Camacho
38.Ricardo Baptista
39.Eduardo Namburete
40.Ismael Damao
41.Bento Rupia Junior
42.Celso Gusse
43.Claudio Joaquim
44.Linette Olofsson
45.Josue Bila
46.Jose Ricardo
47. Rui Sabia
48.Leovigildo Juliasse
49.Marinela Rodrigues
47.Adelaide da Graça
48.Samuel Macuacua
49.Lurdes da Fonseca
50.Sandra Honwana
51.Custódio Rungo
52.Hortência Henrinques tembe
53.Nelson Tembe
54.Ivo Júnior
55.Salomé Tiago
56.Reginaldo Flávio da Costa
57.Arlindo Bauque
58.Gildo Rungo
59.Fernado da Costa
60.Abdul Magide
61.Mariamo Sacugi
62.Gimo Alage
63.Halima Cassimo
64.Calvino Figueira
65.Nereyda Ayob
66.Edson Fernandes
67.Master Franco Lazaro
68.Moreno Muze
69.Jaibo Mucufo
70.Terezinha da Silva
71.Feliciano Augusto
72.Augusto Buanaissa
73.Isaque M. Joaquim
74.Edilia da Luz Jose Mondlane
75. Josina Nhantumbo
76.Titos Chongo
77.Paulino Manuel
78.Helder Oliveira
79.Pedro Caixote
80.Milena Antunes
81.Paulo Sergio
82.Sara de C. Biriba
83.Teresa Maria Vidigal
84.N. Henriques Viola
85.Virginia Lucas
86.Carla Pedro
87.Elisa Domingos
88.Yuran Gilberto Sousa
89.Muhamed Shaid
90.Suenia
91.Dioko Daindro Ricardo Barla
92. Yassin Faquir Mandany
93.Elsa Maria Helena
94.Silvestre Orginal
95.Manuel Francisco Muinga
96.Jeremias Johane Sabonete
97.Claudio A. Manuel
98.Hedo Mouzinho
99.Elisa Clara Amos
100.Sonia Celestina Nhassengo
101.Odete Raquina Cossa
102.Laura clara Amos
103.Jeronimo Bomba
104.Halima Belo
105.Cristina Jacinta Amos
106.Palmira bernardo
107.Julieta jacinto Nhassengo
108.Algy Vally Mussa
109.Alexandre Jose Mandlate
110.Manuel Gabriel tembe
111.Cecilia Jose Matchinhe
112Luis Jose saimone
113.Inacio pedro ufidio
114.M. S. Palusso
115.Silvino Jesualdo
116.Joaquim Narcisio
117.Jacinto Abel Muiambo
118.Anastancio Jorge Machel
119.Paulo Buque
120.Rute Jorge Samuel
121.Suzete Sousa Sicavel
122.Julia Chirinza
123.Teresa Francisco
124.Joao Lucilia
125.Francisco Mamel
126.Afonso Manuel
127.Nhuenzimo
128.Simon Leandro
129.Nelson Silva
130.Ana Alexandre
131.Almeida
132.Antonio Jose
133.Cremildo Vilankulo
134.Lazaro F. Macamo
135.Isac Carilau
136.Titos afonso Dilonde
137.Nuno Tiago Rilvas
138.Narma Abdula Amade
139.Serafim Nica
140.Baltazar jacob
141.Euladio Langa
142.Sergio Ricardo
143.Osvaldo Elish Hanjaco
144.Luala Nsecani D. Adg
145.Agostinho Joao Dirgume
146.Carlos Duarte
147.Subuana Bonde
148.Roana joana
149.Omilia Tembe
150.Manuel Jorge
151.Bernadino A. Manhique
152.Anuario Felipe Aleng
153.Manuel Fernando
154.Santos A. M. Alfredo
155.Alexandre Facheng
156.Miguel Novela
157.Ivan Luis Titoce
158.Jose Afonso Mucavele
159.Jorito Santorcia
160.Gilberto Tomas
161.Eleta Tame Muianga
162.Dulce Hreminia Tembe
163.Octavia Mateus
164.Luisa Joao Huo
165.Cassimo Ismael Mahomed Bay
166.Carlos Vitorino
167.Paulo Augusto Yong
168.Johane Chinhacata
169.Celso Alone
170. Junior Caixote

22 comments:

Ndafakale said...

Quando e que esse blog vai melhorar na gramatica, forma, e conteudo?

Anonymous said...

Existe algum dispositivo que nos fará acreditar que esses nomes são verdaeiros?
Acredito que existem critérios para que uma petição seja levada a sério. Se não, eu acordaria e faria uma petição com mil nomes, todo inventados.

Jamal

Anonymous said...

Concordo!
Feliciano Augusto

Anonymous said...

oi
Voltas a repetir do numero 49, preste atencao.

estas de parabens pela iniciativa
neste pais deveriam aparecer pessoas a fazer mais pesquisas de opiniao.

Também nao concordo com aponte Armamdo Emilio Guebuza,

nem que seja daqui a 50 anos (com vida ou minha morte) espero que venha um novo governo e mude este nome...
É UM ULTRAGE

ILEGIVEL

Ndafakale said...

sao tres numeros repetidos 47, 48 e 49. Nessas circunstancias, esse leque de opinioes comecam a perder seu valor

N. Inacio said...

Infelizmente o nosso debate nacional esta entrar para uma etapa muito perigosa, concordo ou discordo logo ou e lambe botas ou e apostolo da desgraca.

Caro Manuel de Araujo,

Intriga-me um pouco que seja motivo de questionamento o nome de Armando guebuza para ponte num pais onde esse mesmo nome e de varias outras obras, escolas, etc, etc.

Agora, senti de facto que este momento pode ter servido para questionarmos o mecanismo de atribuicao de nomes as nossas obras, escolas, etc, etc, sera que o povo deve participar como? Nao devera isso ser legislado para evitar que num futuro ou num presente proximo outras aberracoes acontecam?

Pessoalmente, nao vejo nenhum problema em a ponte se chamar oficialmente Armando Guebuza, talvez os procedimentos que levaram a que tal nome vincasse nao foram os mais acertados nao que faltasse legitimidade para o faze-lo ao proponente mas porque seria airoso que o processo tivesse inciado de base vindo das populacoes, por outro lado, pairou um pouco a arrogancia quando nos foi dito que a decisao era irreversivel, nao se fala assim para os governandos, vao murmurando, nao e etico.

Para terminar, gostaria de sugerir a nao discutirmos o nome da Ponte Armando Emilio Guebuza, mas sim os mecanismos de atribuicao de nomes, a pontes, escolas, hospitais, entre outras obras de utilidade publica.

Mais nao disse.

Nibhubhu said...

Noa, tu es um grande escova....quem es tu para decidir o que as pessoas podem ou nao podem discutir?

Noa Inacio said...

Caro Nibhubhu,

Pessoalmente nao me intimida ser considerado isto ou aquilo mas me interessa saber se voce ja me tinha avisado ou nao se eu deveria lhe pedir permissao para apresentar a minha sugestao? O meu ponto de vista?

Caro Nibhubhu,

Vou tentar apresentar factos, para ver se voltas a razao o erro e humano?

Na Beira, Daviz Simando decidiu dar o nome de uma praca de Andre Matsagaissa alguns cotestaram mas a praca, com o seu nome esta la? Hoje o Ministerio das Obras Publicas deicidiu dar o nome de Ponte Armando Guebuza, contestamos e o nome esta la?

Estou a tentar te levar a questionar se nao seria o facto de ficar devidamente legislado o mecanismo de atribuicao de nomes a obras ou locais publicos?

Espero ter sido um "escova" coerente.

PS: Ja tinha alertado para este aspecto, a intolerancia do pensamento esta se agravando, isto e, ou penso como Nibhubhu e ele me elogia ou penso contrariamente ao Nibhubhu e sou lambe botas. Apelo a uma urgente reflexao de todos para este aspecto.

Nibhubhu said...

Noa, espero que nao caias no erro de MC Roger, tao convencido e tentando ensinar as pessoas. Sofres de parto precose nas reflexoes. Ainda nao te aperceste disso Noa. Nao seja MC Bloguista

Noa Inácio said...

Nibhubhu,

Desculpa, imensas desculpas, por ter dialogado contigo. Desde o incio da sua intervencao nesta casa, ainda nao discutiste sequer a sua ideia o seu ponto de vista sobre o tema muito bem desenvolvido pelo autor, limitas-te a falar de Noa, MC Roger. Sera que eu e que te estou a dar muita trela, ou em algum momento ainda vais apresentar o seu argumento. Bem, independe da sua resposta, ou melhor do insulto que me fores a fazer desta vez, mas agradecia que colocasses a sua opniao estou ancioso por conhece-la. Infelizmente nao vou a tempo de dialogar consigo de novo a nao ser que a sua opniao sobre o assunto em discussao o mereca, mas sem querer ser presuncoso, ja o sendo, tenho grandes, duvidas ou melhor grandes reservas que tenhas alguma opniao, bem vamos ver, se insultar e o teu jeito fica a vontade. Abraco

Nibhubhu said...

Muito convencido Noa bloguista a MC Roger. Bom, tua lata soa muito bem. Continue assim.

Viriato Dias said...

Amigos,

Ninguém tem o direito de julgar o seu irmão porque, parafraseando o escritor Paulo Coelho, sempre que estiver a julgar o seu irmão, tenha consciência de que é você quem está no tribunal. Logo à partida peço, quer ao Nibhubhu quanto ao Noa Inácio, um pedido de entendimento e que a visão das coisas não seja manifestada pelo coração mas pela análise crítica aturada dos factos.

Sou um dos moçambicanos que também é contra o nome de Armando Guebuza à ponte sobre o rio Zambeze, porquanto o país, no seu todo, já tem empredimentos, infra-estruturas, etc em seu nome, chegando inclusivamente a confudir-se, em certos casos, em certas zonas do país, em qual das escolas a ir, uma vez que, todas elas são Armando Guebuza! Este país tem mais heróis e tem estado a parir tantos outros. Não estamos no Gabão onde cada casa, cada esquina ostenta o nome de Omar Bonge, ora presidente falecido recentemente.

José Hermano Saraiva, célebre historiador português, uma vez disse o seguinte: "A atribuição dos prémios (...) está inclinada de extrabismos políticos e de oportunismo de secretaria."

Há-de a história fazer justiça.

Um abraço

Nibhubhu said...

Me parece que pesquisas muito Viriato. Parabens...te ajudam muito os factos criticos aturados sobre Coelho ou Saraiva.

Noa Inácio said...

Caro Viriato,

Ainda tenho em mente o desafio que me colocaste no meu blog,e estou a me preparar para escrever algo a altura.

Bem, sobre a Ponte quisera eu tambem ser contra, mas nao encontrei argumentos o suficiente para tomar tal posicao, pois nao me recordo de ter ouvido neste pais alguma consulta publica para que a Estrada Milagre Mabote tivesse esse nome, Escola Armando Guebuza do Chamanculo tivesse esse nome, que o centro de Conferencias Internacional se chamasse Joaquim Chissano, que a rua que vai dar ao Costa do Sol se chama-se Jose Craveirinha, so para citar alguns exemplos.

Concordo e respeito a opniao de todos quanto nao concordem com os nomes atribuidos a todos esses locais.

Por isso Caro Viriato,

Penso que neste momento o mais sensato no meu modesto modo de ver as coisas seria concentrarmos as nossas atencoes no mecanismo como esses locais sao atribuidos ou deverao ser atribuidos nomes.

Porque a ver pela forma como terminas o seu texto, no dia em que os que nao gostaram desse nome para Ponte, ela indubitavelmente, tera de mudar de nomenclatura, acho que nao devia ser assim.

Busquemos mecanismos solidos e concessuais para que os nomes dos nossos locais publicos sejam nomes nossos, respeitados e assumidos por todos. A democracia peca exactamente por nunca permitir a satisfacao de todos.

Abraco

Viriato Dias said...

Caro Noa,

Um dos vícios moçambicanos mais comuns é a nossa capacidade e tendência para generalizar. Por não partilhar dessa "psicose" da generalização, quero separar o trigo do joío e este é o momento mais oportuno.

1. A atribuição de nomes à avenidas e ruas, só para citar alguns exemplos, como Milagre Mabote e companhia limitada não foi em função de nenhum critério, muito menos sujeito à referendo, debate público, plebiscito, enfim, foi em função daquilo que o professor Saraiva chamou de extrabismos políticos e ai de quem, naquela altura, ousasse opor-se contra ou era tido como reaccionário, morto, ou então era uma relíquia na cadeia donde só saia, mesmo assim, morto!

2. Sendo o país uma propriedade da Frelimo (pelo menos até ontem o era em toda a sua plenitude)ninguém podia discordar das orientações dos chefes, daí que nomes daqueles que em vida tiveram mãos cheias de sangue e, por matar tantos patrícios seus durante a guerra, valeu-lhes a toponímia em algumas ruas, avenidas, escolas e outras infra-estruturas públicas. Isto para não falar dos bajuladores e lambe-botas que atrelando-se a eles, com vantagens nos impostos e não só, deram nomes dos camaradas aos seus empreendimentos. O povo não esquece, Noa!

3. Uma vez que o povo acordou dum sono anastésico ou de letárgia se preferir, não se deixa enganar com as manobras da Frelimo. Razão pela qual, não podendo mais crucificá-lo nem matá-lo, recusa-se em assumir-se filho de qualquer partido. Não é por mero acaso que o Noa, cuja idade é a minha, passou anos e anos na adolescência a chamar de papã aos dirigentes da Frelimo, ou não foi? Chamou de mamã as suas esposas e amantes, ou não foi? Isto acabou!

4. Mesmo os que tiveram a sorte de serem imortalizados com nomes em escolas, ruas ou avenidas, etc são os que foram silenciados pelo regime, sendo poucos e muito poucos que tiveram uma morte natural. A estes, meu caro Noa, em vida viveram de joelhos e completamente marginalizados. Pode ver o estado e o sítio escolhido para as ruas Craverinha, Tazama, Mabote, etc é uma lástima, ou não?

4. O que me leva a estar contra a atribuição do nome de Armando Guebuza à ponte Sobre o Rio Zambeze (porque para mim será sempre este nome a dar aquela ponte) é exactamente o extrabismo político e de secretaria, que sou contra. Foi um balde de água fria para todos os moçambicanos e eu digo mais, engoli sem auxílio de águas as pípulas mais amargas, quando pela voz do Ministro das Obras Públicas e Habitação Engº Felício Zacarias, recebi a informação pela RM-Antena Nacional que a Ponte Sobre o Rio Zambeze vai passar a chamar-se Armando Guebuza! Porquê? O nome inicial não serve, porquê? Será que não há neste país uma pessoa que tenha feito muito pelo país que o Sr. Guebuza? Coitados daqueles que vivem arredores da ponte, familiares do régulo como é que vão ficar perante este suicídio monumental?

5. Creio eu, caro Noa, que o partido que ganhar as eleições que não seja a velha Frelimo, porque dizia-me um amigo que a Frelimo é o somatório das suas virtudes e defeitos. Coragem Frelimo: já só vos falta as duas virtudes; vai fazer a questão de mudar, à semelhança do que aconteceu em Portugal, com a actual ponte 25 de Abril, cuja trajectória faço regularmente. E vai acontecer que o povo vai saltar-se de júbilo.

Duma coisa, porém, estou de acordo consigo. Há que se ter em conta a questão dos títulos de herói e a atribuicação de nomes de políticos a coisas públicas. Temos que debater esta questão seriamente. E não vale aqui, aquele ditado são-tomense que diz que "a voz do burro não chega ao céu" - meia palavra basta para um bom entendedor.

Um abraço

Ndafakale said...

Noa, seja um pouco mais analistico. Viste que resvalaste em panfletario advogando nome de Guebuza para a ponte? Pensaste que Viriato estava na tua treta de escovismo barato? Rapaz pensa um pouco

Viriato Dias said...

Ndafakale,

Com atenção reparei que este termo "Ndafakale" quer dizer, em minha língua materna, de Tete, "já morri", pois é, apenas queria condenar linguagens azedas, contra o Noa ou quem quer que seja, vamos é ao diálogo.

Zicomo
Obrigado

Ndafakale said...

Caro Viriato,

Nao tenho a culpa dos meus pais terem-me atribuido o nome de Ndafakale. Ainda bem que identifica-se, mas em Tete falas mais de tres linguas. Por favor nao entremos em equivocos: existe o nyanja/chi-chewa; Sena/chi-sena, Chi-nyungwe; chi-tumbuka...que lingua de Tete te referes. Zikomo e nyanja. Nao sou obrigado a ter nome colonizadores (Viriato). Achimwene, ah...ah pepani. Zimene zi sizitheka yae!!!!

Viriato Dias said...

Risos. És mesmo de casa.

Abraços

Noa Inacio said...

Caro viriato,


Para meu conforto queria pedir a sua permissao para postar a minha resposta ao seu contra-argumento no meu blog, pois assim vai permitir que o enqudre numa outra sequencia de debate, assim nao terei que ser repetitivo. Obrigado pela compreensao.

Mhula said...

Olha eu Concordo, e alias o irmão Guebuza deve deixar de ser apologista da Mediucridade, e deve tambem saber ou lembrar que a historia é feita não pela individualidades mas sim pela sociedade olha este mediucricista que tem a capa de presidente da Republica deve visitar os livros de sociologias ou melhor deve contratar um professor de Historia social para perceber que este não é o momento de se impor nem de ditar acima da vontade do povo.
se quzer ficar na historia faça algo que lhe possa elevar, que não seja sujar placas nomenclando falsadamente a instituições publicas como charas mesmo sabendo que ja têm nome.QUE BAIXO!!!!!!!!! camarada mude de atitude

Anonymous said...

Lí detenidamente todos os comentários deixados aquí e creio que sim, o posetivo é que estamos construíndo diálogo, algo que hoje em dia nao ocorre no nosso país em geral, onde decisoes se tomam de maneira arbitrária e democracia é uma "miragem". Falando em democracia, queria lembrar-lhes que significa Poder do/no povo: mas como em Mocambique o poder vai estar num povo com 50% de analfabetos???

O que encontro como fraqueza/fortaleza nossa é que, se nao me engano, grande parte dos bloggistas aquí sao mocambicanos na diáspora, que ainda que estando na "comodidade" dos países anfitrioes, estao intimamente ligados a cena política e social de nossa pátria. Isso é muito posetivo. O negativo é que nao existem muitos mocambicanos dentro do país a emitir suas ideas e sentimentos sobre assuntos de interesse nacional.

Agora, indo com o bico ao grao, dizer-lhes que encontro uma grande fantochada que apenas poderia ocorrer no "país de faz-de-contas" que se há tornado o nosso Mocambique que uma obra de envergadura nacional como a ponte sobre o rio Zambeze fosse inaugurada com o nome AEG, este cidadao que nao contribuiu em nada para o desenvolvimento do país e que apenas transformou todos membros da Frelimo em "zombies" que já nao raciocinam, apenas se limitam a "bajular" o chefe e serao os mesmos que quando ele sair do poder (já que o país nao é uma monarquia, ainda que exista uma tendencia do cla Guebuza em comportar-se como a família real), serao os primeiros a nao respeitar ao AEG e o mesmo como os nomes em escolas, hospitais, etc...

De facto, concordar com o Mhula ao designar este cidadao de "apologista da mediocridade", porque é o que se dá a ver!

Feliciano Augusto